Death Note de volta!

Death Note – Ryuk ressurge na capa da continuação

O capítulo inédito de Death Note ganhou sua capa oficial (via Crunchyroll). A ilustração, que estampa a edição de fevereiro da revista Jump SQ, mostra o shinigami Ryuk ao lado de um garoto misterioso e uma maçã.
O mangá Death Note, da dupla Tsugumi Oba e Takeshi Obata, foi publicado originalmente no Japão na revista mensal Shonen Jump entre 2003 e 2006, gerando depois 12 volumes encadernados, publicados no Brasil pela editora JBC, além de adaptações a outras mídias.

A publicação da Jump SQ, que contará com a nova história de Death Note, será lançada em 4 de fevereiro.

O QUE ESPERAR
Até o momento sabemos que o novo capítulo de Death Note terá quase 90 páginas e contará uma história ambientada anos depois do final do mangá original. Precisaremos esquecer de vez Light ou o detetive L, afinal a história mostrará o shinigami Ryuk deixando seu caderno macabro com outra pessoa. Criar uma história com novos personagens é uma boa saída para a série, afinal Death Note tem características capazes de permitir outras pessoas terem contato com o caderno da morte. Curiosamente, essa novidade na franquia não é a primeira história de Death Note não-protagonizada pelo Light ou pelo detetive L.

AS OUTRAS HISTÓRIAS DE DEATH NOTE
A primeira história ambientada no universo de Death Note é o capítulo-piloto, publicado originalmente em 2003 na revista Shonen Jump e posteriormente incorporado ao Death Note – How To Read (uma enciclopédia compilando dados e entrevistas com os artistas do mangá). Esse episódio teve uma repercussão muito positiva entre os leitores da Shonen Jump e por isso a série foi aprovada na revista (com algumas mudanças).
Nessa primeira história, Ryuk entregava o caderno da morte para uma criança de 13 anos, que usa os poderes do caderno acidentalmente por não saber que “death” significa morte em inglês. Essa primeira versão de Death Note era menos sinistra em comparação a oficial, até por ter um protagonista mais novo que o Light Yagami. A história ainda incluía um item “retirado” das histórias subsequentes: a death eraser, uma borracha capaz de apagar os nomes do Death Note e fazer com que as pessoas ressuscitassem. Na versão oficial, se o nome estiver escrito no caderno não tem mais jeito, já pode encomendar o caixão.
Já a segunda história ambientada no universo de Death Note foi um capítulo especial, considerado o 109º do mangá (que encerrou com 108 capítulos). Nele acompanhamos Near, o maior detetive vivo do planeta, precisando investigar um novo Kira. Esse capítulo extra foi lançado em 2008 como forma de promover o filme L: Change the World, ou seja, é repleto de cenas com L surgindo em flashbacks e, de certa forma, aconselhando Near a resolver o mistério.

Para acompanhar Death Note aqui no Brasil é muito fácil. A Netflix tem em seu catálogo o anime original, os três filmes japoneses e o (criticado) longa-metragem americano, tudo com opção de dublagem em português ou áudio original. Já o mangá foi publicado totalmente pela Editora JBC, que trouxe também o Death Note – How To Read e os livros. Ainda não há planos para a publicação do capítulo extra.

Fonte: Omelete.com.br

:: Wilton Bernardo
Coordenador e professor da Ação Cultural Oficina HQ
@oficinahq

HQ: Quanto vale a sua ideia?


VALORIZE SUA IDEIA. PESQUISE.
Consideremos o ponto de partida como A IDEIA INICIAL, certo? Aquilo que surge e toma toda a nossa atenção, nos mobiliza, nos empolga.
“quero criar um herói com poderes intuitivos”, ou “quero desenvolver uma história em Quadrinhos que fale sobre um trecho da história do Brasil”, ou “quero criar tirinhas que abordem o universo dos animais abandonados”, algum estímulo inicial precisa surgir, brotar de você.
Mas depois dessa ideia inicial, o que você faz com esse estímulo?
Você pode até não ter feito nenhuma história em Quadrinhos antes, mas você com certeza já teve várias ideias para realizar outras coisas. E eu vou te perguntar:
O que você fez com as ideias super interessantes que já teve?
Acho que vale uma reflexão, para poder perceber o que cada um de nós tem feito com as ideias que temos. Colecionamos? Guardamos todas em anotações e seguimos vivendo? Colocamos em prática, organizamos, desenvolvemos as ideias, pesquisamos , planejamos e as transformamos em realidade?

