Quanto você cobra pra criar um personagem?

É preciso ter muito cuidado diante de uma pergunta ou proposta relacionado a criação de personagem. Essa é uma das perguntas mais perigosas para quem não sabe o que pode significar dar vida a um personagem. Eu me coço todo só de pensar em ouvir de novo essa pergunta. As vezes, é melhor não fazer, dependendo da propostas de quem faz essa pergunta.
Primeira lição: É preciso entender que conceber um personagem não é a mesma coisa que conceber um desenho. Você precisa ter a noção do valor da criatividade entre tantas outros atributos que hoje se celebra em empreendedores. E é bom saber que, você não vai poder esperar que seu cliente, ou um empresário interessado em seu trabalho lhe diga quanto vale ou quão importante é sua criatividade. Não posso generalizar, mas dificilmente alguém valoriza aquilo que não conhece ou não tem. Portanto, cuidado, cuidado e cuidado!

Durante a Oficina de Quadrinhos que atualmente tem inscrições abertas, muito além de orientar sobre as etapas de construção de uma HQ, considero extremamente importante abordar assuntos como esse. Não adianta se preparar tanto, se esforçar pra poder criar, fazer um trabalho de narrativa, de desenho, de arte super bem, e na hora de valorizar seu trabalho, ficar perdido ou esperar que o cliente diga quanto vale, e como será a negociação.

A criação do personagem Superman é atribuída ao roteirista Jerry Siegel e ao desenhista Joe Shuster. Embora o personagem tenha sido publicado oficialmente em 1938, na primeira edição da revista americana Action Comics, pela então “National Publications”, editora que viria a ser conhecida posteriormente como “DC Comics”, ele havia sido concebido pela dupla cerca de cinco anos antes. A dupla teve sérios problemas com os direitos autorais ao assinarem um contrato ingênuo e despretensioso por um personagem que levanta centenas de milhões de dólares. Resultado: uma briga judicial que durou décadas. Pesquiso sobre isso!

MUITOS AUTORES E MUITOS EXEMPLOS
Antes de tudo, é importante você ter consciência de que muitos autores(inclusive, famosos), já passaram por experiência traumáticas, grandes lições estão ai para que você não repita o erro que outros já cometeram ou não caia em armadilhas que outros já caíram.
A dica que lhe dou é:
a) Se você tem dúvidas sobre o peso da criatividade para um projeto empreendedor, se pergunte o seguinte: sem dinheiro, mas com uma ideia realmente criativa, é possível empreender? A resposta é sim! E com dinheiro mas sem nenhuma ideia?
b) Antes de você responder a um cliente, quanto cobra pra criar um personagem, você sabe o esse personagem pode render? O grau de exposição que este personagem vai ser posto, e quando ou por quanto tempo ele vai refletir geração de vendas e lucro? Já refletiu sobre a grande possibilidade do personagem fazer sucesso e virar uma “galinha dos ovos de ouro”? Se você não consegue organizar as ideias e entender sozinho o que esse personagem concebido pode significar economicamente, você tem 2 alternativas (mas pode escolher as duas se quiser! Rsrs):

PRIMEIRA: Assista pelo menos 2 files: “Disney antes do Mickey” e “Fome de Poder”. Em ambos os filmes – apesar do segundo filme não se dar no universo de personagens, é muito fácil perceber a importância da criatividade, ainda que o protagonista esteja o tempo todo tentando fazer uma lavagem cerebral em quem assiste a película repetindo o tempo todo a importância de “persistir”. Nada contra a persistência, mas a criatividade, ainda que não celebrada, tem um valor inestimável. Outra: Persistir em algo que não dá certo pode lhe dar alguma experiência, mas experiência não significa necessariamente que seu investimento lhe renderá sucesso e lucro. E digo mais! Te dou uma barra de chocolate se você me disser porque a criatividade não é tão valorizada, respeitada e bem remunerada (pelo menos aqui no Brasil).

SEGUNDA: Se inscreva na Oficina de histórias em Quadrinhos! Srsrsrs brincadeiras e “merchan” à parte. Até hoje não vi em nenhum lugar se chamar tanto a atenção dos alunos sobre a importância de se entender e ter atenção sobre seus direitos autorais. Sobre pensar que nem toda negociação ou parceria precisa ser a base de uma venda simplesmente, como fazemos na Oficina de Quadrinhos que realizo. Há coisas que podem valer a pena se pensar em acordos que envolve percentuais, períodos! Pode ser prudente o estabelecimento de cláusulas que garanta que ninguém vai ser explorado ou desvalorizado (pra não dizer roubado) por ninguém.

