Dão se apresenta na Praça Teresa Batista – Salvador-BA em 9 de novembro

“Prestem atenção nesse menino que nasceu no Freitas Henrique, cresceu ouvindo música no rádio e indo escondido da mãe pros ensaios do Ilê, no Curuzu, e do Olodum, no Pelô. Daqui a pouco vocês vão ouvir falar muito desse Dão. Com sua Caravana Black. Este clipe foi gravado em parte no Toalha da Saudade – sim, mesmo com dificuldade, ele ainda existe – com os filhos e netos de Batatinha. Se der vontade de dançar, se programe: ele vai estar na Tereza Batista, dia 9, no I Encontro das Culturas Negras.”  Socorro Araújo

Galeria ACBEU recebe mostra IRÚNMOLÈ do artista visual Yuri Ferraz

Arte de Yuri Ferraz (foto de Jon Medeiros)

Hoje (quarta-feira), 31/10/12, às 19h, acontece a vernissage da exposição IRÚNMOLÈ do artista visual Yuri Ferraz na Galeria ACBEU.  A mostra é composta por 40 desenhos sobre papel que retratam um universo criado pelo artista. Neste universo se fundem personagens extraídos de Histórias em quadrinhos e de cultos religiosos de origem africana que oscilam entre o reconhecível e o imaginado, como o Superman-Oxalá e Ogum-Wolverine. Yuri dá vida a outras entidades a partir da fusão de heróis e deuses “cuja identidade é venerada por carregar em nível supra-humano força, poder, fama e imortalidade”, segundo observa Josué Mattos no texto de apresentação da mostra.

O público terá até o dia 24 de novembro para visitar a exposição, que conta com o patrocínio da MOBILE através do FAZCULTURA, e Governo da Bahia.

Serviço:
Onde: Galeria ACBEU, Corredor da Vitória, Salvador-Bahia-Brasil
Abertura: 31/10 das 19 às 22h
Período: 01/11 a 24/11
Funcionamento: segunda a sexta, das 14h às 20h e sábado, das 16h às 20h.
Site: http://www.acbeubahia.org.br e http://www.expoart.com.br/yuriferraz
Realização: ACBEU e Expoart
Patrocínio: MOBILE, FAZCULTURA, GOVERNO DA BAHIA

Fonte: Blog da ACBEU

Carlinhos Brown lança livro infantil em Salvador

Livro Paxuá e Paramim, escrito por Carlinhos Brown e ilustrado por Wilton Bernardo

Carlinhos Brown aproveitou um intervalo na agenda de shows e gravações do The Voice Brasil, da Globo, para lançar, em Salvador, seu primeiro livro, o infantil ‘Pachua e Paramim’, segundo informações da coluna Vip, publicada no Jornal Correio deste sábado (13).

Segundo a publicação, em comemoração ao Dia das Crianças, o cacique distribuiu 250 exemplares para a garotada do Pracatum, projeto social que mantém no Candeal, com aulas de música. E fez questão de autografar um por um. A obra, ilustrada por Wilton Bernardo, da editoria de arte do CORREIO, conta a história de um casal de índios e de sua luta pela preservação da natureza.

Para completar a farra, os meninos ainda saborearam um caruru, preparado por dona Madalena, mãe de Brown, em homenagem a Cosme e Damião.

Sobre o autor e ilustrador
Carlinhos Brown dispensa apresentações. Grande músico, percussionista, compositor, um grande criativo, criou uma história fantástica. Além de todo o trabalho musical que o lança pra o mundo, é responsável por um belo trabalho social no Candeal.

Wilton Bernardo, artista plástico, desenvolve um trabalho autoral inspirado na cultura africana  chamado Laço Afro ( www.lacoafro.com) e desde 2003, através da Ação Cultural Oficina HQ (www.oficinahq.com) realiza uma série de eventos que valorizam e promovem as artes gráficas como Oficinas de desenho, histórias em quadrinhos e exposições de diversas modalidades de expressões gráficas. Além disso, é infografista no jornal CORREIO desde 2008.

Fonte: iBahia

Cristo Redentor é destruído em nova animação nacional

Brasil, 2096. A água é controlada por uma empresa bilionária chamada Aquabrás. O presidente do Brasil é um pastor evangélico com relações estreitas com milícias que possuem ações na bolsa e matam crianças para proteger interesses da elite.