Quando pergunto “Quanto vale a sua ideia?”, na verdade o que desejo saber é: quão importante, interessante você considera a sua ideia? Que tipo ou tempo de pesquisa você tem dedicado a cada ideia interessante que você tem? E para a sua próxima ideia a ser materializada através da artes das histórias em Quadrinhos, que tempo pensa em dedicar à pesquisa? Ao desenvolvimento da sua ideia?
Ou você é daqueles que ao se deparar com uma ideia, corre prontamente para produzir, sem pesquisa, sem apuração de dados, sem análise de material levantado (se fez algum tipo de levantamento)?
Tudo que foi dito ou colocado como interrogações até aqui é para lhe alertar sobre o seguinte:

Na hora de construir sua história em quadrinhos, é importante demais você ter essa noção e entendimento: sem pesquisa, você corre o gigantesco e provável risco de ficar na superficialidade, ficar com construções genéricas, onde só resta ao leitor encontrar um material sem ineditismo, ainda que a ideia “pareça legal”. E pior: por não ter uma pesquisa que possibilite detalhes específicos, só restará ao leitor ficar no campo das comparações, com a sensação de estar acessando um conteúdo que se parece com outros já fartamente conhecidos.
Valorize sua ideia! Pesquise!
Assim, conseguirá desenvolvê-la, com o seu jeito, com seu DNA, com especificidades que diferenciam seus personagens e sua história de outras, ainda que tenha algo em comum.

:: Wilton Bernardo
– Coordenador da Oficina de Quadrinhos e Desenho “Oficina HQ” ( @oficinahq );
– Criador da marca Laço Afro ( @lacoafro );
– Artista visual, Designer Gráfico ( http://www.wiltonbernardo.com )

O desenho na infância

Esse assunto é tão importante que merece sim, uma publicação específica. Abordei esse assunto na palestra que realizei no dia Mundial do Desenhista – 15 de abril – no Centro Universitário UniRuy para um público formado por estudantes de Design Gráfico, Design de Produto, Design de Interiores e de Engenharia.
Eu acredito ser de enorme importância abordar esse assunto. Estamos o tempo todo lidando com crianças, sejam filhos, sobrinhos ou até mesmo vizinhos. Por isso é importante entender a importância dessa atividade: DESENHAR, na fase infantil, principalmente até os 4 anos de idade, onde a criança não domina a língua falada ou escrita.

FORMA DE REGISTRAR, ORGANIZAR, SE EXPRESSAR
Ainda que inconsciente, o desenho na infância ajuda a criança a organizar as idéias, a exercitar a imaginação, desenvolvimento da coordenação motora e expressar como está, registrar de sua forma as percepções do que está em sua volta.

EVITE INTERFERIR
Você está achando as garatujas – os riscos que as crianças fazem – feios e sem sentido? Guarde essa opinião para você. Poupe a criança de sua opinião. Ela está riscando demais e os traços saem dos limites? Não se preocupe, não limite até onde ela pode ir. Não interfira!
Quer ajudar? Elogie, incentive a criança a continuar desenhando.

RISCANDO PAREDES? RISCANDO SOFÁ?
Que tal ofereça a elas, como um presente, um caderno ou folhas de papel?
A interferência na produção de desenhos de uma criança pode causar bloqueios e com toda certeza, não é isso que você quer causar. Por isso respeite este momento, este espaço dela.

Por fim, esteja aberto e receptivo para ouvir e ver o que a criança quer lhe mostrar ou explicar, mas cuidado! Não insista para que ela explique, se não for de sua vontade o fazer. A arte nem sempre precisa ser explicada, e você não sabe que sentimentos ou sensações fizeram a criança produzir aquele desenho.

