Mundo dos Super-Heróis chega ao iPad


Ok, o brinquedinho da Apple ainda parece um sonho de consumo distante, mas quem sabe não acontece algo parecido com os aparelhos de DVD e, em pouco tempo, torne-se mais acessível?

Se depender das editoras, é o que vai acontecer. As principais produtoras de quadrinhos lá fora – DC, Marvel, IDW – já têm aplicativos e conteúdos desenvolvidos para iPad. Por que não no Brasil?

Enquanto a Panini não se mexe, pelo menos a Ed. Europa está fazendo sua parte para agradar aos fãs de quadrinhos. A revista Mundo dos Super-Heróis acaba de chegar ao iPad.

Cada edição digital – da número 8 até a atual, 24 – vai custar US$ 0,99 na loja virtual da Apple. Dá para ler a revista também em iPhone e iPod. A Europa disponibilizou inclusive um sistema de assinatura semestral ou anual, mais em conta.

Uma vantagem para os leitores digitais é que a versão para iPad será liberada antes de a impressa chegar nas bancas.

E para quem acha que a leitura no iPad é desconfortável, aviso que é melhor rever seus conceitos. Ninguém está dizendo que o papel irá acabar, mas posso garantir que o aparelho da Apple elimina todos os incômodos da leitura na frente do computador, por exemplo.

Fonte: www.papodequadrinho.com

Pinóquio para 2014

 
O filme será em 3D (obóviamente) em 2014. Del Toro é o produtor e o roteiro fica a cargo dele mesmo e de Matthew Robbins (Louca Escapada). Já a direção é de Mark Gustafson (diretor de animação de O Fantástico Sr. Raposo) e Gris Grimly (que ilustrou conto Pinóquio em 2002, que é tomado como base do filme).

“Nós costumamos dizer que algo bonitinho tem a `cara da Disney`, mas um grande número de pessoas se esquece do quão perturbadoras as melhores animações do estúdio são. E isso inclui aquelas crianças sendo transformadas em burros em Pinóquio. O que estamos tentando fazer é apresentar um Pinóquio mais fiel à obra de Collodi. Nós criamos uma adaptação que me deixa bastante orgulhoso.” Del Toro
Fonte: http://www.interney.net/blogs/melhoresdomundo

Pinóquio é o segundo longa-metragem de animação produzido pelos estúdios Disney em 1940. O filme é baseado em conto de Carlo Collodi.
Reveja trecho da produção de 1940: 

Revista Mundo dos Super-Heróis – Edição 25

Edição No. 25

A revista Mundo dos Super-Heróis 25 traz um dossiê sobre Jack Kirby, o artista que mudou o rumo dos quadrinhos. Ao todo são 27 páginas abordando os seguintes temas:

– O início da carreira nos anos 1930
– A criação do Capitão América e o auge dos super-heróis nos anos 1940
– Trabalho em outros gêneros de HQ na década de 1950
– O surgimento da Marvel nos anos 1960 e a revolução nos quadrinhos
– A mudança para a DC nos anos 1970
– Os projetos de animação nos anos 1980
– Volta aos quadrinhos nos anos 1990
– Seleção de HQs imperdíveis de Kirby

Outras reportagens da edição 25

Editora: Universo Bonelli (10 páginas)
Tex, Zagor, Ken Parker… Os quadrinhos publicados pela editora italiana Bonelli chegaram ao Brasil há mais de cinco décadas e conquistaram as bancas. Conheça 15 de seus principais títulos

Supergrupo (8 páginas)
A Sociedade da Justiça foi o primeiro supergrupo de heróis e continua na ativa até hoje

Herói clássico (6 páginas)
Besouro Verde e Kato, dois heróis que surgiram no rádio, passaram pelos quadrinhos, pela TV e agora vão estrear no cinema

Heróis BR: Mozart Couto (5 páginas)
Um dos mais experientes desenhistas brasileiros, com HQs já publicadas na Europa e nos Estados Unidos

Grandes revistas: Kripta (4 páginas)
Depois do lançamento dessa revista, os quadrinhos de terror no Brasil nunca mais foram os mesmos

Procurado: Doutor Octopus (4 páginas)
A história de um dos maiores inimigos do Homem-Aranha

Disponibilidade de estoque: Imediata
Por: R$ 14,90

Fonte: www.europanet.com.br

“7 Conto – A Comédia” 26 e 27 de fevereiro

“7 Conto – A Comédia” é um espetáculo que aponta, de uma maneira bem humorada, as diferenças do Brasil através de sete personagens engraçados. Com piadas inéditas e figurino novo criado pela estilista Kitty Cohim, Luis traz ainda mais uma novidade para essa temporada: o público que for assistir à peça poderá comprar camisetas do espetáculo criadas pelo estilista Alexandre Herchcovitch.

