Uma Artista no Divã

Obra de Louise Bourgeois

Quem ouviu falar ao menos uma vez de Louise Bourgeois (1911-2010) certamente associa a artista franco-americana a um universo denso e sofrido. E não deixa de ter razão. Quanto mais os estudiosos se aprofundam em seu legado, soa mais adequada – e menos exagerada – uma de suas frases bem conhecidas: “The pain is the business that I am in”, algo como: “A dor é o meu negócio”. Como se não bastassem a biografia – que inclui uma adolescência debaixo do mesmo teto com o pai, a mãe e uma amante do pai – e as obras, que podem ser vistas como o fruto de um processo de catarse da artista, acaba de vir à luz um conjunto de escritos inéditos. Os rascunhos provam como ela canalizou intensamente as próprias angústias, medos e fantasmas para a arte.

As cerca de mil folhas encontradas pelo assistente Jerry Gorovoy em seu apartamento, no bairro boêmio nova-iorquino do Chelsea, e preenchidas em sua maior parte entre as décadas de 1950 e 60, incluem reflexões, registros de sonhos, anotações para futuras esculturas e correspondências. Editadas pelo curador Philip Larratt-Smith, as páginas juntam-se aos já conhecidos diários que a artista manteve durante toda a vida. Colocados lado a lado, os escritos evidenciam o quanto a psicanálise foi determinante em sua trajetória. De 1952 a 1967, Louise consultou-se com o doutor Henry Lowenfeld, ex-aluno de Freud, quatro vezes por semana, em sessões que duravam uma hora. Foi levada ao divã depois da morte do pai, em 1951, com quem mantinha um relacionamento bastante complicado. Por dez anos, Louis Bourgeois teve um caso com Sadie, a professora de inglês de seus filhos, que morava na casa da família. A artista, que descobriu a história aos 11 anos de idade, jamais superou a mágoa. Ao mesmo tempo, também jamais deixou de nutrir pelo pai uma admiração e um amor que, em dado momento, fizeram com que concluísse nunca haver de fato passado da fase do complexo de Édipo.

As recém-descobertas confissões de Louise são tão fundamentais para compreender ainda mais seu legado – misturado invariavelmente à sua intimidade – que Larratt-Smith as compara em importância às cartas deixadas pelo holandês Vincent van Gogh (1853-1890). E por isso a exposição Louise Bourgeois: O Retorno do Desejo Proibido, que chega neste mês ao Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, depois de estrear na Fundação Proa de Buenos Aires, é tão significativa. Com curadoria do próprio Larratt-Smith, trata-se da primeira grande individual de um dos mais emblemáticos nomes da arte do século 20 a passar pela América do Sul (depois de São Paulo, a mostra segue em setembro para o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro). A exposição foi idealizada no calor da leitura desses escritos e inclusive acompanha a publicação de parte deles. Conferir as anotações e poder observar simultaneamente as 112 obras da artista – entre desenhos, objetos, pinturas, esculturas e instalações produzidos de 1942 a 2009 – leva a uma conclusão forte: sem as sessões de psicanálise, talvez Louise não conseguisse chegar ao resultado plástico de algumas de suas criações mais icônicas.

SERVIÇO:

Louise Bourgeois: O Retorno do Desejo Proibido. Instituto Tomie Ohtake (r. Coropés, 88, Pinheiros, São Paulo, SP, tel. 0++/11/2245-1900). De 8/7 a 28/8. De 3ª a dom., das 11h às 20h. Grátis.

Espetáculo Louise Bourgeois – Faço, Desfaço, Refaço, de Denise Stoklos. Instituto Tomie Ohtake. Dias 23 e 24, às 20h. Os ingressos gratuitos devem ser retirados no local entre os dias 12 e 22.

Fonte: Revista Bravo

FloresFantásticas e Máscaras Imaginárias” na Caixa Cultural

Niobe Xandó faz exposição na Caixa Cultural (Salvador-BA)

“Niobe Xandó – Flores Fantásticas e Máscaras Imaginárias” na Caixa Cultural. Niobe é considerada uma das pioneiras do realismo mágico no Brasil – esta é a
segunda mostra em Salvador e reúne uma seleção de 42 pinturas e
desenhos de uma das mais fantásticas artistas brasileiras. Não percam
essa rara oportunidade!

