MÓDULO 9: História e Roteiro

11/07/2020 | Etapas para desenvolvimento do roteiro:

Com este Módulo 9, eu chego ao final da proposta de publicar um Workshop Online para vocês, gratuitamente. Espero sinceramente que todo o conteúdo publicado aqui – módulo 1 ao módulo 9 – possa ter te ajudado a aprender um pouco mais sobre quadrinhos, a se estimular e produzir sua História em Quadrinhos. Confira este último conteúdo publicado E não deixe de clicar em ROTEIRO FINAL na etapa 5, para visualizar exemplo de roteiro:

1ª. Etapa:
IDÉIA – O motivo da escolha pode ser um fato que desperta o desejo em abordar um tema; uma necessidade; uma encomenda.

2ª. Etapa:
STORYLINE – Idéia da abordagem geral em aproximadamente 5 linhas.
Exemplo1: (Medéia) “Minha história conta o drama de uma mulher que mata 4 filhas e depois enlouquece.” É o enredo, a fofoca.
Exemplo2: (Hamlet) Era uma vez um príncipe cujo tio, para tomar o trono,
matou o rei, pai do príncipe; aí o príncipe entrou numa crise existencial,
matou uma porção de gente e acabou morto”

3ª. Etapa:
DESENVOLVIMENTO DO STORYLINE: ARGUMENTO (Texto sem preocupação com tempo e espaço). Você define: a história começa aqui, passa por ali, termina lá. É a história, o conteúdo com início, meio e fim.

4ª. Etapa:
FRAGMENTAÇÃO DO ARGUMENTO – Descrição onde cada cena contém a localização no tempo, no espaço e a ação.

5ª. Etapa:
1º. TRATAMENTO – Detalhes emocionais, diálogos, desenvolvimento e fechamento de cena.
O 1º. Tratamento significa o ROTEIRO FINAL sem revisão, correção ou ajuste. Ao clicar nas palavras ROTEIRO FINAL, você verá um arquivo PDF feito para lhe mostrar um exemplo de tirinha e do roteiro que deu origem à esta tirinha.

:: Wilton Bernardo
+ Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
+ Criativo do Estúdio e produtos da Laço Afro
+ Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia

MÓDULO 8 – Recursos narrativos

MÓDULO 8 – Recursos narrativos
por Wilton Bernardo

O que lhe vem em mente quando lê essas duas palavras? Recursos narrativos?
Se você já leu quadrinhos, já deve ter observado diversos recursos presentes e facilmente identificáveis numa página de HQ. Alguns desses recursos, você pode não saber dar nome ou saber explicar, mas muitas vezes sente. Afinal, numa história bem planejada, os recursos ali colocados, não foram gratuitamente. Para quem planejou e escreveu o roteiro, os elementos têm um sentido e ajudam a contar a história.
E para quem está começando a mergulhar nesse universo da construção de HQ, saiba que é importante quem vai pensar a distribuição das imagens nas páginas entender esses recursos. Para escrever o roteiro, é preciso que tanto o roteirista quanto o desenhista se entendam. Quando o roteirista escrever “personagem X num plano americano”, o desenhista precisa saber ou, se ao contrário, o desenhista sugerir “que tal colocarmos neste quadro o personagem X em plano médio”?
Boa leitura!

Segue abaixo alguns dos principais recursos narrativos e uma breve explicação:

a) Onomatopéias

Vocábulos que imitam sons naturais das coisas.
Exemplo:
Aaai! – grito de dor
Ah! – grito de surpresa, dor, medo, pavor ou descoberta
Ah! Ah! Ah! – risada ou gargalhada
Argh! – nojo
Atchim ou ahchoo! – espirro
Bah! – desagrado

b) Ritmo
A forma com que você vai contar a história, através das imagens que apresentará ao leitor define o ritmo (no que diz respeito a seqüência de imagens exibidas x quantidade de quadros).