Fonte: A ilustração foi retirada de uma matéria do site novaescola.org.br
:: Wilton Bernardo (@wilton_bernardo) é artista visual, criador da Ação Cultural Oficina HQ (@oficinahq) e criador da Marca Laço Afro (@lacoafro)
http://www.wiltonbernardo.com

Coringa: filme mostrará a origem do vilão


Coloque um sorriso nessa cara! A Warner Bros divulgou nesta quarta-feira (3), o primeiro trailer de “Coringa”, filme que vai contar a história de Arthur Fleck antes de virar o vilão que nós conhecemos hoje. O longa é protagonizado por Joaquin Phoenix e chega aos cinemas no dia 3 de outubro deste ano.

Com aparência sombria, o trailer apresenta o Fleck como um jovem comediante que é constantemente humilhado — chegando até a ser agredido nas ruas. É quando ele vai se transformando no vilão das histórias em quadrinho. “É impressão minha ou está ficando cada vez mais louco lá fora?”, diz o personagem em uma das cenas do trailer.

Em um comunicado divulgado no ano passado, o estúdio afirma que “a história irá explorar um homem isolado pela sociedade, sendo não apenas um estudo de um personagem brutal, mas também um conto alarmante”.

O elenco ainda conta com nomes como Robert De Niro, Zazie Beetz (Deadpool 2), Bill Camp (Operação Red Sparrow, A Grande Jogada), Frances Conroy (American Horror Story, Castle Rock), Brett Cullen (42, Narcos), Glenn Fleshler (Billions, Barry), Douglas Hodge (Operação Red Sparrow, Penny Dreadful), Marc Maron (Maron, GLOW), Josh Pais (Motherless Brooklyn, Going in Style), e Shea Whigham (O Primeiro Homem, Kong: A Ilha da Caveira). O filme é dirigido, produzido e coescrito pelo indicado ao Oscar Todd Phillips.


O ATOR
Joaquin Rafael Phoenix, anteriormente creditado como Leaf Phoenix, é um ator e cantor estadunidense. Ele nasceu em Porto Rico onde viveu até os quatro anos de idade. Sua família retornou para os Estados Unidos onde ele foi criado. Na vasta lista de filmes em que trabalhou, não se pode deixar de citar Gladiador, Hotel Ruanda, Ela, Johnny & June, entre outros.

Fonte: Site: Adoro Cinema

Entenda seu traço, aceite sua originalidade!


Entenda seu traço, aceite sua originalidade!

Fazendo uma pesquisa de desenhos, acabei encontrando esta ilustração de São Jorge feita por mim para estampar em camisetas. Resolvi aproveitar pra escrever uma dica sobre desenho para vocês!
Muitas pessoas demonstram insegurança sobre ter o desenho adequado ou não para fazer quadrinhos. Eu arrisco dizer que essa dúvida se dá quando ficamos muito acostumados a ver trabalhos de poucos artistas. E quando partimos para experimentarmos nos expressar com a artes do desenho, possivelmente (provavelmente fica mais adequado) nos deparamos com um traço (nosso traço) diferente dos tão famosos e consagrados, dos autores ou artistas que estampam famosas publicações ou grandes obras (não necessariamente em revistas em quadrinhos, mas em quadros, capas de revistas diversas, embalagens etc). Quanto mais vemos desenhos considerados “bonitos”, mais nosso grau de exigência cresce. De certa forma, num primeiro momento, é compreensível. Mas há 2 coisas que eu faço questão de ressaltar:

1) Fique feliz se você vê no seu desenho, um traço diferente dos outros que tanto já viu. Isso pode significar originalidade, sua expressão, sua identidade, e isso é precioso. Cabe a você conhecer mais esse seu traço, experimentar variações de espessuras dos grafites, das canetas de finalização, se elas te interessar, enfim, experimentar os materiais, e seguir testando como seu traço funciona e como se faz comunicar com os variados materiais. Experimente. Não queria fazer um único desenho e achar que já finalizou e já decidiu como vai ser seu personagem, a forma de finalizar uma história em quadrinhos. Não, não, não!

2) Exercite o desenho de observação. Ele lhe fará perceber as formas das coisas, as composições, se você se permitir realmente observar as formas, e buscar sempre nas formas geométricas, as bases de construção, sejam na imaginação ou realmente desenhando as formas, como uma maneira de construir algo maior. Sim, as formas geométricas podem te auxiliar e serem seus melhores amigos no que diz respeito a construção de desenho.