Pesquise, leia. Há muitas questões que exigem entender sobre os direitos autorais. Você sabe o que aconteceu com a criação do Super man? Sabe o que os criadores do personagem passaram? Pesquise! Se informe, mas se você é criativo, arregace as mangas e crie, mas não esqueça de lembrar que o autor de uma obra, não deixa de ser autor, por mais grana que esteja envolvida. Como diz a velha frase “Não entregue o seu ouro ao bandido”!

3ª DICA: Arquétipos


Dica 3: Arquétipos
Olha, Por mais bem estruturado e definido que já sejam seus personagens, e mais mais interessante e fechadinha que seja a sua idéia de história que você vai roteirizar, eu sugiro que antes de “bater o martelo”, antes da revisão final de sua história, você dê uma estudada sobre os arquétipos.
E digo mais, leia sobre a jornada do Herói! Isso vai ajudar de forma incrível a você conseguir organizar a história tão legal que deseja compartilhar com o mundo em forma de Quadrinhos, sem contar que você vai poder entender e organizar as funções de cada personagem dentro dessa narrativa.
Veja abaixo um pouco sobre os arquétipos e em seguida assista o vídeo!

Arquétipos
Os arquétipos podem ser compreendidos como representações personificadas das feições humanas. Todos nós temos um pouco de herói e vilão, tolo e sábio, palhaço e austero. O arquétipo vem a ser a encarnação destas características.

No roteiro, uma personagem pode representar um arquétipo. Nestas histórias o vilão sempre agirá como vilão e o herói como herói. Por outro lado existem roteiros que querem dar um aspecto mais humano as suas personagens, nestes cada personagem pode apresentar ou representar diferentes aspectos no decorrer da história.
Segundo Christopher Vogler, os principais arquétipos são: (vale muito a pena, pesquisar sobre as características de cada um desses arquétipos)
1 – HERÓI
2 – MENTOR
3 – GUARDIÃO DO LIMIAR
4 – ARAUTO
5 – CAMALEÃO
6 – SOMBRA
7 – PÍCARO
8 – O ANJO
9 – O ORELH
A

Quer saber mais?
Christopher Vogler é um roteirista de Hollywood. É famoso por ter escrito o “memorando The Writer’s Journey: Mythic Structure For Writers” (A Jornada do Escritor: Estrutura Mítica para Roteiristas), como um guia interno para os roteiristas dos estúdios Walt Disney.
Vogler trabalhou para os estúdios Disney, Fox 2000 Pictures, e para a Warner Bros. sempre nos departamentos de desenvolvimento de idéias. Também já foi professor da Escola de Cinema e Televisão da Universidade do Sul da Califórnia, na Divisão de Animação e Artes Digitais, bem como na extensão da UCLA. Atualmente, Vogler é presidente da empresa Storytech.
Vogler cursou cinema na Escola de Cinema e Televisão da Universidade do Sul da Califórnia, a mesma faculdade onde estudou George Lucas. Assim como Lucas, Vogler foi inspirado pelo trabalho do antropólogo Joseph Campbell, particularmente “O Herói de Mil Faces” e o conceito do monomito.

O monomito (às vezes chamado de “Jornada do Herói”) é um conceito de jornada cíclica presente em mitos, de acordo com o antropólogo Joseph Campbell. Agora que chegou até aqui, assista ao vídeo abaixo. Espero que esta última das 3 Dicas tenha colaborado com seu desenvolvimento na construção de sua história em Quadrinhos.
Me fala o que achou no instagram! Até as próximas dicas!