O espaço de um quadro pra outro funciona para a HQ como o tempo funciona para o desenho animado. Assim, esteja atento aos cortes de uma cena pra a outra ou, pelo contrário, na forma lenta e detalhista que você usará (no que diz respeito a exibição de cada modificação na imagem de um quadro para outro).
Se um acontecimento dentro da sua história vai acontecer com muitos ou poucos quadros, isso tem um porquê. É o roteirista que dá esse ritmo, e vai valorizando ou não cada sequência, cada trecho da história.

c) Balões
Recurso marcante e inquestionável dos quadrinhos. Os balões são como o microfone ou a caixa de som dos personagens.

d) Legenda
Espaço do narrador, é usada para uma breve explicação ou para ganhar tempo e espaço dentro da história.

e) Planos quanto ao ângulo
e.1 – Plano plongé/ Superior – visão geral que serve pra dar impressão de encurralamento. Câmera posicionada no alto.
e.2 – Plano contra-plongé – Focaliza o personagem de baixo pra cima, exaltando-o, tornando-o maior do que é na realidade

f) Planos quanto ao enquadramento
Plano americano – Do joelho pra cima
Plano de conjunto – Personagem de corpo inteiro
Plano médio – Do abdômen pra cima

Agora sim! Após ler este conteúdo, já pode desenvolver sua história e terá uma linguagem técnica que já lhe possibilita escrever uma história! Mãos à obra!

Força e foco! Até o próximo MÓDULO!

:: Wilton Bernardo
+ Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
+ Criativo do Estúdio e produtos da Laço Afro
+ Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia

MÓDULO 7 – Storyline

26/06/2020 | Chegamos no módulo 7 do Workshop Virtual de HQ!
Se você quer mesmo produzir uma narrativa em Quadrinhos, já deve ter criado alguns personagens, certo?

Então, agora é hora de trabalhar a construção da história! Mas por onde começar?
Comecemos pelo Storyline.

Storyline
O Storyline é a síntese da história que desenvolveremos. Uma espécie de resumo que você deve escrever em 5 linhas. Nele registrará os acontecimentos mais relevantes. Esta síntese será seu guia na hora de desenvolver o argumento, para depois preparar o roteiro. Ela te ajudará a dar o começo meio e fim à sua história, te auxiliando na elaboração dos diálogos (posteriormente, pois agora, nada de pensar em diálogos), sem perder a noção de “elaboração do problema”, “valorização do problema”, e “desfecho para o problema”.

Ao elaborar o seu storyline, não se prenda a detalhes. O “close” em determinada cena, a roupa do personagem, o que o personagem vai falar pra o outro, se é manhã, tarde ou noite, o que o personagem está pensando…. definitivamente nada de detalhes. Ainda não é desenvolvimento de roteiro.

Antes mesmo de escrever o storyline, você precisa ter uma idéia: o que vai acontecer de fato? O que justifica essa história mesmo? Existe uma mensagem a ser apresentada através dessa história? Se você vai desenvolver uma aventura, drama, ação, então, como será? Que trama ? que acontecimento? Com que fato você vai apresentar essa história?

Alguém morre?

Alguém nasce?

Alguém salva algo ou alguém?

Alguém descobre algo de muito importante?

Vai haver uma grande disputa? De quê? Entre quem? Quem vai vencer?

O que vai acontecer? E o que seu personagem tem a ver com esse acontecimento?

Força e foco! Até o próximo MÓDULO!

:: Wilton Bernardo
+ Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
+ Criativo do Estúdio e produtos da Laço Afro
+ Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia

MÓDULO 3 – PRIMEIRA PARTE

MÓDULO 3 – primeira parte – Desenho X História

a) Onde está o desenhista na sociedade atual (2020)?
O que vocês me responderiam? Será que há espaço para o desenhista atuar profissionalmente nesta sociedade atual? Pare um pouco e tente responder para si, antes de continuar a leitura.

b) Nem tudo é beleza
Pessoal, eu tenho ministrado Oficinas de Quadrinhos há 17 anos. Foram muitas turmas, dezenas de alunos. E quer saber uma coisa que eu vi se repeti diversas vezes? A avaliação de diversos alunos em relação a seu próprio desenho no simples e raso quesito “beleza”. Não caia nessa armadilha de ficar avaliando seu desenho em relação a beleza. Até porque, provavelmente quando uma pessoa diz que o desenho é feio, é porque ela possivelmente tem uma referência de desenho bonito. Tendo ou não, se você quer desenvolver algum trabalho reconhecido como seu, sem que alguém necessariamente tenha que atrelar o seu trabalho a outra pessoa, então, você precisará desenvolver O SEU TRAÇO. E se esse traço não tem que se parecer com o de outra pessoa, não cobre de si, ter um traço como o de qualquer outra pessoa.
Se você quer desenvolver o seu traço, você não tem que se tornar outra pessoa, ou seja, não tem que tentar mudar seu traço completamente. Mas você pode sim, melhorar, evoluir. Eu posso te ajudar, se você me mostrar sua produção e quiser um feedback enquanto dura este workshop Virtual de HQ. Ser]ao 9 conteúdos, e estamos entrando no módulo 3, parte A.

c) O DESENHO em variados momentos da história

1 – Homem da Caverna:
Usavam as pinturas rupestres, e podemos obviamente falar em desenhos, como forma de se expressar e comunicar antes mesmo que se consolidasse uma linguagem verbal

2 – No Egito antigo:
O desenho, utilizado para decorar tumbas e templos, ganha status sagrado.
Uma grave condenação para alguém após a morte era ter raspados todos os desenhos e inscrições de sua tumba.