# Wilton Bernardo
Professor da Oficina HQ, Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro
@oficinahq

Inscrições abertas para curso de quadrinhos com Wilton Bernardo


A Oficina HQ, comandada pelo artista visual Wilton Bernardo, está com inscrições abertas para a formação das turmas do seu reconhecido curso de quadrinhos. Previstas para iniciar em 6 de abril, as aulas acontecem no Museu Carlos Costa Pinto e no Centro Universitário UniRuy, instituições parceiras do projeto que contempla adultos e crianças a partir de 8 anos de idade.
“São 16 anos à frente dessa iniciativa e, nesta edição, uma das novidades é para a turma das crianças entre 8 e 12 anos. Agora, além de desenhar e criar personagens, haverá um leque de conteúdos e atividades que estimularão a leitura, a produção textual e maior entendimento sobre os recursos narrativos para que, de forma lúdica, os alunos experimentem a construção de uma história em quadrinhos” explica Wilton. São 8 encontros que acontecem no Museu Carlos Costa Pinto, sempre nos sábados à tarde, das 15h às 17h.

Já para os adolescentes (a partir de 14 anos) e adultos serão 12 aulas, todas no Centro Universitário UniRuy e também aos sábados, porém pela manhã. Nessa turma o que há de novo é o conteúdo de introdução à pintura digital com Photoshop e tablet em 3 encontros, além de recursos narrativos, roteiro, storyboard, storyline, desenho, simbologia de cores e criação de personagens.
Os interessados em fazer a inscrição ou saber mais informações sobre o curso, podem entrar em contato através do telefone (71) 99305- 9093, do Instagram @oficinahq ou pelo e-mail oficinahq@hotmail.com.

OS PARCEIROS
A Centro Universitário UniRuy busca em sua essência empoderar seus alunos para alcançarem seus objetivos de carreira e pessoais. Pensando nisso a coordenação dos cursos de Publicidade e Propaganda, Design Gráfico, Design de Produto e Design de Interiores da Ruy se unem no apoio a este projeto através do coordenador e professor José Wilker M. Araújo (email: Jose.araujo@frb.edu.br).

O Museu Carlos Costa Pinto reúne no seu acervo de artes decorativas, dos séculos XVII ao início do XX, um verdadeiro testemunho dos valores artísticos e culturais da Bahia Colonial e Imperial. Além da exposição do seu inestimável acervo, promove exposições temporárias, desenvolve intensa programação cultural e possui um atuante serviço educativo, realizando visitas orientadas e oficinas de arte para estudantes e grupos diversos (email: educativo@museucostapinto.com.br)

Serviço: Curso de Quadrinhos

a) Turma do Centro Universitário UniRuy: para adolescentes(a partir de 14 anos) e adultos
Local: Avenida Luis Viana Filho, 3.230, Paralela, Salvador-BA
Horário: 9:30h às 11:30h
Período: 06/04 a 22/06/2019 (12 encontros)
Investimento: R$ 3 x R$ 280 ou 1 x R$ 840

b) Turma do Museu Carlos Costa Pinto: para crianças de 8 a 12 anos
Local: Museu Carlos Costa Pinto, Corredor da Vitória, Salvador-BA
Horário: 15h às 17h
Período: 06/04 a 25/05/2019 (8 encontros)
Investimento: R$ 2 x R$ 250 ou 1 x R$500

Informações e inscrições:
Tel e zap: 71 99305-9093 (Wilton Bernardo)
Instagram: @oficinahq
Email: oficinahq@hotmail.com
Blog:oficinahq.wordpress.com

Desafio de HQ: ter aventura e conteúdo sem ser chato


Um dos maiores desafio para a publicação de Dona Dedé “Bela, recatada e do lar é conseguir ter um conteúdo que faça jus ao que a personagem se tornou e consequentemente a fez conseguir mais de 7 mil curtidas na página do facebook, 1.500 curtidas e mais de 1 mil compartilhamentos com apenas 1 POST!
Nas tiras, é mais fácil manter o tom crítico-sem-ser-chato-e-moralista. A história em quadrinhos longa é o maior desafio, pois é exatamente onde existe um movimento e ação maior. O ápice da aventura acontecerá na feira de São Joaquim, uma tradicional e enorme feira que existe em Salvador, onde não vai ficar fruta sobre fruta..rsrs
A previsão de lançamento é para outubro/2017.

