Da experiência que tive como aluno da Oficina de Quadrinhos

Por Victor Diomondes, que fez a oficina entre setembro e outubro de 2016

Com seu jeito bastante contido, diria até mesmo tímido, o professor Wilton Bernardo consegue enganar desavisados. Por trás dos óculos do Clark Kent, sempre há de haver um Superman, conquanto se esteja disposto a realizar feitos heroicos. E certamente os feitos desse artista visual é produzir quadrinhos, e principalmente, ensinar quadrinhos.

No geral já é bastante complicado produzir arte tanto no país quanto em nosso estado. Mas nossa Bahia e sua capital carecem de uma formação voltada para essa linguagem. Sim, quadrinhos é linguagem, meio de expressão, válido para se dizer sentimentos e pensamentos, para se educar e até mesmo para se vender algo, por que não? Essa foi uma das primeiras questões abordadas por Wilton em suas aulas. A forma como ele transmite as lições, sempre baseadas em um diálogo direto e franco com seus alunos é louvável. Ele poderia sim, com base em seus 13 anos de atuação na Ação Cultural Oficina HQ e mais tantos como profissional da área, falar bastante. Mas seu método de levantar diálogos sobre algum tema da realização de quadrinhos, passando referências visuais, conversando e provocando questionamentos é bem mais interessante. E com certeza ele é habilidoso nas provocações que faz, já aí surpreendendo. Não as faz de qualquer jeito, é possível se ver onde ele quer chegar, e até lá, o debate permite que cada aluno exponha suas próprias concepções, havendo um compartilhamento de ideias. Essa forma meio socrática de fazer as coisas é bem mais interessante. O aluno é, nessa Oficina de Quadrinhos, um ser ativo, e Wilton, como professor, lida com cada um como se fosse criador. O aluno não está ali só para receber um conteúdo e aplicar as lições através de um produto. Senti nas aulas do professor que ele lidava conosco como se fossemos artistas, e que tinham o que dizer.

Atravessando o conteúdo do curso, pudemos conhecer as estruturas narrativas, receber dicas e acompanhamento quanto aos nossos desenhos, e principalmente, criarmos. O foco de Wilton – e isso ele dizia com todas as letras – era o aprendizado e não necessariamente o resultado. Assim sendo, não tínhamos que ter um quadrinho totalmente pronto, mas tínhamos que ter passado pelas etapas da construção de um quadrinho. Pudemos analisar outros quadrinhos e conversarmos sobre. Isso sem dúvida era uma delícia, uma oportunidade de falarmos sobre nossas referências pop, nossos personagens prediletos, nossas críticas quanto a outros quadrinhos, séries e cinema, uma vez que cada uma dessas artes usa a narrativa. Bem, hoje em dia quando leio uma história em quadrinhos ou mesmo quando assisto um filme, série e espetáculo de teatro, não os vejo mais do mesmo jeito.

Entre papos e pratica, produzi uma série de desenhos que fiz para exercitar minha habilidade e esboços de roteiro para uma HQ. Com isso pude ter uma base firme e duradoura para produzir quadrinhos – agora a questão é fazer, né? 😛 Certamente os resultados quanto ao meu traço foram notórios, senti a diferença. O estilo de aula empreendido por Wilton Bernardo permitiu que eu pudesse a um só tempo desenvolver minhas habilidades e construísse junto aos outros alunos e ao professor um conhecimento sobre quadrinhos. Isso é algo valioso, ainda mais se pensarmos que as vezes encontramos métodos de ensino pouco abertos à conversa.

É bom que eu avise: não se pode dizer que o professor dessa oficina não preparou seus alunos para o cenário profissional. Como atuante da área, trabalhando na criação de material para jornais, empresas e até mesmo para outros artistas da cidade, ele nos forneceu dicas e partilhou experiências valiosas no trato do quadrinho e da atividade criativa como profissão. Uma das lições mais bem vindas foi quanto ao campo dos direitos autorais, que Wilton fez questão de transmitir de forma bem completa. Para que o leitor saiba mais sobre, ora bolas, vá lá e procure se inscrever na Oficina de Quadrinhos.

Meus mais profundos agradecimentos a Wilton, que além de grande artista é um educador de mão cheia, e a minha turma da Oficina de Quadrinhos que muito me ensinou a cada papo sobre HQ, Marvel, DC, Scott Pilgrim séries e arte. E todos desenham maravilhosamente bem.

Victor Diomondes é formado em Licenciatura em Teatro pela UFBA. É arte-educador, ilustrador e ator, integrante do Coletivo Saladistar Produções e Núcleo Viansatã de Investigação Cênica.

Anúncios

Mãe síria em cidade sitiada é mais nova super-heroína da Marvel

mae-siria
A ABC News e a Marvel Comics se uniram para encontrar outra maneira de ajudar o mundo a ver a realidade devastadora da vida sob cerco.
Sitiada pelo governo sírio por dois anos, a cidade de Madaya teve pouco contato com o mundo externo. Se os comboios de ajuda têm dificuldade para acessar o local, para os cinegrafistas é praticamente impossível.

