Exposição de Lucian Freud no Brasil

Exposição apresenta pela primeira vez no Brasil seis telas e 44 gravuras do britânico Lucian Freud, que retratava os corpos em sua realidade nua e crua
Após a Segunda Guerra Mundial — os cadáveres empilhados nos campos de concentração, homens e mulheres calcinados nos ataques nucleares contra as cidades de Hiroshima e Nagasaki —, a maneira como o corpo passou a ser visto mudou radicalmente. Há dois artistas britânicos que se tornaram paradigmas na captação desse “espírito de época”, algo destroçado e confuso, em especial na Europa que tentava se reconstruir depois dos conflitos. Um é Francis Bacon (1909-1992), com sua paleta rala e deformação das figuras humanas. O outro é Lucian Freud. Nascido em Berlim em 1922 e neto de Sigmund Freud, o pai da psicanálise, ele se naturalizou britânico após fugir do nazismo com a família e se instalar em Londres. Sua primeira exposição, em 1944, possuía ecos surrealistas, que seriam abandonados pouco mais tarde.
Arte-de-Lucian_Freud_1

* A gravura Lord Goodman in His Yellow Pyjama (Senhor Goodman em Seu Pijama Amarelo, 1987)
O público brasileiro poderá ver trabalhos de Freud a partir de 28 de junho, quando Corpos e Rostos chega ao Museu de Arte de São Paulo (Masp). A mostra exibe seis telas e 44 gravuras. Reúne, ainda, 28 fotografias, que trazem a atmosfera íntima do artista em seu ateliê. Apesar da quantidade reduzida, a pintura estará bem representada, especialmente graças a Dead Cock’s Head (Cabeça de Galo Morto, 1951) e Naked Girl with Egg (Menina Nua com Ovo, 1980-81), esta mais típica da produção de Freud, que lançava um olhar muito particular sobre as mulheres.
“Ao retratar os corpos em sua realidade nua e crua, dotando a imagem de carnalidade, o pintor tornou-se um dos mais importantes do pós-guerra”, avalia o também pintor Marco Giannotti, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Mesmo no século 21, as criações de Freud provocam. Exemplo disso é a conversa que o crítico Teixeira Coelho, curador do Masp, teve com o representante de uma tradicional empresa patrocinadora da instituição. “Ele me disse que não gostaria de ver trabalhos do artista itinerando por um espaço mantido pela empresa em outra cidade.” O motivo, acredita Coelho, é que a obra do britânico exala um “humanismo incômodo”.

Olhares potentes
Sobre a exposição, o curador defende que, à semelhança das pinturas, as gravuras representam bem a trajetória de Freud. “Os olhares de Girl with Fig Leaf (Menina com Folha de Figo, 1948) e Ill in Paris (Doente em Paris, 1948), por exemplo, continuam potentes.” Ele conta que as negociações para a vinda das obras começaram em 2010. Um ano depois, o artista morreu, o que elevou os preços de suas criações. Consequentemente, as despesas dos interessados em exibi-las aumentaram muito, sobretudo o seguro. “Se não estivéssemos cuidando dos detalhes para trazer os trabalhos desde 2010, a mostra seria inviável hoje”, afirma Coelho. Estima-se que a exposição no Masp custará cerca de R$ 1 milhão.

* A foto Naked Admirer (Observadora Nua, 2005). Trabalho que mostra o ser humano sem idealizações
Segundo o crítico, ainda é prematuro apontar herdeiros do estilo de Freud. Ele observa, porém, correspondências entre a pintura do britânico e a de Paula Rego, portuguesa que se radicou no Reino Unido. “Os dois nasceram em outros países, migraram para a Inglaterra, trabalham fortemente o figurativo e, por vezes, usam a alegoria.” Já o artista paulistano Rodolpho Parigi, que também tem no corpo humano o foco dos seus desenhos, enxerga em Jenny Saville “uma sucessora” de Freud. A britânica despontou em meados dos anos 90 e logo chamou a atenção por suas representações em larga escala de mulheres nuas e deformadas.
Outro pintor de São Paulo, Rodrigo Andrade, sustenta que Freud se inscreve na tradição artística do Reino Unido, mas de um modo bastante particular. “Ele incorpora certo aspecto escatológico muito presente na arte britânica. Entretanto, era exceção em um contexto que deixava de privilegiar a pintura. Menos estilizado do que Bacon, atinge uma intensidade ainda mais alta. Além disso, resgata a tradição do nu, da figura e do retrato na pintura ocidental.” De acordo com o paulistano, a singularidade de Freud revela-se igualmente na relação que ele estabelece entre a obra e o espaço onde a produz. “O ateliê é retratado em suas telas assim como o corpo humano.”