 O público baiano poderá matar a saudade de Queixada, o guardador de carros doublé de filósofo; de Dona Editi, a líder comunitária sem papas na língua; de Carolaine, a garotinha negra sem ícones na TV; do rapper ricaço MC Dollar; do sensacionalista apresentador do programa Brasil Elite, Detona, além de se divertir com as viagens mundo afora da socialaite Sheila e com as trapalhadas da Vovó Arminda.


Durante os dois anos em que a peça esteve fora da Bahia, essas divertidas figuras fizeram a alegria de mais de 200 mil espectadores país afora, com apresentações lotadas em quase todas as capitais brasileiras, além de diversos municípios do interior. A última temporada foi encerrada em junho deste ano, após quatro meses de concorridas apresentações no Teatro Cleide Yaconis, em São Paulo.

Formado pela Escola de Artes Dramática da Universidade de São Paulo, Luis Miranda também atua na TV, na qual figurou nas séries “Alice” e “Faça a Sua História”, bem como no programa “Sob Nova Direção” e no cinema, com premiadas interpretações em “Meu nome não é Johnny”, “O Signo da Cidade”, “Jean Charles”, “Carandiru”, “Bicho de Sete Cabeças”, além de ainda estar em cartaz nas telas com o divertido “Quincas Berro D’Água”, do diretor Sergio Machado.

Evento: 7 Conto
Data: 26 e 27/2/2011
Local: Teatro Jorge Amado
Endereço: Av. Manoel Dias, 2177, Salvador-BA
Horário: Sexta e sábado, às 20h e domingos às 19h (Até 27/02)
Ingressos: No local
Valor: R$40 (inteira)
Mais Informações: 71 3525-9720/ 9708

Fonte: iBahia

Show Lamento das Águas estreia no Gamboa

O grupo AFRICANTAR se apresenta dia 26/02, com o show Lamento das Águas, às 17h.

O AFRICANTAR apresentará canções que mergulham na ancestralidade afrodescendente, intermeadas por textos de autores que acentuam a temática.

O repertório passeia pelos Tincoãs, Afro-Sambas, Milton Nascimento, Edu Lobo e Roberto Mendes. Ao longo do show, são recitados ainda orikis, textos e poesias de autores como Pierre Verger, Craveirinha, Castro Alves, Reginaldo Prandi, Paulo César Pinheiro, Jorge Ben Jor, J. Velloso e Saul Barbosa e Juracy Tavares.

SERVIÇO:

Show Lamento das Águas | Grupo AFRICANTAR

Onde: Teatro Gamboa Nova (Largo dos Aflitos)

Quando: 27/02 (DOMINGOS), 17h

Quanto: R$10 e R$5 (meia)

Informações: 3329-2418

Fonte: www.africantar.wordpress.com

Mangás em edições de bolso


A L&PM anunciou a parceria com a editora japonesa Shogakukan para lançar no Brasil dois títulos de mangá. Solanin, de Inio Asano, e Boken Shonen, de Mitsuri Adashi, chegarão no segundo semestre deste ano, em edições de bolso. Em Solanin, dois jovens recém-formados na faculdade enfrentam os obstáculos que a vida longe da casa dos pais exige. E Boken Shonen traz histórias sobre adultos que precisam olhar para seu passado se quiserem resolver os problemas que sofrem hoje. Os dois mangás serão editados na forma original de leitura (de trás para a frente).

Fonte: Universo HQ

Adrianne Palicki é a nova Mulher-Maravilha da TV

A nova Mulher-Maravilha da TV

A atriz Adrianne Palicki, que recentemente estrelou a breve série Lone Star para a Fox, foi escolhida pela NBC para protagonizar Wonder Woman, piloto da nova série de TV da Mulher-Maravilha.

Segundo o Deadline, ela ganhou por W.O., já que foi a primeira e única atriz chamada para fazer teste de cena. Ela nasceu em Toledo, Ohio, tem 28 anos, 1,80m de altura e já trabalhou com o diretor do episódio-piloto, Jeff Reiner, quando ele era produtor de Friday Night Lights.

No reboot da série, Mulher-Maravilha, ou Diana Prince, é uma combatente do crime que mora em Los Angeles e leva vida dupla como presidente das Indústrias Themyscyra. A nova Wonder Woman tem direção criativa de David E. Kelley, produtor famoso por ter criado séries como Chicago Hope, The Practice, Ally McBeal e Boston Public.

Fonte: heroihq.blogspot.com

O poeta no Circo Picolino

O espetáculo O Poeta no Circo narra à vida de Vinícius de Moraes, em paralelo com a trajetória da atriz circense Audrey B Consiglio, transformada a partir da descoberta da poesia do poeta e do circo.