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual; Professor do Curso de Quadrinhos Oficina HQ; designer idealizador da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | http://www.oficinahq.wordpress.com
Email: wiltonbernardo@hotmail.com

HQ de Dona Dedé já tem título: “Bela, Recatada e do Lar”


Amigos, quanto ao título, não tenho dúvidas: “Bela, recatada e do lar”. Quanto a cor do fundo, ainda não sei. Estou aberto a opiniões, ok?
Acho que o título dá o tom do que é o personagem e do que vem nas tiras provocativas, porém leves, e na história com aventura e diversão para crianças de todas as idades : P
Mas o desenho está sendo refeito, e Dona Dedé terá um Black Power massa!

AUTOR & PROFESSOR DE QUADRINHOS
No dia 22 de julho estarei iniciando uma nova torna da Oficina de Quadrinhos como Curso de Extensão na Faculdade Ruy Barbosa (Rio Vermelho, Salvador-BA). Como estou imbuído de finalizar essa produção, vou dividir com os alunos muita coisa que estou planejando, como suportes de comercialização, impressão sob demanda, e-pub, streaming, Social Comics, Clube de autores (comercialização) além da produção, do desenho, da revisão de características, do roteiro. Vai ser muito bacana essa edição da Oficina de Quadrinhos porque além de todo o conteúdo didático e abordagens já definidas, eu terei algo em acabamento muito presente e atual para mostrar e falarmos sobre.
Para quem quiser saber sobre a Oficina, é só acessar: http://wiltonbernardo.com/oficinas-2/

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual; Professor do Curso de Quadrinhos Oficina HQ; designer idealizador da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | http://www.oficinahq.wordpress.com
Email: wiltonbernardo@hotmail.com

Professor de Quadrinhos vai lançar HQ de “Dona Dedé” em outubro

Quadrinhos originais que estão sendo redesenhados para lançamento em outubro/2017


Projetos, Projetos e projetos! São tantas idéias, tantas coisas por fazer, mas Entre tantos temas, de orixás a Freud, eu vou cantarolar “antiguidade é posto” e Quem sai do forno primeiro será Dona Dedé. A personagem nasceu de uma maneira super despretensiosa há anos atrás quando fui aluno de Gutemberg Cruz num curso sobre a História dos Quadrinhos. Foi uma delícia ter participado. Além de ter conhecido uma galera super bacana, eu criei Dona Dedé.

DONA DEDÉ – A PERSONAGEM
Se passaram anos, e a personagem que inicialmente queria se aventurar e pilotar sua própria vida, aventuras e desventuras, com a mesma força que seu esposo esperava que ela pilotasse apenas o fogão ganhou novos sonhos, e aprendeu a questionar mais. Mais de uma década de criada, Dona Dedé está de frente com as Redes Sociais que lhe joga na cara a violência física, verbal, o desrespeito que praticamente anda conosco lado a lado.

Tira de Dona Dedé, personagem de Wilton Bernardo que questiona o comportamento, e tenta se encontrar, de forma leve e despretensionsa


TIRAS E HISTÓRIA PRONTA
Várias tiras e 2 histórias prontas é o que vai servir de conteúdo para sua primeira publicação, planejada para ser lançada em outubro. Como as tiras e uma das histórias em quadrinhos – sobre “descobrimento do Brasil” – tem um roteiro muito antigo bem como os desenhos, o trabalho é refazer. Será uma nova versão ainda que a história seja inédita. Nunca foi lançada mas terá uma versão mais legal. Nos desenhos atuais a personagem tem um black Power e Nina, sua melhor amiga, não será empregada doméstica, como era originalmente. “Que os personagens negros possam assumir outros papéis menos óbvios, menos lugar comum”.

PÚBLICO ALVO
Sinceramente, apesar de saber que muitas mulheres têm curtido a página de Dona Dedé no Facebook (https://www.facebook.com/Rodouabaiana/) acho que crianças (independente de serem do sexo masculino ou feminino) e homens poderão curtir a personagem. No fundo é uma incógnita, mas ela há de conquistar seus “amigos”. No facebook já tem mais de 7 mil admiradores, o que não é nada mal pra começar.

AUTOR & PROFESSOR DE QUADRINHOS
No dia 22 estarei iniciando uma nova torna da Oficina de Quadrinhos como Curso de Extensão na Faculdade Ruy Barbosa (Rio Vermelho, Salvador-BA). Como estou imbuído de finalizar essa produção, vou dividir com os alunos muita coisa que estou planejando, como suportes de comercialização, impressão sob demanda, e-pub, streaming, Social Comics, Clube de autores (comercialização) além da produção, do desenho, da revisão de características, do roteiro. Vai ser muito bacana essa edição da Oficina de Quadrinhos porque além de todo o conteúdo didático e abordagens já definidas, eu terei algo em acabamento muito presente e atual para mostrar e falarmos sobre.
Para quem quiser saber sobre a Oficina, é só acessar: http://wiltonbernardo.com/oficinas-2/

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual; Professor do Curso de Quadrinhos Oficina HQ; designer idealizador da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | http://www.oficinahq.wordpress.com
Email: wiltonbernardo@hotmail.com

Que tal, uma nova história em Quadrinhos?

A construção de uma HQ será abordada durante 8 sábados na próxima Oficina de Quadrinhos, que o artista visual Wilton Bernardo realizará no Ateliê da faculdade Ruy Barbosa.
Os alunos aprenderão, de forma teórica e prática, sobre criação de personagem, roteiro, desenho e todas as outras etapas que fazem parte da construção de uma HQ, com carga horária de 16h.

Podem se inscrever: estudantes (a partir de 12 anos) e profissionais de diversas áreas interessados em aprender mais sobre produção, reflexões, pesquisas, e perguntas que precisam ser respondidas para se construir uma História em Quadrinhos. Assuntos como mercado, produção autoral, direitos autorais, bem como dicas de espaços para expor/comercializar seus trabalhos de forma independente, serão pautas importantes dentro e fora da sala, durante os 2 meses de convívio.

Wilton Bernardo é graduado em artes Visuais, estudou cursos específicos sobre a narrativa dos quadrinhos e tem no currículo diversos trabalhos nas áreas de artes e design – criou personagens e ilustrou primeiro livro infantil lançado pelo cantor Carlinhos Brown(2012); criou uma marca (Laço Afro) que produz peças de design com ilustrações autorais acerca da temática afro-brasileira, desenvolveu diversos souveniers para as Obras Sociais Irmã Dulce e criou a marca Oficina HQ através da qual realiza Oficinas de Quadrinhos e de Desenho desde 2003. Também já ganhou vários prêmios como diretor de artes e ilustrador. Já aos 10 anos Wilton Bernardo ganhou seu primeiro de vários outros prêmios, realizando o sonho de passar 15 dias nos estados Unidos, conhecendo os grandes parques da Disney e uma bolsa para estudar numa escola particular sem prazo de validade, quando retornasse ao Brasil.

A Faculdade DeVry Ruy Barbosa busca em sua essência empoderar seus alunos para alcançarem seus objetivos de carreira e pessoais. Pensando nisso a coordenação dos cursos de Publicidade e Propaganda, Design Gráfico, Design de Produto e Design de Interiores da Ruy se unem no apoio a este projeto através do coordenador e professor José Wilker M. Araújo (whatsapp (71) 9 9224-0746, e-mail: jaraujo8@frb.edu.br).

Serviço:

Oficina de Quadrinhos (para adolescentes e adultos)
Local: Faculdade Ruy Barbosa – 422, Rua Theodomiro Baptista – Rio Vermelho, Salvador-BA
Horário: 9:30 às 11:30h
Período: 22/julho a 9/setembro (8 sábados)
Investimento: 2 x R$ 225
Informações e inscrições: (71) 9 9305-9093(tim/whatsapp de Wilton Bernardo), oficinahq@hotmail.com (e-mail)