# Wilton Bernardo
Professor da Oficina HQ, Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
@oficinahq

2ª DICA: Storyline


2ª Dica: Storyline

Digamos que você já tem os personagens criados, com suas devidas características definidas. Agora falta desenvolver a história. Mas será que você
tem que sentar na frente do notebook e iniciar a descrição do roteiro, os diálogos, o tempo, e toda a narrativa? Será que não seria melhor ter a história desenovlvida, para depois roteirizar, com a organização das falas por personagem, cenas descritas por quadros? Mas para isso, eu vou sugerir que você desenvolva seu Storyline! Vamos entender:

Storyline
O Storyline é a síntese da história que desenvolveremos. Uma espécie de resumo que você deve escrever em 5 linhas. Nele registrará os acontecimentos mais relevantes. Esta síntese será seu guia na hora de desenvolver o argumento(a descrição da história completa, o textão), para depois preparar o roteiro. Ela te ajudará a dar o começo meio e fim à sua história, te auxiliando na elaboração dos diálogos (posteriormente), sem perder a noção de “elaboração do problema”, “valorização do problema”, e “desfecho para o problema”.

Ao elaborar o seu storyline, não se prenda a detalhes. O “close” em determinada cena, a roupa do personagem, o que o personagem vai falar pra o outro, se é manhã, tarde ou noite, o que o personagem está pensando…. definitivamente nada de detalhes.

Antes mesmo de escrever o storyline, você precisa ter uma idéia: o que vai acontecer de fato? O que justifica essa história mesmo? Existe uma mensagem a ser apresentada através dessa história? Se você vai desenvolver uma aventura, drama, ação, então, como será? Que trama ? que acontecimento? Com que fato você vai apresentar essa história?
Alguém descobre algo de muito importante?
Vai haver uma grande disputa? De quê? Entre quem? Quem vai vencer?
ATENÇÃO: Você só não pode confundir “Sinopse” com “Storyline”. A Sinopse normalmente apresenta um resumo da história de forma a atrair o interesse do leitor ou telespectador, mas não há o compromisso da Sinopse revelar tudo (senão perde a graça?). Mas Storyline não tem segredo, até mesmo porque o Storyline não vai ser apresentado ao público. Ele é etapa de desenvolvimento, de construção e quem tem acesso a ele é quem está desenvolvendo a história.

Exemplo de Storyline – Filme Melhor é impossível: Um excêntrico e difícil escritor de nova-iorque apaixona-se pela garçonete que todos os dias o atende mas a doença obsessivo-compulsiva de que sofre impede uma relação normal. Uma viagem em que os dois se vêem envolvidos por um amigo comum dá-lhe por fim a oportunidade de mostrar o seu lado melhor, conseguindo conquistá-la.

Espero que você tenha gostado das dicas 1 e 2 que compartilhei contigo. Amanhã você terá a terceira e última Dica prometida!

# Wilton Bernardo
Cartunista, designer gráfico, artista visual
Professor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
@oficinahq

1ª DICA: Recursos narrativos (Enquadramento)


1ª Dica: Recursos narrativos
Na construção de uma história em quadrinhos há diversos recursos que compõem as etapas de construção. Conscientes ou não, essas etapas serão realizadas, então, quanto mais consciência e domínio em cada aspecto, melhor para você obter êxito em sua construção. Exemplo de recursos narrativos: onomatopeias, angulações, legendas, balões, ritmo, planos, entre outros.

Então abaixo segue uma orientação sobre enquadramento, para que você realmente esteja atento ao realizar as enquadrações de imagem em cada quadro de sua HQ.

Enquadramento
O controle da narrativa está em suas mãos. O enquadramento é importante e um ótimo exercício de direção. Cuidado com essa ferramenta, pois você precisa direcionar o olhar do leitor, mas ao mesmo tempo, precisa dar-lhe alternativas no que diz respeito a perceber as coisas.

Falar de enquadramento me faz lembrar a prática de assistir futebol ou outra competição esportiva pela TV. Tem coisa pior? Você suporto a ideia de só olhar o que a câmera enquadra! Percebe a importância? Essa analogia para facilitar sua análise e perceber o quão importante é este enquadramento para o entendimento e dedução do leitor.

Pense sobre isso na hora de enquadrar as imagens de sua história. Resumindo, quero dizer que você deve dirigir o olhar, mas com cautela e cuidado para o leitor não se sentir um idiota. Lhe dê a chance de poder deduzir algo e não, ficar sabendo de tudo que acontece na história quando as ações realmente têm o desfecho. É interessante que ele possa, também, deduzir algo e isso pode estar no campo das ideias, mas também pode depender da sua percepção sobre as imagens exibidas.

