Oficina de Quadrinhos em Salvador

oficina-de-quadrinhos_1
oficina-de-quadrinhos_2
Iniciou no último sábado (10/9/16) mais uma Oficina de Quadrinhos da Ação Cultural Oficina HQ, coordenada por Wilton Bernardo. Festa vez, sediada pelo Estúdio FotoeDesign, com um espaço super agradável para os alunos produzirem.
A oficina de Quadrinhos chega a seu 13º ano, com mais conteúdo, com um plano de aula atualizado, com a proposta de contemplar assuntos diversos do campo das artes gráficas, inclusive um que diz respeito a várias expressões, e que se fala tão pouco.
“Precisamos falar mais sobre direito autoral. Não podemos deixar esse assunto apenas nas mãos de advogados. É importante que os produtores de conteúdo, os autores entendam mais sobre seus direitos e compartilhe desse conhecimentos com outros” pontua Wilton Bernardo, coordenador e professor que idealizou a Oficina HQ em 2003.

Na Oficina HQ, além das etapas de construção de uma história em Quadrinhos, os alunos terão noções básicas de questões ligadas a direito autoral, e serão incentivados a explorarem suas ideias, seus traços, sua própria identidade e tirar partido disso.

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ e da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | wiltonbernardo@hotmail.com

Uma linguagem autônoma

onomatopeia
É muito comum alguém ver nas histórias em quadrinhos uma forma de literatura. Adaptações em quadrinhos de clássicos literários – como ocorreu com A Relíquia, de Eça de Queirós, e O Alienista, de Machado de Assis, para ficar em dois exemplos – ajudam a reforçar esse olhar. Chamar quadrinhos de literatura, a nosso ver, nada mais é do que uma forma de procurar rótulos socialmente aceitos ou academicamente prestigiados (caso da literatura, inclusive a infantil) como argumento para justificar os quadrinhos, historicamente vistos de maneira pejorativa, inclusive no meio universitário.
Quadrinhos são quadrinhos. E, como tais, gozam de uma linguagem autônoma, que usa mecanismos próprios para representar os elementos narrativos. Há muitos pontos comuns com a literatura, evidentemente. Assim como há também com o cinema, o teatro e tantas outras linguagens.
Barbieri (1998) defende a premissa de que as várias formas de linguagem não estão separadas, mas, sim, interconectadas. O autor usa uma metáfora para explicar seu ponto de vista. A linguagem seria como um grande ecossistema, cheio de pequenos nichos distintos uns dos outros (que chamou de ambientes). Cada nicho (ou ambiente) teria características
próprias, o que garantiria autonomia em relação aos demais. Isso não quer dizer, no entanto, que não possam compartilhar características comuns.

Fonte: http://poloeducacao.com.br/r/sala_do_professor/hq/teoria/os_generos_das_historias_em_quadrinhos.pdf

banner-virtual-hq-2

Netflix: 2ª Temporada de Narcos no ar

wagner_moura
Já está disponivel no site da Netflix a segunda temporada de Narcos.
A primeira temporada do programa foi estrelada por Wagner Moura, teve produção de José Padilha e contou a história do traficante colombiano Pablo Escobar. A estreia aconteceu no dia 28 de agosto de 2015.

banner-virtual-hq-2

Los Angeles cria “Dia do Chaves”

chaves
Clássico da TV mexicana, “Chaves” ganhou seu próprio dia nos Estados Unidos. A prefeitura de Los Angeles, na Califórnia, anunciou nesta terça-feira (6) que 8 de setembro será o “Dia do Chaves”, durante evento com autoridades locais patrocinado pela rede mexicana Televisa e o Grupo Chespirito em parceria com a indústria de laticínios da região.

A data escolhida (dia 8) refere-se ao nome original do programa, “El Chavo del Ocho” (“O Moleque do Oito”, em tradução livre). Na cerimônia, foi entregue dois cheques de US$ 4 mil para ajudar a comunidade latina em Los Angeles, segundo informou o jornal mexicano El Universal.

“É maravilhoso que o legado de Roberto Gómez Bolaños continue vivo e apareça agora até nesta influente campanha nos Estados Unidos como um símbolo saudável, acima dos hambúrgueres e das pizzas”, comemorou José Paulo Arnaud, neto de Bolaños, criador de “Chaves” morto em novembro de 2014.

“Minha esposa e meus filhos não sabiam falar espanhol e aprenderam assistindo a ‘Chaves’. É motivo de muito orgulho que esteja recebendo esse reconhecimento em uma campanha saudável como esta” parabenizou Gil Cedillo, conselheiro de Los Angeles, de origem mexicana

Fonte: Site UOL

banner-virtual-hq-2