Juarez Paraíso ganha na Justiça R$ 100 mil de Tati Moreno


02/06/2019

Um dia depois de empossado na Academia de Letras da Bahia (ALB) como novo imortal, o artista plástico Juarez Paraíso, 85 anos, obteve outra vitória. Provou na Justiça que a belíssima sereia que adorna o lago do entorno do Condomínio Parque Interlagos, em Areias, litoral de Camaçari, é obra dele, e não de Tati Moreno, como todo mundo lá pensa e diz.

Tati Moreno, a quem se atribui a autoria dos orixás do Dique do Tororó, sempre se disse autor da obra. Assim o fez no livro A arte de Tati Moreno em livro (texto de Claudius Portugal), lançado em outubro de 2016 e em entrevistas na tevê.

A reação — O advogado Rodrigo Moraes, especialista em direitos autorais, conta que lá um dia Juarez foi a Interlagos fotografar sua sereia quando se surpreendeu com a informação: só com autorização do autor.

– Como? O autor sou eu.

– Não. Aqui todo mundo sabe que é o Tati Moreno.

Juarez acionou a Justiça e lá provou, com fotos da construção na Escola de Belas Artes da Ufba, onde foi professor e diretor, desenhos preliminares e afins, que o autor é ele.

Anteontem, a juíza Ana Karena Nobre, da 9ª Vara Cível, condenou Tati a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais, a publicar três vezes em jornal de grande circulação que a escultura Iemanjá, a sereia em apreço, é obra de Juarez Paraíso, e a colocar uma placa na obra dizendo quem é o verdadeiro autor.

Pegou mal para Tati.

MAIS SOBRE JUAZEZ PARAÍSO

Foto: Gilberto Junior
30/05/2019

O artista plástico e professor Juarez Paraíso, um dos nomes mais importantes da cultura baiana contemporânea, toma posse na cadeira número 39 da Academia de Letras da Bahia (ALB) nesta quinta-feira, 30, às 20h.
Paraíso ocupará a cadeira que pertencera, como último titular, ao escritor e professor Edivaldo Boaventura, falecido em agosto de 2018

Fonte: Jornal A TARDE | Colunista: Levi Vasconcelos

Fome de Poder X Fome de Justiça?

Com qual título vocês se identificam mais?
Os que me conhecem além do facebook não terão dúvida sobre meu posicionamento. Há grande possibilidade desse título estampar um livro e uma exposição que organizo carinhosamente sobre os trabalhos mais relevantes e de importância para mim, os quais desenvolvi desde que me graduei na Universidade Federal da Bahia. Costurando as obras, virão histórias sobre a feitura e utilização de cada trabalho, sua devida autorização para tal ou não e as consequências disso. Espero contar tudo, tudo tudo. E apesar de algumas histórias ainda não terem sido concluídas, eu já um belo enredo de filme, documentário ou noveja.
Infelizmente nessa trajetória há entre outras coisas, várias situações de desrespeito ao meu direito autoral. E eu, justamente eu, que durante as aulas de histórias em quadrinhos que ministro, sempre chamo muita atenção ao alunos sobre o cuidado que deve ter com suas autorias.
Mas a justiça será feita, em várias estâncias. Porque atuando na área de arte e comunicação, essas estâncias também terão uma resposta, não apenas a judicial.
#eunãotenhomedodebrigarpelosmeusdireitos #quemnãomeajudatambémnãovaimeatrapalhar #justiça #wilton_bernardo
:: Wilton Bernardo

Artistavisual e designer graduado pela Universidade Federal da Bahia; Idealizador da marca Laço Afro (@lacoafro) e da Oficina HQ (https://www.facebook.com/A%C3%A7%C3%A3o-Cultural-Oficina-HQ-186958778077722/)
*Imagem ilustrativa, repostada do “Blog da Biblioteca da Faculdade Municipal de Palhoça publicada em 13/maio/2016 – Bliblioteca FMP