# Wilton Bernardo
Professor da Oficina HQ, Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
@oficinahq

Dicas gratuitas: construção de uma HQ


Pessoal, sou Wilton Bernardo, artista visual, designer gráfico e cartunista. Sou o idealizador e um dos professores do Curso de Quadrinhos da Oficina HQ que existe e realiza atividades em Salvador-BA desde 2003 – exposições, mostras de filmes, oficinas, workshops e cursos.

Cada vez que eu abro inscrições e divulgo novo curso, muitas pessoas interessadas nesta área perguntam se precisam saber desenhar, e muitas não fazem ideia das etapas que são fundamentais para qualquer pessoas poder desenvolver uma história em Quadrinhos com planejamento, segurança e de forma organizada, ou seja, profissionalmente.
No Curso de Quadrinhos que realizo, todas as etapas importantes de construção de uma HQ serão abordadas. Mas entendendo que nem todos poderão participar, seja porque não estão em Salvador-BA, ou por qualquer outro motivo, eu resolvi compartilhar com todos que acompanham as Redes Sociais da Oficina HQ (instagram, facebook e Blog) 3 dicas super importantes, GRATUITAMENTE, que ajudarão incrivelmente a você que deseja construir Histórias em Quadrinhos cada vez melhores.

As 3 dicas escolhidas para ajudar você a construir sua HQ com mais técnica – a serem disponibilizadas no instagram, blog e facebook da Oficina HQ – são as seguintes:

1 – Recursos narrativos (Enquadramento) – disponível a partir de 25/03/19
2 – Storyline – disponível a partir de 26/03/19
3 – Arquétipo – disponível a partir de 27/03/19

Espero sinceramente poder ajudar você a desenvolver suas habilidades e enriquecer sua técnica na construção de uma história em Quadrinhos.
Abraço e até a primeira dica a ser publicada amanhã!

# Wilton Bernardo
Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
http://www.wiltonbernardo.com

Personagem de Quadrinhos x Possibilidade de sucesso

A Liga da Justiça


Faltando alguns dias para iniciar uma nova turma da Oficina de Quadrinhos – 22 de julho começa a nova Oficina de Quadrinhos no ateliê da Faculdade Ruy Barbosa, Salvador-BA -, decidi escrever este artigo, para dar uma “palhinha” do que discutiremos em sala, além das etapas de construção de uma história em Quadrinhos. Espero que seja proveitoso para você:

Possibilidade de sucesso
Quem não sonha em ver sua criação artística fazer sucesso? O fato é que já houve um tempo em que não se poderia imaginar as dimensões grandiosas de sucesso que um personagem de quadrinhos poderia alcançar. Imaginar que um personagem de tirinhas ou revistas em quadrinhos ganhariam sucessos arrebatadores em adaptações para games, virar garoto propaganda de campanhas publicitárias de grandes marcas e poder ganhar a indústria cinematográfica.
Apesar de não ser uma regra, o grande sucesso pode sim “abraçar” seu personagem. Antes de terminar este artigo, te pergunto: você está seguro sobre ter as rédeas do seu personagem? Entenda “rédeas” como noção de seus direitos autorais!


Histórias inusitadas de sucesso
Em 1962 uma agência de publicidade solicitou a um desenhista que ele criasse uma personagem para estrelar uma campanha publicitária. O nome da personagem deveria ter a sílaba “Ma” porque o patrocinador era Mansfiel. A campanha acabou não acontecendo, mas um diretor da agência ao assumir outro trabalho na imprensa, lembrou e solicitou a utilização da personagem que teve grande sucesso. Assim iniciou a história de sucesso da Mafalda, criação do Joaquín Salvador Lavado, o Quino.
No início da década de 1930 dois estudantes apaixonados por ficção científica se conhecem e no ano seguinte criam um personagem. Em meio a muitas revisões e mudanças de características desse personagem, batem em muitas portas e recebem muito “NÃO” antes da oportunidade que transformaria aquela criação numa das mais icônicas e rentáveis personagens do universo dos Quadrinhos – Superman! Jerry Siegel e Joe Shuster, os criadores do homem de aço jamais imaginavam o sucesso que este personagem alcançaria. Com certeza experimentaram a grande felicidade de ver sua cria ganhar o mundo, mas tiveram sérios problemas com direitos autorais por fazerem acordo que parecia realmente ser bom para eles. Mas isso, se o personagem não tivesse crescido tanto e se tornado o grande sucesso que é até hoje.