Não é um futuro tão difícil de imaginar. Mas o potencial de polêmica é o combustível de “Uma História de Amor e Fúria”, animação escrita e dirigida por Luiz Bolognesi, roteirista de “Bicho de Sete Cabeças” (2001), que promete ser um marco do gênero na filmografia brasileira.

O desenho, que estreia em abril, será exibido hoje, 08/10 (Odeon Petrobras (pça. Floriano, 7, Cinelândia; tel. 0/xx/21/2240-1093), dentro da mostra competitiva do Festival do Rio, tornando-se o primeiro desenho a entrar na disputa.

A animação é um épico que começa em 1566, próximo à fundação do Rio (1565), passa pela revolta da Balaiada, no Maranhão, por movimentos estudantis nas décadas de 1970 e 1980 e culmina neste futuro distópico, cujo maior choque visual é o Cristo Redentor em ruínas.

“O Cristo é o grande símbolo do Rio. Várias pessoas falaram: ‘Cara, você vai ser linchado!'”, contou Bolognesi em entrevista à Folha.

PROJETO ANTIGO

Esse futuro foi escrito há pouco mais de um ano, mas o projeto é bem mais velho. Começou há dez anos, quando Bolognesi foi inundado de possibilidades após o sucesso de “Bicho de Sete Cabeças”.

“Eu adoro HQs e história do Brasil. O projeto ideal seria unir as duas coisas. Como somos irresponsáveis, decidimos fazer um longa animado”, brinca o cineasta.

Irresponsável por duas razões: 1) O Brasil não tem tradição em animação de qualidade para o cinema; e 2) O desenho, violento, não é feito para a criançada.

“Foi extremamente difícil vender o projeto. Todo mundo me chamava de louco”, diz o diretor. Bancado pelas produtoras Gullane e Buriti, o longa levou seis anos para virar realidade, teve um orçamento em torno de R$ 4,5 milhões e uma equipe de 30 jovens animadores.

“Começamos em Águas de Lindóia [interior paulista], porque o aluguel era mais barato. Passamos por Santos e terminamos em São Paulo. Alguns se casaram e tiveram filhos durante o processo.”

A espera valeu a pena. “Uma História de Amor em Fúria”, em que o personagem dublado por Selton Mello é uma espécie de highlander indígena com 600 anos, enquanto Camila Pitanga dá voz ao amor eterno do índio, é um produto de qualidade inédita do gênero no país.

Usa a equipe de som de “Tropa de Elite”, tem trilha sonora incidental comandada por Pupillo, da Nação Zumbi, e Rica Amabis e uma bela animação em 2D.

Bolognesi aproveitou o estilo americano que marca o traço de seus animadores para compor os personagens. Mas também mostrou à equipe desenhos como “Ghost in the Shell” (1995), e o coreano “Wonderful Days” (2003).

TRAFICANTE HERÓI

O visual fantástico esconde o tom didático do roteiro ao tratar de revoluções dos oprimidos contra a elite.

Traficantes são comparados a cangaceiros e retratados como heróis. “Todo mundo achava Lampião um monstro, assim como veem os traficantes hoje”, polemiza Bolognesi. O filme vai mais longe. Diante do corpo de um traficante morto, o protagonista fala: “Meus heróis não viraram estátuas, mas morreram lutando contra eles”.

“Essa narcocultura é erótica. O que vende no exterior é filme de mano com pano na cabeça e arma na mão, como ‘Cidade de Deus’ e ‘Tropa’. A violência é lamentável, mas o homem revoltado produz realidade. E ela é vida e morte.”

UMA HISTÓRIA DE AMOR E FÚRIA
QUANDO hoje(08/10/12), segunda-feira, às 19h45
ONDE Odeon Petrobras (pça. Floriano, 7, Cinelândia; tel. 0/xx/21/2240-1093)
CLASSIFICAÇÃO 12 anos

Fonte: Folha de São Paulo

Canção de Adele para James Bond lidera iTunes em diversos países

Um dia após seu lançamento, “Skyfall” já domina o iTunes em vários países, incluindo o Brasil. Em uma rápida passagem pela loja digital, é possível ver o nome de Adele no topo do iTunes dos Estados Unidos, Reino Unido, Argentina, Alemanha, Espanha, França e Holanda, por exemplo.