Angústias
Rodolpho Parigi lembra-se bem de quando conheceu os trabalhos do britânico, por volta de 1998. “À época, eu fazia desenho de observação em aulas de modelos vivos. E existia um papo de que retratar o corpo era algo antigo, ultrapassado. Mas, tão logo me deparei com os quadros do pintor, tudo mudou. Tive certeza de que não existia essa ideia de ultrapassado.”
Na opinião de Parigi, Freud transforma a pele em “camadas de sensibilidade pictórica”, principalmente nos desenhos. “Ele usa a linha para construir massas, nervos e músculos. Cria, assim, uma superfície de tensão, que expressa com extrema originalidade as angústias da existência.”

Mario Gioia é curador e crítico de arte.

RESUMO:
A exposição: Lucian Freud: Corpos e Rostos.
Local: Museu de Arte de São Paulo (Av. Paulista, 1578, São Paulo, SP, tel. 0++/11/3251-5644).
Período: De 28/6 a 13/10. De 3a a dom., das 10h às 18h; 5a, das 10h às 20h.
Ingresso: R$ 15.

Fonte: Revista Bravo

Anúncios

J.K. Rowling, que usou pseudônimo em novo livro, foi desmascarada por professor

rowling

A descoberta do verdadeiro autor de “The Cuckoos’ Calling” –a mega best-seller J.K. Rowling– foi obra de um professor da Universidade de Oxford, informa a BBC.
O livro foi lançado em abril com a assinatura do desconhecido escritor Robert Galbraith, pseudônimo usado pela autora da saga de “Harry Potter”.

Neste final de semana, o jornal britânico “The Sunday Times” revelou a verdadeira autora.
Foi o que bastou para as vendas do livro dispararem e as versões impressa e para Kindle subirem para o topo da lista dos mais vendidos no site da Amazon.
The “Cuckoos’ Calling” conta a história de Cormoran Strike, veterano da guerra do Afeganistão que se torna detetive particular e tenta desvendar o caso de suicídio de uma modelo.
O “detetive” real que investigou a autoria do suspense sobre o detetive ficcional de Galbraith/Rowling é Peter Millican, especialista em linguística no computador.
Millican criou um software para analisar e comparar textos e colocou suas pistas: o texto de “The Cuckoo’s Calling” e outras obras de Rowling, “Harry Potter e as Relíquias da Morte” e “Morte Súbita”.

Também foram usados textos de Ruth Rendell, P.D. James e Val McDermid, escritoras britânicas de livros de suspense.
O programa criado pelo professor de Oxford fez cruzamentos entre os textos, comparando características como tamanho de palavras, frases e parágrafos, frequência de determinadas palavras e padrão de pontuação.
Segundo Millican, as coincidências linguísticas entre “The Cuckoo’s Calling” e os outros livros de Rowling ficaram evidentes na comparação feita por computador.

Fonte: Folha de São Paulo

Conrad é condenada em segunda instância por plágio em HQ nacional

chibata

Em 2001, a Conrad Editora foi processada e condenada por plágio, na 2° Vara Cível do fórum de Pinheiros/SP.
Na decisão da demanda, referente ao álbum Chibata! João Cândido e a Revolta que abalou o Brasil, de autoria de Olinto Gadelha Neto (roteiro) e Hemeterio (arte), a editora deveria apreender todos os volumes e publicar uma nota de esclarecimento em jornais de circulação nacional, além de indenizar por danos morais e materiais.
A ação foi ajuizada pelo dramaturgo César Vieira, com a intenção de demonstrar que vários trechos da HQ foram plagiados de sua peça teatral João Cândido do Brasil – A Revolta da Chibata.
Na época, a editora recorreu da decisão. No último dia 16 de abril, a 1ª Câmara do Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, em decisão de segunda instância, condenou a editora por unanimidade.
Diversos órgãos da imprensa repercutiram a notícia.
Assim, a Conrad deverá indenizar César Vieira em valor calculado a partir do número de exemplares vendidos, pagar uma indenização por danos morais e ainda publicar a sentença em três grandes jornais de circulação nacional.

Fonte: Universo HQ (texto de Marcelo Naranjo)

JBC lança Blue Exorcist

Blue_Exorcist_01

Já está nas bancas na fase inicial de distribuição o mangá Blue Exorcist, de Kazue Katō, pela editora JBC. O primeiro volume, cujo subtítulo é O sarcasmo de Satã, tem cerca de 192 páginas, no formato 13,5 x 20,5 cm e é vendido ao preço sugerido de R$ 11,90.
Na história, o órfão Rin Okumura que vive com seu aplicado irmão gêmeo Yukio no Monastério de Vera Cruz. Ao contrário do parente, Rin não prima pela inteligência e vive se metendo em confusões.
Mas rapidamente o jovem descobre o grande segredo em seu passado envolvendo demônios e sua presença no mundo. Devido a uma sequência de eventos desafortunados, Rin acaba se engajando em estudar para se tornar um exorcista e lutar contra a influência demoníaca no mundo.
A HQ ainda está em andamento no Japão e não há previsão de quantos volumes terá aqui. No Brasil, sua classificação etária é de 14 anos.

Fonte: Universo HQ (Texto de Guilherme Kroll Domingues)

Homem-Aranha. Será que ele também é?

36th Annual Los Angeles Film Critics Association Awards - Red Carpet

Acabo de ler numa matéria que o ator Andrew Garfield, que encarnou o personagem em “O Espetacular Homem-Aranha”, filme do último ano que já garantiu duas continuações, a serem lançadas em 2014 e 2016, sugeriu ao produtor Matt Tolmach que Mary Jane fosse um homem.

Bom, eu só pensei aqui com meus botões…. é um personagem em formação? Caramba! O personagem completa em agosto deste ano(2013) nada menos que 51 anos! Será que estou sendo tradicionalista? Mas eu convido você que está lendo esse pequeno artigo a testar se eu e você estamos avaliando a situação de forma isenta. Acho que fica mais fácil, se observar um caso em outro suporte: Digamos que a obra de Jorge Amado “Gabriela” vai ser adaptada para um filme. Será que alguém faria essa nessa nova adaptação, uma Gabriela lésbica?

Reflita e deixe sua opinião.

Wilton Bernardo
Coordenador da Ação Cultural Oficina HQ
http://www.oficinahq.com

O que é o “Secret Project” da Madonna?

Madonna_Secret_Project
Madonna havia previamente divulgado um teaser sobre seu projeto secreto com o renomado fotografo Steven Klein que colaborou e com suas turnês como a ‘Confessions’ e a ‘Sticky & Sweet’. J[a lançou o segundo teaser, e ainda não se sabe do que se trata.
Veja abaixo e se conseguir deduzir do que se trata, conta pra gente ai! Deixa mensagem nos comentário!

Fonte: youtube

Sandman
O escritor Neil Gaiman retornará em outubro à sua obra mais famosa, “Sandman”, em uma nova série de quadrinhos da Vertigo, selo da editora americana DC Comics para histórias em quadrinhos adultas.

A minissérie bimensal “The Sandman: Overture” será lançada a partir do dia 30 de outubro nos Estados Unidos, e contará com histórias de Gaiman e arte de J.H. Williams III.

De acordo com a descrição de “Overture”, a trama trará o personagem principal, Morpheus, e o reino Sonhar numa história que se passa antes da edição número 1 de “Sandman”

Neil Gaiman, Criador de Sandman

Neil Gaiman, Criador de Sandman

A série original de Gaiman teve 75 edições e foi lançada entre 1989 e 1996. “Overture” será o primeiro retorno do autor a esse universo em dez anos.

“Neil Gaiman retornando ao exuberante e evocativo mundo que ele criou com ‘Sandman’ é um evento literário”, disse a presidente de entretenimento da DC, Diane Nelson, em comunicado. “Estamos honrados em ter Neil de volta para uma história que apenas ele e J.H. podem contar. É um testamento ao poder duradouro da Vertigo, ao ‘Sandman’ e à criatividade impressionante de Neil.”

O projeto havia sido anunciado antecipadamente em 2012, na Comic-Con de San Diego.

O artista original de “Sandman”, Dave McKean, fará as capas de “Overture” ao lado de Williams.

Recentemente, Gaiman lançou o livro “O Oceano no Fim do Caminho”.

Fonte: UOL