3 – No Renascimento:
O desenho ganha perspectivas e passa a retratar mais fielmente a realidade; surge um conhecimento mais aprofundado da anatomia humana e os desenhos ganham em realidade.

4 – Revolução industrial e História em Quadrinhos
Devido a Revolução Industrial surge uma nova modalidade de desenho voltado para a projeção de máquinas e equipamentos: o desenho industrial.
Em 1890, outro marco para o desenho: surge a primeira revista em quadrinhos semanal da história. No dia 17 de maio de 1890 foi lançada a Comic Cuts pelo magnata londrino Alfred Harmsworth, mais tarde Lord Northcliffe. Mas, outras fontes atribuem o feito a obras anteriores: uma destas obras seria o desenho chamado “Yellow Kid” publicada em 1897 por Richard Outcalt. No Brasil, as precursoras foram as tiras do ítalo-brasileiro Ângelo Agostini, publicadas em 1869, no jornal “Vida Fluminense” com o título de “As Aventuras de Nhô Quim”.

Considerações finais: O objetivo desse texto falar desses vários aspectos é chamar sua atenção para a ferramenta de comunicação e linguagem que você tem em mãos. Se você reduzir suas possibilidades a apenas “beleza”, pode desperdiçar a experimentação mágica de expressão. E para eu não ficar apenas no âmbito das ideias, sem dar nome aos bois, eu chamo sua atenção para obras como: Mafalda (autor: Quino), Persépolis (autora: Marjane Satrapi), Maus (autor: Art Spiegelman). Eu poderia citar muitos outros onde o desenho está longe do que alguém chama de “desenho bonito”, mas são trabalhos de altíssima qualidade e reconhecimento internacional.
Pense o seguinte: Se algum dos 3 autores citados acima resolvessem não produzir enquanto não tivessem um desenho maravilhoso, correriam o grande risco de nunca realizarem a produção incrível que fizeram. Pense nisso, e aguardo nossos dois próximos textos, que sairão amanhã e depois de amanhã para que no sábado, façamos a aula de CRIAÇÃO DE PERSONAGEM! Vocês querem a aula de criação de personagem através de uma LIVE no Instagram? Ou uma Videoconferência onde fica mais fácil todos interagirem?

Até a SEGUNDA PARTE do Módulo 3!

:: Wilton Bernardo
+ Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
+ Criativo do Estúdio e produtos da Laço Afro
+ Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia

Módulo 1 – SEGUNDA PARTE

Módulo 1 – SEGUNDA PARTE:
Antes de criar sua HQ ou um Personagem, aprecie criações de outros autores.

Pessoal,
Esta segunda parte eu considero importante existir por 2 razões que vou dizer de forma bem objetiva:

RAZÃO 1: Eu gosto de mostrar/ citar quadrinhos e personagens de variados estilos, variados traços para os alunos no início de uma Oficina ou Workshop que se propões a abordar as etapas de construção de uma HQ, como é nosso caso, agora. E fico feliz quando na lista, há personagens e histórias que tem desenhos que não são considerados “maravilhosos”. Por um motivo simples: Muitos alunos nas Oficinas de Quadrinhos que realizo, costumam atrelar “necessidade de desenhar maravilhosamente bem” com “poder colocar em prática a ideia de criar um personagem e uma história”. É importante entender seu traço, tentar se melhorar sempre. Mas é muito arriscando quando se coloca o trabalho de outra pessoa bem sucedida como parâmetro para se achar pronto o suficiente para produzir. Um desenho “lindo” não garante uma história de quadrinhos ou mesmo um personagem de sucesso.