Direito autoral e falta de informação
Este é um assunto que gera muita discussão e falácia porque a grande parte das pessoas não conhecem as leis que defendem os direitos autorais, e por isso, acabam fazendo as vítimas se sentirem culpadas por conta dos desrespeitos aos seus direitos, causados por outros. EM situações assim os autores podem ser desencorajadas a lutar pelos seus direitos. Para perceber esse risco basta lembrar do que uma pessoa sempre pergunta ao saber que por exemplo, alguém utilizou seu personagem ou arte sem sua devida autorização: “e você registrou o personagem”?
Querendo ou não, ao lançar essa pergunta, o interlocutor praticamente está dizendo ao artista que teve seus direitos desrespeitados: “já que você não registrou sua criação, não reclame!”.
Mas este interlocutor está enganado e se baseia em “achismo”.

Entenda os seus direitos
A lei de direito autoral (9.610/98) protege qualquer criação do intelecto humano que não se caracteriza como elemento da propriedade industrial .
Os direitos autorais se dividem em direitos morais e direitos patrimoniais.
a) Direitos morais: Quanto a estes, são direitos perpétuos, inalienáveis e irrenunciáveis. Não se pode abrir mão nem vendê-los! E mesmo que o faça, não surtirá nenhum tipo de efeito juridicamente válido.
Duas das cláusulas referentes aos direitos morais defende que:
I – o direito de reivindicar, a qualquer tempo, a autoria da obra
II – O direito de ter seu nome, pseudônimo ou sinal convencional indicado ou anunciado, como sendo o do autor, na utilização de sua obra;
Há muitos outros itens e é importante se saber.

b) Direitos patrimoniais: Estes regulam a exploração econômica da obra. Já estes direitos pode ser vendidos, negociados, como o autor desejar. Cuidado!Pense duas vezes antes de fazer uma cessão de direitos sem prazo de validade no que diz respeito a exploração comercial. Hoje seu personagem pode ser anônimo e não render absolutamente nada, mas amanhã, ninguém sabe onde ele pode chegar!
E saiba que entre os itens que regem os direitos patrimoniais, é assegurado:
I – Dispensa de registro. Isso mesmo. De acordo com o artigo 18, para que o autor possa usufruir da proteção legal, basta que comprove , por qualquer meio, a sua autoria. O registro da obra não é fator que defini se o autor tem direito ou não, mesmo porque se este pode provar que sua autoria tem data que antecede ao registro,deixa de ter validade.

II – Temporariedade da obra: Segundo o artigo 41, o direito de explorar comercialmente sua obra em caráter exclusivo, dura por toda a vida do autor e mais 70 anos após a sua morte

Há muito mais a saber sobre os direitos autorais, portanto, se você é autor de alguma obra, procure ler sobre seus direitos. Só assim, poderá entender e cobrar justiça, se algum dia, precisar.

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual; Professor do Curso de Quadrinhos Oficina HQ; designer idealizador da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | wiltonbernardo@hotmail.com

Oficinas de Quadrinhos em Salvador-BA

As Oficinas de Quadrinhos ministradas pelo artista visual e designer Wilton Bernardo terão 2 turmas simultâneas para contemplar públicos diferentes. No turno matutino a Oficina é direcionada a adolescentes e adultos; no turno vespertino, pela primeira vez, as crianças de 8 a 12 anos terão uma turma só para elas!
As turmas serão abertas com 2 grandes parceiros:
– A Faculdade Ruy Barbosa vai contemplar o público adolescente e adulto, das 9:30 às 11:30h
– O Museu Costa Pinto vai contempla a criançada de 8 a 12 anos, das 15 às 17h

SOBRE A OFICINA E O PROFESSOR
Conteúdo: Wilton desenvolveu um conteúdo que aborda as etapas de construção de uma HQ como desenho, criação de personagem, storyline, storyboard, roteiro, design, cores. Questões como mercado e direito autoral integram o conteúdo do curso.
Wilton Bernardo é graduado em artes Visuais, estudou cursos específicos sobre a narrativa dos quadrinhos e tem no currículo diversos trabalhos nas áreas de artes e design – criou os personagens Paxuá e Paramim lançados por Carlinhos Brown; a personagem feminista Dona Dedé que tem página própria no facebook e criou o projeto Oficina HQ através do qual realiza Oficinas de Quadrinhos e de Desenho desde 2003.