É o primeiro single de Adele desde seu último disco, “21”, lançado no ano passado e que vendeu mais de 22 milhões de cópias no mundo todo. A música foi composta por Adele e por Paul Epworth, que produziu e também escreveu “Rolling in the Deep”, o maior sucesso da artista.

No Canadá, Nova Zelândia e Dinamarca, Adele só perde para o sulcoreano PSY e o hit “Gangnam Style”. Na Noruega, para “Diamonds”, de Rihanna.

Entre as grandes figuras da música que participaram dos filmes de James Bond estão Tom Jones, Shirley Bassey e Duran Duran.
Veja a posição de “Skyfall” no iTunes no início da manhã deste sábado (6):

Alemanha (1º)
Argentina (1º)
Austrália (7º)
Bélgica (1º)
Brasil (1º)
Bulgária (1º)
Canadá (2º)
Dinamarca (2º)
Espanha (1º)
Estados Unidos (1º)
França (1º)
Grécia (1º)
Holanda (1º)
Irlanda (1º)
Itália (1º)
Nova Zelândia (2º)
Noruega (2º)
Portugal (1º)
Reino Unido (1º)

Fonte: Folha de São Paulo

Ministério da Cultura anuncia lançamento de editais para negros

Em nota divulgada no início da noite desta quinta (4), o Ministério da Cultura informou que “vai lançar editais com a temática afrodescendente, condicionando a produção e criação a produtores e criadores negros”.

É uma justa reivindicação da comunidade negra“, disse a ministra da Cultura, Marta Suplicy. O anúncio se segue a uma reunião de Marta com produtores da cultura digital, nesta segunda (3), em que, segundo o texto do MinC, houve um “desabafo de que a cultura negra é apoiada pelo MinC, mas não é realizada por produtores e criadores negros”.

Marta se reuniu nesta terça com a ministra de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Luiza Bairros, para discutir a questão. Também se reuniu com o diretor-curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araújo, para tratar das atividades de lançamento dos editais e da comemoração do Dia da Consciência Negra em São Paulo, em 20 de novembro.

De acordo com o MinC, a ordem da ministra aos presidentes da Funarte, Antonio Grassi, da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), Galeno Amorim, e à secretária do Audiovisual, Ana Paula Santana, é de que apresentem, até a semana que vem, editais a serem lançados na data.

“Com muita honra, vamos lançar os editais e apoiar e incentivar a produção da cultura negra por quem é negro”, declarou Marta.

Fonte: Folha de São Paulo

Os Miseráveis é o novo volume da coleção Clássicos da Literatura em Quadrinhos

L&PM Editores está lançando mais um volume da coleção Clássicos da Literatura em Quadrinhos. Desta vez, trata-se de Os Miseráveis (112 páginas, capa dura, formato 16 x 23 cm, R$ 37,00), obra escrita pelo francês Victor Hugo em 1862.

A adaptação ficou por conta de Daniel Bardet (roteiros), Bernard Capo (arte) e Arnaud Boutle (cores).

Um marco do romance francês do Século 19, Os Miseráveis (Les Misérables) narra fatos que se estendem da derrota francesa na Batalha de Waterloo, em 1815, aos levantes antimonarquistas de junho de 1832, em Paris.

A trama segue a vida de Jean Valjean, um condenado posto em liberdade e sua jornada desesperada em busca de redenção. No caminho, os leitores conhecem ainda a explorada e prostituída Fantine e sua filha, Cosette; e o pequeno Gavroche, filho de um lar desajustado que foge de casa para viver nas ruas.

Unidos pelo idealismo, esses excluídos e heróis improváveis fazem da obra um grito de liberdade.

Os Miseráveis também chega aos cinemas norte-americanos no dia 25 de dezembro deste ano, em uma produção da Universal Pictures. O elenco conta com Hugh Jackman, Anne Hathaway, Russell Crowe, Helena Bonham Carter, Amanda Seyfried e Sacha Baron Cohen.

O filme estreará no Brasil em 29 de março de 2013.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Universo HQ