Aniversário de Keith Haring

O Google faz homenagem a Keith Haring hoje, 4 de maio, data em que faria aniversário (1978 – 1982)

“Desenhar ainda é basicamente a mesma coisa desde a Pré-História. É juntar o homem e o mundo”, definiu nos anos 80 o artista plástico norte-americano Keith Haring, último grande ícone do movimento pop art, iniciado 30 anos antes, quando nomes como Andy Warhol ousaram inserir elementos da cultura popular nos museus.

A obra do artista é tema de uma grande exposição no Brooklyn Museum, desde o mês passado e que fica em cartaz até o dia 8 de julho: “Keith Haring: 1978-1982”.

O acervo inclui os primeiros trabalhos em papel, vídeos experimentais, objetos pessoais, cadernos de esboços e diários, onde ele escrevia compulsivamente.

“A importância da mostra é nos dar uma visão do pensamento estético de Haring e mostrar o fundamento conceitual que motivou seu trabalho”, disse à Folha a curadora Raphaela Platow.

“Os primeiros anos marcam o desenvolvimento de sua linguagem visual. Até 1978, ele fez desenhos abstratos e trabalhos em vídeo. Em 1979, só criou obras baseadas em linguagem escrita.”

O museu escaneou dezenas de páginas de diários e vem aos poucos postando as imagens na internet (keithharing.tumblr.com), uma forma de diminuir as restrições físicas da exposição.

Nas páginas digitalizadas, há muitos desenhos, rabiscos, colagens, poemas e pensamentos de Haring.

Cada anotação é parte do retrato de um jovem artista em formação, anos antes de se mudar para Nova York e se deslumbrar com as possibilidades criativas da cidade.

“Ele escreveu sobre tudo e quase diariamente. Opinou sobre energia atômica, computadores, arte, sua identidade sexual, shows do Greatful Dead, absolutamente tudo que fazia parte de sua rotina.”

LEGADO

Há características que aproximam a obra de Keith Haring, nascido em 1958, em Reading, pequena cidade da Pensilvânia, de seus predecessores da pop art: as figuras humanas, sem rosto, da mesma cor e que contam histórias sobre as rotinas de um tempo, sobre como se organizava a sociedade.

Nas ruas da “Big Apple”, onde chegou sozinho em 1978 após estudar arte em seu Estado natal, o jovem homossexual se descobriu como artista. As placas vazias de publicidade no metrô, cobertas com um papel preto, serviram de tela para os primeiros trabalhos.

Antenado às novidades da época, Haring inseriu um novo elemento a um movimento que tomava fôlego na década de 1980: o grafite.

Morto em NY em 1990, aos 32 anos, após complicações causadas pela Aids, suas mensagens pregam união, tolerância e alegria, traduzidas em imagens quase sempre icônicas e multicoloridas.

Fonte:  UOL

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s