RAZÃO 2: É importante termos referência sobre aquilo que desejamos produzir (Não é para copiar nem necessariamente se inspirar). É ter um repertório de informação, ver possibilidades, apreciar. Se você quer ser músico, por exemplo, não tem como aprender, e se desenvolver sem apreciar músicas, conhecer trabalhos de outros músicos. Se quer dirigir um filme, não faz sentido você se lançar nessa maravilhosa produção sem conhecer outros diretores, e obras feitas por estes.
Vocês podem se perguntar se conhece alguém que produz algo sem se permitir conhecer produções de outros profissionais desta mesma linguagem artística, considerando que o exemplo seja na área de artes.
Eu arrisco dizer uma coisa: É possível sim, uma pessoas que tentam produzir sem conhecer outras obras daquela linguagem sobre a qual quer produzir. Mas o resultado pode ser extremamente fraco, com falhas técnicas primárias. Nós não somos uma ilha e a produção de narrativas gráficas existe há muitos anos. Então, não tem cabimento uma pessoa partir para criar um personagem, uma história em quadrinhos, sem ter lido outras.

E digo mais, meu amigo(a), tente analisar um pouco mais os personagens ou histórias que lhe interessam. Gostou do personagem? Então se arrisque se perguntar: O que me fez gostar dele? Que características mais me interessou nesse personagem? O exercício dessa reflexão vai lhe ajudar a fazer definições futuras sobre o seu personagem.

Nas aulas presenciais eu costumo levar algumas publicações e até alguns arquivos e mostrar. Converso com a turma sobre algumas produções. Assim, alguns podem escolher pesquisar ou comprar uma produção que lhe desperta. Agora, como estamos em quarentena, não tenho o menor interesse em fazer vocês saírem de casa atrás de quadrinho.

ALGUNS TRABALHOS
Por isso antes de publicar a TERCEIRA PARTE do Módulo 1, vou fazer algumas postagens com sugestão de obras (quadrinhos e animes, alguns de acesso gratuito na web, outros não). Claro que alguns de vocês já devem ter personagens que gostam, e produções que acharam interessante. Então, para quem não faz uma leitura de quadrinhos ou não sente que conhece algum personagem o suficiente a ponto de falar sobre ele, de identificar características sociais e psicológicas deste, vale a pena ler o breve comentário e escolher algum(uns) trabalhos para ler ou assistir.
E se você costuma ler muito ou assistir muito apenas um tema, que tal se permitir conhecer algo que possa te interessar, de um estilo diferente do que está habituado?

:: Wilton Bernardo
+ Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
+ Criativo do Estúdio Laço Afro
+ Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia
http://www.lacoafro.com
@oficinahq
@lacoafro

15 de abril, Dia do Desenhista!

Parabéns Desenhistas!
É importante reconhecer a grande importância do desenhista numa sociedade capitalista, consumista e em constante mutação como a nossa!
O desenhista na sociedade moderna está onde? Não me canso de fazer essa provocação, para que possamos perceber que ele está em TUDO!

WORKSHOP VIRTUAL DE HQ
Já viram a primeira parte do MÓDULO 1, conteúdo referente ao WORKSHOP GRATUITO que estou oferecendo pra vocês?
Serão textos, imagens e vídeos, ok?

REPITO: O acesso ao conteúdo será livre, mas com inscrição você pode receber convites para uma videoconferência, por exemplo, receber algum material específico e também o certificado que será oferecido pelo Centro Universitário UniRuy|Wyden!

ATENÇÃO: Se ainda não se inscreveu, Veja a primeira postagem com descrição dos assuntos abordados por Módulo, e dados para inscrição por email. Abraço!

:: Wilton Bernardo
+ Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
+ Criativo do Estúdio Laço Afro
+ Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia

Parte 1: Novo ‘Coringa’ é aplaudido por 8 minutos em Veneza

02/09/2019
Após ser exibido em Veneza, nesta semana, o filme foi aplaudido por OITO MINUTOS consecutivos, aos gritos de “bravo!”.
Portanto, no que depender de quem já assistiu à première de “Coringa” (ou “Joker”, em inglês), novo filme da DC Comics em parceria com a Warner Bros., que conta a história de um dos principais vilões de “Batman” nos quadrinhos, o longa já conquistou seu lugar de destaque.

Com Joaquin Phoenix no papel do palhaço Arthur Fleck, nome original do vilão, “Coringa” tem direção e roteiro comandados por Todd Phillips, e vem recebendo elogios da crítica especializada, principalmente no que diz respeito à atuação de Phoenix. Segundo diretor e protagonista, o longa promete trazer uma abordagem bem diferente da que estamos acostumados a ver em filmes de super-heróis.
O filme está previsto para chegar aos cinemas brasileiros em 3 de outubro deste ano.