Com duração de uma hora, reúne a produção de Vinícius  aliada a reflexões sobre os riscos que a vida escolhida por cada um os levou. Durante a peça a atriz se apropria da arte circense, utilizando equipamentos como o trapézio, lira, aranha, balé aéreo e chicote. A cada mudança de cena se retransmite uma voz não pronunciada visualmente diante do público, que constrói o perfil e as transformações de Vinícius,  interpretado por Ignácio Azpeitia.

Audrey B. Consiglio – Atriz e figurinista.
Juan Ignácio Azpeitia – Ator e diretor musical.
Anselmo Serrat e Luciano Martins  – Diretores e roteiristas.

Serviço:
Onde: Avenida Otávio Mangabeira, Salvador , quase em frente à entrada do Parque de Pituaçu. Telefone: 3363-4069‎.
Quando:  25 de fevereiro, sextas,  às 20 horas.
Quanto: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)
Produção Capim Rosa Chá

Ashton Kutcher pode virar um Caça-Fantasmas!

Imagem ilustrativa

O Digital Spy tentou descobrir em que pé está “Caça-Fantasmas 3″, em entrevista com o diretor Ivan Reitman, que fez os dois primeiros filmes da franquia e voltaria a assumir a direção do terceiro.

Reitman contou que o roteiro final está nas mãos de Bill Murray, que só vai decidir se participa ou não da sequência após lê-lo.

Se tudo der certo, as filmagens vão revelar uma nova geração de Caça-Fantasmas. E Reitman já deu uma ideia do que vem por aí, ao indicar que Ashton Kutcher, que ele acaba de dirigir na comédia “Sexo sem Compromisso”, pode ser um dos novos Caça-Fantasmas.

Reitman disse que é “absolutamente possível” que o marido de Demi Moore seja um dos novos recrutas do filme, que serão treinados pelos veteranos para virar Caça-Fantasmas.

Harold Ramis, Sigourney Weaver e Dan Aykroyd já estão confirmados na sequência.

Fonte: http://pipocamoderna.mtv.uol.com.br

‘Bruna Surfistinha é a personagem da minha vida’, diz Deborah Secco


Depois de dois anos de elaboração de roteiro mais dois anos de produção, o público brasileiro finalmente está perto de conferir o filme “Bruna Surfistinha”, que chega aos cinemas com 400 cópias na próxima sexta-feira (25).

“Bruna Surfistinha é a personagem da minha vida”, diz a atriz Deborah Secco, que protagoniza a adaptação do livro “O doce veneno do escorpião”, memórias da ex-prostituta Raquel Pacheco. “Nunca tinha me entregado dessa forma tão intensa a um trabalho, tive que reaprender a atuar, me zerei, comecei tudo de novo, virei uma nova Deborah atriz”, disse a atriz, segundo informações do G1, que a entrevistou.

Deborah Secco conta que se interessou pela personagem de primeira, mas que teve de batalhar para conquistar seu posto como a Surfistinha dos cinemas, já que o diretor, Marcus Baldini, inicialmente não a queria no papel. “Ele achava que era uma escolha óbvia, midiática”, lembra. “Ela já tinha feito vários papéis sensuais em novelas, mas eu queria alguém diferente, queria mostrar o meu olhar sobre a história”, argumenta Baldini. “Foi uma produção complicada, porque precisei convencer as pessoas de que não era pornografia”, diz o cineasta.


Cenas de sexo e drogas
Mas Deborah Secco insistiu e acabou conseguindo o papel. “Queria mostrar coisas que ainda não mostrei”, afirma. “Por mais que existissem cenas picantes, eu via que ali tinha uma dramaturgia forte e isso me atraía”, completa a atriz, que diz não se ver como uma mulher sensual. “Meu traço marcante não é ser sexy, sou mais meiga, doce.”

Durante as fimagens, que duraram nove semanas, o mais complicado para Deborah Secco foram as cenas de uso de drogas, mais até do que os momentos picantes. “Sexo a gente sabe como funciona, já cocaína eu nunca tinha visto, não sabia nem o básico”, lembra a atriz, que conversou com médicos e ex-usuários ao compor a personagem. Já as cenas de nudez não a preocuparam: “Isso para mim era desimportante, tinha muita certeza do bom gosto do Baldini”.

Durante a preparação para o filme, a atriz conta que optou por não ter conhecer a verdadeira Bruna Surfistinha, a ex-garota de programa Raquel Pacheco, e nem mesmo ter contato com seu livro ou seu blog. “O grande barato do ator é construir a personagem, não queria ter tudo pronto”, diz Deborah, que afirma se identificar com algumas características de Bruna Surfistinha. “Assim como ela, nunca fui a garota mais popular do colégio, embora ninguém acredite”, diz rindo.
Fonte: Jornal CORREIO
Conheça um pouco mais da Bruna Surfistinha verdadeira, que inspirou o filme, num papo com a Marília Gabriela: