Marisa Monte em turnê “Verdade uma ilusão”

Alguém já disse que saudade não é quando a gente sente falta de alguém, mas quando sente a sua presença“, disse Marisa Monte ao fazer uma sincera homenagem à Cassia Eller, na estreia de seu novo show, na última quinta-feira em São Paulo.
Pois bem: por quase duas horas, ali mesmo no palco, a cantora fez então com que sua plateia sentisse muita saudade dela, na noite que anunciava com chuva e vento o inverno na cidade.
Que prazer ser aquecido por sua voz. Em menos de cinco minutos ali, Marisa mostrou mais uma vez que sua missão ao se apresentar ao vivo ultrapassa a simples reprodução de faixas de um disco de lançamento.

O que ela quer (e consegue) é elevar o patamar de um espetáculo, oferecer uma outra maneira de as pessoas (por uma sinestesia espontânea) verem e ouvirem suas canções, transformar um show em experiência elevada.
Olhando só a ficha técnica do show “Verdade uma Ilusão“, um olhar mais cínico pode até achar a proposta arrogante para uma turnê que quer ser popular: convidar artistas plásticos para compor um visual para cada música?
Mas quando as imagens começam a se envolver com a música, quando olhos e ouvidos já conversam confortavelmente, e você nem pensa em pedir resgate pelo sequestro de seus sentidos, qualquer ideia de pretensão se desfaz.
Marisa Monte consegue isso antes mesmo de terminar a segunda música, “O que Você Quer Saber de Verdade”.

Orquestrado pelo diretor de arte Batman Zavarese, o visual do show é irresistível –e quando, pela criação de Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander, uma imensa bolha de sabão desafia a atmosfera ao longo de “Ilusión” (um clássico desde a parceria com Julieta Venegas), sons e formas, na sua cabeça, são de fato uma coisa só, como se assim tivessem nascido e existido para sempre.

Difícil falar qual desses casamentos é o mais acertado. Os “4.000 Disparos” de Jonathas Andrade para “Não Vá Embora”? Os “Manuscritos” de Mana Bernardes para “E.C.T.” (quando Marisa faz então seu tributo à Cássia)? O “Dream Sequence I” de Janaína Tschäpe em “Depois”?
Eu fico, talvez, com a estupenda imagem de duas pequenas árvores à deriva num barquinho, em “Ainda Bem”, de Thiago Rocha Pitta. Por que “talvez”?

Porque não tenho muita certeza do que senti na noite de quinta. Marisa –acompanhada por músicos selecionados a dedo da Nação Zumbi, além de um superior quarteto de cordas– mais uma vez confunde nossas emoções.

Os felizes no amor querem se sentir abandonados –apenas para cantar “Depois”. Os corações solitários desejam estar com alguém para “Ainda Bem” virar verdade. E eu mesmo, que um dia escrevi, aqui mesmo nesta “Ilustrada”, lá no idos dos anos 90, que queria “morar no país que Marisa Monte canta”, já não estou mais seguro de onde desejo realmente viver. Mas sei que é desse lugar, de onde sai sua voz e seu brilho, que eu quero sempre sentir saudade.

ZECA CAMARGO
 é jornalista e apresentador do “Fantástico” (TV Globo)

“VERDADE UMA ILUSÃO”
QUANDO: em temporada até 15/7, no HSBC Brasil
QUANTO: de R$ 120 a R$ 320
CLASSIFICAÇÃO: 14 anos
AVALIAÇÃO: ótimo

Fonte: Folha de São Paulo

Publicidade:
_____________________________________

Anúncios

Um comentário em “Marisa Monte em turnê “Verdade uma ilusão”

  1. Zeca, você foi tão perfeito em seu comentário quanto a Marisa Monte foi em seu show. Estive na estréia nacional da Marisa Monte em Curitiba no dia 01 de junho e desde então uma sensação de plenitude me envolveu e que você, magistralmente, conseguiu reproduzir em seu texto. Obrigada por materializar em palavras o sentido que o show teve para mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s