E até lá, além de uma surpresa(que revelarei no dia 8 de setembro), publicarei quantas matérias interessantes sobre o Coringa, eu encontrar ou produzir. Esta curta matéria que você acabou de ler foi publicada pelo MSN, mas antecipo o título com “Parte 1” para deixar claro que vai ter muito assunto sobre o Coringa por aqui. E é muito justo que tenha, concorda?!

——–|
OFICINA DE QUADRINHOS
E para quem gostaria de aprender as etapas de construção de uma história em Quadrinhos, como criação de personagens, desenvolvimento de história/ Roteiro, storyboard, Recursos Narrativos, Simbologia de cores, e muito mais, se liga: Estão abertas as inscrições para a Oficina de Quadrinhos que eu ministrarei em Salvador-BA, no Centro Universitário UniRuy, a partir de 14/09/19!
Informações: oficinahq@hotmail.com ou Zap (71)9305-9093.

Fonte: MSN, Oficina HQ

:: Wilton Bernardo
Artista visual graduado pela UFBA, Designer gráfico, produtor cultural e cartunista. O premiado empreendedor que também trabalhou como Diretor de Arte, realiza Oficinas de Quadrinhos e promove exposições coletivas com artes gráficas desde 2003
Site: http://www.wiltonbernardo.com
Instagram: @wilton_bernardo

HQ: Quanto vale a sua ideia?


VALORIZE SUA IDEIA. PESQUISE.
Consideremos o ponto de partida como A IDEIA INICIAL, certo? Aquilo que surge e toma toda a nossa atenção, nos mobiliza, nos empolga.
“quero criar um herói com poderes intuitivos”, ou “quero desenvolver uma história em Quadrinhos que fale sobre um trecho da história do Brasil”, ou “quero criar tirinhas que abordem o universo dos animais abandonados”, algum estímulo inicial precisa surgir, brotar de você.
Mas depois dessa ideia inicial, o que você faz com esse estímulo?
Você pode até não ter feito nenhuma história em Quadrinhos antes, mas você com certeza já teve várias ideias para realizar outras coisas. E eu vou te perguntar:
O que você fez com as ideias super interessantes que já teve?
Acho que vale uma reflexão, para poder perceber o que cada um de nós tem feito com as ideias que temos. Colecionamos? Guardamos todas em anotações e seguimos vivendo? Colocamos em prática, organizamos, desenvolvemos as ideias, pesquisamos , planejamos e as transformamos em realidade?

Quando pergunto “Quanto vale a sua ideia?”, na verdade o que desejo saber é: quão importante, interessante você considera a sua ideia? Que tipo ou tempo de pesquisa você tem dedicado a cada ideia interessante que você tem? E para a sua próxima ideia a ser materializada através da artes das histórias em Quadrinhos, que tempo pensa em dedicar à pesquisa? Ao desenvolvimento da sua ideia?
Ou você é daqueles que ao se deparar com uma ideia, corre prontamente para produzir, sem pesquisa, sem apuração de dados, sem análise de material levantado (se fez algum tipo de levantamento)?
Tudo que foi dito ou colocado como interrogações até aqui é para lhe alertar sobre o seguinte:

Na hora de construir sua história em quadrinhos, é importante demais você ter essa noção e entendimento: sem pesquisa, você corre o gigantesco e provável risco de ficar na superficialidade, ficar com construções genéricas, onde só resta ao leitor encontrar um material sem ineditismo, ainda que a ideia “pareça legal”. E pior: por não ter uma pesquisa que possibilite detalhes específicos, só restará ao leitor ficar no campo das comparações, com a sensação de estar acessando um conteúdo que se parece com outros já fartamente conhecidos.
Valorize sua ideia! Pesquise!
Assim, conseguirá desenvolvê-la, com o seu jeito, com seu DNA, com especificidades que diferenciam seus personagens e sua história de outras, ainda que tenha algo em comum.

:: Wilton Bernardo
– Coordenador da Oficina de Quadrinhos e Desenho “Oficina HQ” ( @oficinahq );
– Criador da marca Laço Afro ( @lacoafro );
– Artista visual, Designer Gráfico ( http://www.wiltonbernardo.com )

Desenho e originalidade


Quando você estiver desenhando, não tente encontrar em seu traço, em seu jeito de desenhar, semelhança com traços de outros desenhistas. Durante as Oficinas de Quadrinhos em que tenho realizado, vejo muitos alunos reclamarem de seus traços, como se buscassem uma validação, uma aprovação. Isso pode ser uma grande armadilha.