Abertura dia 14 de junho às 19h
Palestra e visita guiada com o curador Antonio Carlos Abdalla às 20h
Caixa Cultural – Rua Carlos Gomes n° 57 – Centro.
Entrada franca (não é necessário a apresentação de convite!)

Fonte: Produção (Claudine Toulier) –  (71) 8122-6662 | 9989-4662

Mostra: Ano Mundial da Árvore de Frans Krajcberg

Obra de Frans Krajcberg

A mostra integra as comemorações dos 90 anos do artista Frans Krajcberg, está em cartaz até o dia 05 de junho, no Palacete das Artes Rodin Bahia. Um dos artistas visuais mais importantes e polêmicos de sua geração, Frans Krajcberg escolheu um caminho para a construção de seu trabalho: fazer da arte um grito a favor do planeta. E é com esta mesma intenção que o artista polonês, que vive desde os anos de 1970 no município baiano de Nova Viçosa, traz a Salvador a exposição Grito! Ano Mundial da Árvore, mostrando à capital baiana o resultado de antigas e atuais criações.

Serviço
Ano Mundial da Árvore| Frans Krajcberg
De terça a sexta das 10h às 18h;
Sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h (até 5 de junho)
Palacete das Artes Rodin Bahia (Graça, Salvador-Bahia)
Gratuito

Fonte: iBahia

Laço Afro no Centro de Estudos Afro-Orientais

Moldelos Carlos e Mari (One Model Agência) vestindo camisetas "Laço Afro", calça e bermuda "chachadumdum".

No dia 13 de maio, o designer/artista plástico Wilton Bernardo estará mostrando seu Laço Afro no pátio do CEAO – Centro de Estudos Afro-Orientais, das 8 às 13h. Num Stand, o artista disponibilizará camisetas, canecas, chaveiros e pequenas esculturas de Orixás em madeira reciclada.

No auditório  do CEAO/UFBA acontecerá, das 8 às 12:30h, o seminário da Pesquisa Faces do Brasil. Um estudo inédito, onde estão sendo monitorados 17 dos maiores jornais do país e mais seis revistas de circulação nacional.

Serviço:
O quê: Stand da Laço Afro no Seminário da Pesquisa Faces do Brasil;
Quando: 13 de maio de 2011, a partir das 8h;
Onde: Pátio do CEAO/UFBA, Praça Inocêncio Galvão, 42, Largo Dois de Julho, em Salvador/BA

Contatos:

  • Laço Afro : Wilton Bernardo, designer/ artista plástico. (71) 8807-4331 
  • Seminário de Pesquisa Faces do Brasil: Wellington Oliveira, Assessoria de Comunicação. (71) 8844-3422Fonte: Produção Laço Afro

O Mundo Mágico de Escher

Desenhando, 1948 litografia 28,2 x 33,2 cm

 O artista gráfico holandês M.C. Escher é tema da exposição O Mundo Mágico de Escher em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro até 27 março. A mostra que conta com 95 gravuras originais e desenhos já passou por Brasília e deve chegar em São Paulo ainda neste semestre.

O Mundo Mágico de Escher
Até 27/03
De terça-feira à domingo, das 9 horas às 21 horas.
Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro
Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – Rio de Janeiro/RJ
Tel: 0/XX/21/3808-2020
Grátis

Fonte: Revista Bravo

Relicário, exposição de Vik Muniz

Relicário, exposição de Vik Muniz no Instituto Tomie Ohtake,
São Paulo

Até o dia 24/4, o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, recebe a mostra Relicário, do paulistano Vik Muniz. A exposição reúne 30 obras criadas no início da carreira do artista plástico, na década de 1980.

De perto

Como eram as obras do Vik Muniz antes de ele chegar às consagradas imagens moldadas com calda de chocolate, diamante ou açúcar? A exposição Relicário, aberta no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, reúne justamente as peças do artista feitas na década de 1980, no início da carreira, quando seu nome não era grife e sua obra não estava assim no imaginário coletivo das pessoas. Mas nem por isso elas são tão diferentes assim do que a gente espera de algo assinado por Vik. Em seu universo, nada é o que parece ser. E tudo pede um segundo olhar. Funciona mais ou menos assim. A gente chega diante de uma peça. Olha. E, inevitavelmente, olha uma segunda vez. Às vezes até uma terceira. E então ri. Ou se assusta.