OS PARCEIROS
A Faculdade DeVry Ruy Barbosa busca em sua essência empoderar seus alunos para alcançarem seus objetivos de carreira e pessoais. Pensando nisso a coordenação dos cursos de Publicidade e Propaganda, Design Gráfico, Design de Produto e Design de Interiores da Ruy se unem no apoio a este projeto através do coordenador e professor José Wilker M. Araújo (email: jaraujo8@frb.edu.br).

O Museu Carlos Costa Pinto reúne no seu acervo de artes decorativas, dos séculos XVII ao início do XX, um verdadeiro testemunho dos valores artísticos e culturais da Bahia Colonial e Imperial. Além da exposição do seu inestimável acervo, promove exposições temporárias, desenvolve intensa programação cultural e possui um atuante serviço educativo, realizando visitas orientadas e oficinas de arte para estudantes e grupos diversos (email: educativo@museucostapinto.com.br)

Serviço: Oficina de Quadrinhos
a) Turma da Faculdade Ruy Barbosa: para adolescentes e adultos
Local: Faculdade Ruy Barbosa – 422, Rua Theodomiro Baptista – Rio Vermelho, Salvador-BA
Horário: 9:30h às 11:50h

b) Turma do Museu Carlos Costa Pinto: para crianças de 8 a 12 anos
Local: Museu Carlos Costa Pinto, Corredor da Vitória, Salvador-BA
Horário: 15h às 17h

Período: Junho e Julho (total de 8 sábados)
Investimento: R$ 2 x R$ 225
Informações e inscrições:
Wilton Bernardo (71) 99305-9093(tim/whatsapp), oficinahq@hotmail.com (e-mail)
Site: http://www.wiltonbernardo.com
Obs: A Oficina oferece apostilas e material necessário para as aulas

:: Oficina HQ

Oficina de Quadrinhos tem inscrições abertas

FLY-OFICINA-HQ

Oficina de Quadrinhos tem inscrições abertas

Já estão abertas as inscrições para a nova oficina de Quadrinhos. O conteúdo da oficina amplia as abordagens sobre os recursos narrativos nesta nova edição que acontece no Museu Carlos Costa Pinto durante 10 encontros, aos sábados, a partir de 9 de maio.

Oficina de Quadrinhos
Durante 10 sábados, das 14:40h às 17:10h, serão abordadas as principais etapas de construção de uma história em quadrinhos com ênfase nos recursos narrativos, além de desenho, criação de personagem e roteiro. A oficina que acontece desde 2003 já teve diversas atualizações em seu conteúdo didático e agora tem o material sobre recursos narrativos ampliado. As aulas que serão divididas em teoria e prática, terão 2 ambientes adequados para cada tipo de aula: para aulas práticas, ambiente ao ar livre num pranchão. Para atividades teóricas, o auditório do Museu.

Os professores
Wilson Júnior e Wilton Bernardo serão responsáveis pelo conteúdo das 25 horas de Oficina distribuída em 10 encontros. Ambos graduados pela Universidade Federal da Bahia. Wilson é graduado em Artes Plásticas e Licenciatura em Desenho e Plásticas; Wilton é bacharel em Artes Plásticas e idealizador da Oficina HQ.

A Ação Cultural que é coordenada pelo artista Wilton Bernardo, em seus 12 anos de atividades, já realizou dezenas de oficinas de quadrinhos e de desenho, além de exposições e mostras de filmes.

O que: Oficina de Quadrinhos (para adolescentes a partir de 14 anos e adultos) 
Local: Museu Carlos Costa Pinto – Avenida Sete de Setembro, 2490 – Corredor da Vitória
Horário14:40h às 17:10h

Quando: a partir de 9 de maio  em 10 encontros (9/5 a 18/7/15)
Investimento: 3X de R$ 150 ou R$ 450
Inscrições e informações: Wilton Bernardo (71) 9305-9093 (Tim/whatsapp) e oficinahq@hotmail.com