Claro que pode acontecer a percepção de uma influência, alguma semelhança, mas se isso acontece, o ideal é que não seja um resultado forçado. E se não há semelhança entre sua arte e a arte de Alex Ross, Frank Miller ou Flávio Luiz, não se desaponte, pois o que qualquer artista do traço quer é descobrir sua própria expressão, seu jeito, ou seja, seu estilo. Aceite a tão procurada, desejada originalidade.

Se este é seu traço, exercite ele! desenvolva ele! O único pecado que você não pode cometer é negá-lo!

:: Wilton Bernardo (@wilton_bernardo) é artista visual e Designer gráfico, criador da Ação Cultural Oficina HQ (@oficinahq) e criador da Marca Laço Afro (@lacoafro)
http://www.wiltonbernardo.com

Criação de Personagem e Direito Autoral – analisando o Superman


Hoje vou falar um pouco sobre criação de personagem e direito autoral. Esse é um assunto muito importante. Afinal, não basta ser criativo, talentoso. É importante entender o que lhe cabe, a importância de se criar um personagem e o que significa “um personagem” nos dias de hoje.
Um personagem nascido de um desenho, pode ganhar o mundo. Um mundo de suportes como cadernos, roupas, produtos decorativos, brinquedos, jogos, além de ser garoto propagada de inúmeras marcas, e ganhar telas de cinema. Não há limites para os personagens.

Aproveitando o clima das aulas da Oficina HQ sobre Criação de Personagem – acontecendo desde o sábado passado, 11/05/19, no Museu Carlos Costa Pinto para a garotada e no Centro Universitário UniRuy, para adolescentes e adultos, vamos abordar alguns personagens e seus criadores!
Por onde começar? Claro que começaremos por ele o Superman. Sabe por quê?

CRIADORES DO SUPERMAN
Segundo o Roberto Guedes, em sua matéria para a revista Mundo dos Super heróis, até junho de 1938 as revistas em quadrinhos não existiam de verdade, eram quase sempre apáticas republicações de tiras de jornal. Mas depois de Action Comics 1 em que estampava o Superman na capa – 1ª aparição do personagem -, artistas talentosos e diversos personagens que surgiram em seguida, ajudaram a criar uma indústria bilionária!
É claro que sem investimentos, não há retorno. Mas em terreno de gente que valoriza a criatividade e o talento, se dá a Cesar o que é de Cesar! Aqui, no Blog do Curso de Quadrinhos Oficina HQ, reverenciamos, sem sombra de dúvidas, os criadores do Superman: Jerry Siegel e Joe Shuster e reconhecemos que se por um lado, sem altos investimentos, não se lucra alto, por outro lado, sem criatividade, sem a criação, não se tem no que investir, afinal dinheiro se consegue, financiamentos, empréstimos, economia pode-se fazer, mas criar, amigos, vamos reconhecer, não tem como negociar isso. Principalmente numa sociedade como a que vivemos onde a capacidade de se reproduzir o que se cria é enorme, o valor de uma mente criativa, é inestimável.

DESENHISTAS DIVERSOS
Ed McGuinness, José Luis Garcia-López, Wayne Boring, John Byrne, Alex Ross, Frank Quitely, Dan Jurgens, Max Fleischer e Curt Swan. Sabe o que todos estes nomes têm em comum? Todos eles desenharam o Supermam, em algum período de sua longa trajetória. E não pense que citei todos! A lista é enorme!!!! Mas fiz questão de citar alguns nomes para chamar atenção a uma coisa que deveria ser óbvia, mas tenho visto que não é: O fato de dezenas de outros desenhistas terem trabalhado com o personagem, cada artista com seu estilo, seu traço, sua forma específica de produzir sua representação gráfica do personagem, não muda em absolutamente nada os direitos e créditos dos autores Jerry Siegel e Joe Shuster. É muito simples entender. Pense numa música criada por determinado artista. Muitos artitas poderão cantar esta mesma música, mas o autor, não continua sendo o mesmo? Pois bem! Uma vez autor, sempre autor.
A exploração comercial pode até ser negociada, mas o autor, jamais deixa de ser autor de uma obra que desenvolveu. Não esqueça jamais disso.

Confira abaixo algumas versões do Superman por diferentes artistas:

Superman por Alex Ross

Superman por Frank Quitely

Superman por Joe Shuster, co-criador do personagem, em parceria com Jerry Siegel

:: Wilton Bernardo (@wilton_bernardo) é artista visual, criador da Ação Cultural Oficina HQ (@oficinahq) e criador da Marca Laço Afro (@lacoafro)
http://www.wiltonbernardo.com