Exposição “Humor Gráfico & Cotidiano”

O criativo cartunista MINÊU realiza exposição de 28 de julho a 12 de agosto (horário de visitação: 6 às 22h) na estação de trem da Calçada, Salvador-BA. A abertura acontece dia 29/07/08(terça-feira) a partir das 18:30h.
Vale a pena conferir! O cara é fera! É um dos super-amigos do Oficina HQ!
:: Oficina HQ 

Anúncios

Laerte é o mais premiado do HQ Mix; 20ª edição distribui 60 prêmios

O Troféu HQ Mix, o Oscar dos quadrinhos brasileiros, distribuirá em sua 20ª edição –que acontece nesta quarta, no Sesc Pompéia– nada menos do que 60 prêmios em diversas categorias, indo de desenhista revelação a grande mestre.
Mas ninguém receberá tantos troféus quanto Laerte, criador dos Piratas do Tietê e colaborador da Folha: quatro estatuetas. Seu livro “Laertevisão” ganhará três prêmios: edição especial nacional, projeto gráfico e projeto editorial. O quarto prêmio vem pela série em três números “Piratas do Tietê – A Saga Completa”, na categoria de publicação de humor.

Laerte ser premiado no HQ Mix não é uma novidade: com as quatro nomeações deste ano, chega a um total de 33 prêmios nos 20 anos do evento. “Eu ainda fico surpreso”, diz Laerte. “À medida que o tempo passa, vai me dando medo de não ganhar”, conta, rindo. “Penso: se eu não ganhar, o que será que isso significa?”.

Para Laerte, parte do mérito de “Laertevisão” ter recebido três prêmios vem da edição do livro, inclusive o trabalho gráfico, feito por seu filho Rafael Coutinho. “Laertevisão” reúne, além de histórias curtas que trazem pedaços da infância do autor, fotos e propagandas da época.

Outro artista que receberá mais de um prêmio será Allan Sieber, também colaborador da Folha, que venceu em duas categorias: melhor cartunista e publicação de cartuns, por “Assim Rasteja a Humanidade”. “Não vejo nada diferente nos meus cartuns, apenas sigo um caminho aberto a tapas por gênios como Reiser, Wolinski, Jaguar, Reinaldo e Vuillemin”, afirma Sieber.

“Mas preciso comer muito feijão pra chegar ao pé desses caras, que fique claro”, completa. “O Jaguar mesmo já alertou que o cartum está morrendo, não há espaço para ele em revistas ou jornais. É verdade”, pondera Sieber. “O que eu procuro é fazer um cartum sincero, sem muitas firulas, o mais direto possível.”

Além de nomes já conhecidos dos quadrinhos nacionais, o HQ Mix também premia a nova geração, como Jozz, de 25 anos. Após dois anos indo ao evento como espectador, ele subirá ao palco pela primeira vez para receber o troféu de melhor desenhista revelação, por “Zine Royale”.

“Foi uma surpresa, acabei de começar”, conta Jozz. “Sinto como se indicassem que estou indo no caminho certo. É um incentivo.”

CERIMÔNIA DO 20º HQ MIX
Quando: quarta (dia 23), às 20h
Onde: Sesc Pompéia (r. Clélia, 93, São Paulo, tel. 0/xx/11/3871-7700)
Quanto: entrada gratuita (classificação livre)

Fonte: Folha de São Paulo (PEDRO CIRNE, Colaboração para a Folha de S. Paulo) 21/07/08
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u424430.shtml

 

Capoeira – No Pelourinho Tem!

Como pode a Bahia definir o que é capoeira, se a capoeira define o que é ser Bahia?

A pergunta remete à interpretação cultural proposta por Geertz, que ao invés de estudar ‘brigas de galo’ em Bali deveria ter rumado em nossa direção, para encontrar esse paraíso todo especial: a capoeira. Não como um reflexo da cultura ou das culturas locais, e sim como leitura dos próprios envolvidos sobre a experiência desses lugares concêntricos que são — Salvador, Recôncavo, Bahia e Brasil—, uma leitura densa sobre a experiência baiana e brasileira.