Em um armário desses típicos de hospital estão vidros com fetos deformados boiando em formol. Fetos em formol? Mais de perto vemos que são na verdade bonecos mergulhados em água. Mais adiante, uma série de fotografias em preto e branco revelam flores lindas, delicadas. E, de novo, de perto, percebemos serem na verdade flores artificiais, de plástico ou de papel, mal acabadas, nada perfumadas. Há também muito humor na exposição. Prepare-se para encontrar um esqueleto com nariz de palhaço, por exemplo.

Serviço:
Relicário
Até 24 de abril
De terças-feiras a domingos, das 11 às 20 horas
Instituto Tomie Ohtake
Rua dos Coropés, 88, Pinheiros, São Paulo/ SP
Tel: 0/XX/11/3814-0705
Grátis

Fonte: Revista Bravo

Transformação Pela Arte Nascida do Lixo

Obra "Tião em Marat" de Vik Muniz

Lixo Extraordinário mostra como o artista plástico Vik Muniz mudou a vida de um grupo de catadores

Há três anos, Sebastião dos Santos, presidente da Associação dos Catadores do Aterro Sanitário de Jardim Gramacho, no Rio, conheceu o brasileiro Vik Muniz, um dos principais artistas plásticos da atualidade. Ao aceitar fazer um projeto que envolvia também outros catadores, Tião não imaginava estaria mudando radicalmente a sua vida.

O trabalho de Vik com os catadores do maior aterro sanitário do mundo está retratado no filme Lixo Extraordinário, pré-selecionado para concorrer ao Oscar de melhor documentário e que estreia amanha no Brasil. O longa foi premiado nos festivais de Berlim, Sundance, Paulínia e na Mostra Internacional de São Paulo.

Lixo Extraordinário deixa espaço para reflexões que vão além do óbvio e leva a pensar sobre o poder transformador da arte em meio à pobreza – de onde veio o próprio Vik Muniz, nascido e criado na periferia de São Paulo e conhecido por suas obras feitas a partir de materiais muitas vezes descartados.

Fonte: Flávia Lima / destak jornal

Veja o trailler do filme:

Desenhos Polêmicos do Pernambucano Gil Vicente são Mostrados em BH

Desenho de Gil Vicente

Arte política? A política da arte, prefere Moacir dos Anjos, curador da 29ª Bienal de São Paulo ao lado de Agnaldo Farias. Eles assinam a mostra Obras Selecionadas, que o público poderá conferir a partir de 19/01/11 em Belo Horizonte. “A política da arte é abrir fissuras nas convenções que regulam a nossa vida, ajudando a pensar o mundo”, diz Moacir.

Cerca de uma centena de trabalhos de 34 artistas vão apresentar as muitas faces de um dos mais influentes caminhos estéticos da produção atual. Com reverência à criação latino-americana dos anos 1960 e 1970, registra-se referência importante do processo de aproximação da arte com a política.

Mais informações: www.pernambuco.com

Fonte: www.pernambuco.com

Laço Afro na Casa da Mãe

Yemanjá de W. Bernardo, aplicada em caneca

É HOJE, 25/01//11!!
COMIDINHA DE PANELA COM EXPOSIÇÃO “LAÇO AFRO” de Wilton Bernardo

O Projeto “Comidinha de Panela” traz a Exposição “Laço Afro” do artista plástico Wilton Bernardo. As obras são versões originais de Orixás (Yemajá, Iansã, Oxum, Oxalá), símbolos e grafismos que remetem a cultura africana e permanecem expostas até final de fevereiro. Na abertura, portanto, além dos quadros, quem aparecer na Casa da mãe  poderá adquirir também  as aplicações das artes em suportes como camisetas, chaveiros e canecas.

A comidinha será “Efó, às 20h. Microfone Livre, com muitos artistas e Entrada Franca.

Comidinha de Panela” visa resgatar a pitoresca culinária baiana, com quitutes genuínos, que trazem todo sabor e tradição do tempero caseiro. O conceito é de um evento gatrono-musical interativo.

ENDEREÇO: RUA GUEDES CABRAL, N 81 – RIO VERMELHO (EM FRENTE À CASINHA DE YEMANJÁ), Salvador-BA-Brasil. TELEFONE: 55 (71) 3017 9041
 
Contato de Wilton Bernardo: 55 (71) 3014-4331/ 8807-4331,   wiltonbernardo@hotmail.com

Luzia Moraes
Ofá Produções
55 71 8816 4560