É justamente por isso que aqueles que aprendem capoeira relatam ter aprendido muito mais do que simplesmente capoeira. Aliás, não existe ‘simplesmente capoeira’. Como diz Mestre Curió:

“…o que caracteriza um Mestre é ética, é saber quem ele é, ter filosofia…, por que a capoeira é uma filosofia, a capoeira ela é arte, ela é dança, ela é malícia, é coreografia, teatro, sagacidade, religião, cultura, ela só pode ser perigosa na hora da dor…”. Fonte: http://www.capoeiraviva.org.br/apre.htm

Em toda a Bahia, tem diversas manifestações da capoeira e seus estilos. Mas no Pelourinho você encontra esse Bem Imaterial, e pode conhecer as sedes de Mestre como Curió (Rua Gregório de Mattos,n° 09,2° andar,Pelourinho-Salvador/Ba Cep:40.025.060), Mestre Bimba (Rua Francisco Muniz Barreto, 01 – Centro Histórico, CEP: 40025-040, Telefone: 3322-0639).
Para conhecer mais grupos de Capoeira, visite o link: http://www.cultura.salvador.ba.gov.br/mapeamento-cultural-grupos-capoeira.php
E Salve a Capoeira! No Pelourinho tem!!!

Balé Folclórico da Bahia no Pelourinho – parte 1

ORIGEM
Criado em 1988, por Walson Botelho, dançarino e coreógrafo que hoje dirige a companhia, o Balé Folclórico é uma das manifestações artísticas mais representativas da cultura afro-baiana. Como se isso não bastasse, é a única companhia de dança folclórica profissional do país apresentando um currículo admirável, com grande sucesso em apresentações nacionais e internacionais.
O Balé tem sede em Salvador e fez a sua estréia durante o Festival de Dança de Joinville, mesmo antes de seu lançamento oficial, quando mais de 20.000 aplaudiram o espetáculo “Bahia de Todas as Cores”. A partir daí, já recebeu muitos prêmios, com destaque para o “Prêmio Mambembão”, oferecido pelo Ministério da Cultura, em 1996, como a melhor preparação técnica de elenco no País naquele ano.
Conheça o Balé Folclórico: Assista a uma de suas belíssimas apresentações no teatro Miguel Santana, Pelourinho(Salvador-Ba) ou entre no
 www.balefolcloricodabahia.com.br
A imagem que acompanha este texto é a representação gráfica de OXUM (pelo artista plástico Wilton Bernardo), um dos Orixás apresentados no Teatro Miguel Santana pelo Balé, tidas as noites, no Pelourinho.
Sobre o Orixá OXUM
Dona das águas. Na áfrica, mora no rio oxum. Senhora da fertilidade, da gestação e do parto, cuida dos recém-nascidos, lavando-os com suas águas e folhas refrescantes. Jovem e bela mãe, mantém suas características de adolescente.
Cheia de paixão, busca ardorosamente o prazer. Coquete e vaidosa, é a mais bela das divindades e a própria malícia da mulher-menina. É sensual e exibicionista, consciente de sua rara beleza, e se utiliza desses atributos com jeito e carinho para seduzir as pessoas e conseguir seus objetivos.
Quando orumilá estava criando o mundo, escolheu oxum para ser a protetora das crianças. Ela deveria zelar pelos pequeninos desde o momento da concepção, ainda no ventre materno, ate que pudessem usar o raciocínio e se expressar em algum idioma. Por isso, oxum é considerada o orixá da fertilidade e da maternidade.
Por sua beleza, oxum também é tida como a deusa da vaidade, sendo vista como uma orixá jovem e bonita, mirando-se em seus espelhos e abanando-se com seu leque (abebê ).