Assim, a ABC News e a Marvel Comics, conhecida por seus super-heróis musculosos, se uniram para encontrar outra maneira de ajudar o mundo a ver a realidade devastadora da vida sob cerco.

Jornalistas da ABC estiveram em contato com uma mulher vivendo em Madaya – uma cidade de cerca de 40.000 habitantes, perto da fronteira com o Líbano – que relatou em uma série de posts de blog sua luta para sobreviver às condições adversas provocadas pela guerra civil na Síria, que já dura mais de cinco anos.

As duas empresas criaram uma história em quadrinhos digital baseada nos relatos anônimos da jovem mãe de cinco filhos – uma maneira de tentar demonstrar os horrores aos que as suas câmeras não têm acesso.

Em vez de sangrentos, os quadrinhos ilustrados são de partir o coração. Combinados com as palavras fortes da mãe – mantida em anonimato para proteger a segurança da sua família – eles falam sobre as graves dificuldades que as famílias encurraladas estão sofrendo.

Desde que Madaya ficou sob cerco total, em meados de 2015, mais de 60 pessoas morreram de fome e desnutrição.

“Nossos corpos não estão mais acostumados a comer”, diz um quadrinho. “Meus filhos estão com fome, mas estão ficando doentes, com fortes dores estomacais causadas pela comida porque seus corpos não são capazes de digerir e absorver a comida, porque estiveram com fome por tanto tempo”.

Sem sensacionalismo

O artista Dalibor Talajic disse que fez uma tentativa consciente de evitar cair no sensacional.

“Eu não queria fazer uma história em quadrinhos de guerra”, disse o artista croata – que viveu durante a dissolução da Iugoslávia, em 1991. “Eu queria fazer uma história em quadrinhos com um ponto de vista civil, onde você é realmente impotente”.

“Você não pode fazer nada. Você está apenas esperando que isso passe ou que você morra”, acrescentou.

Até agora, Talajic era mais conhecido pelo seu trabalho em Deadpool, uma história em quadrinhos sobre anti-heróis que protagonizaram um filme homônimo no início deste ano.

O ilustrador disse que ele “não é um artista típico da Marvel, onde tudo tem que ser maior que a vida”, preferindo em vez disso permanecer ancorado na realidade. “Eu sempre tento manter as coisas mais familiares, mais no chão, mais prováveis”.

Mas tentar transmitir a o dia a dia sombrio de sírios sitiados sem sensacionalismo não foi uma tarefa fácil.

“Foi um desafio”, disse Talajic, observando que ele nunca viu fotos da jovem mãe ou da família. “Eu estava no fio da navalha, na linha tênue para não explorar o sofrimento de alguém.”

Nos quadrinhos, a brutalidade da vida cotidiana sob cerco é ocasionalmente quebrada com relatos de momentos de convívio e de pequenos prazeres roubados.

Por exemplo, após um longo período fechada, a escola reabriu, para a felicidade das filhas da “mãe de Madaya”. Pouco depois, o local é atingido por uma bomba que destrói vários de seus companheiros perante os seus olhos.

“Esta é uma mãe, mas é todas as mães”, disse Talajic. “É uma família, mas são todas as famílias”.

Esta não é a primeira incursão da Marvel em heróis da vida real: a empresa de gibis já retratou o Papa João Paulo II, São Francisco de Assis e a Madre Teresa.

A ABC conseguiu entregar algumas das ilustrações de Talajic para a mãe. “Ela achou que ele acertou em cheio as características das pessoas, a atmosfera, a cidade”, disse o produtor da ABC News Rym Momtaz.

“Se um dia ela conseguir sair”, disse Talajic, “os desenhos irão para ela.”

Fonte: Revista Exame

quadrinhos-faculdade-ruy-barbosa

Marcelo Campos lança Talvez Isso

talvez_isso_Marcelo_campos

Marcelo Campos foi um dos primeiros quadrinhistas brasileiros a desenhar os super-heróis de grandes editoras como Marvel e DC Comics, em meados da década de 1980.
Mas ele também fez sua jornada por um universo mais filosófico e introspectivo nas tiras da série Talvez Isso, que chegou a ser lançada em um álbum (formato 10 x 21, 144 páginas) da editora Casa 21, em 2007. Estão ali somadas as experiências marcantes vividas pelo próprio autor em determinadas fases de sua vida.
Agora, o material ganha uma republicação pela editora SESI-SP, num novo formato (21 x 29,5 cm, 92 páginas, R$ 32,00), e terá evento de lançamento e exposição no dia 20 de agosto, na Quanta Academia de Artes (Rua Dr. José de Queirós Aranha, 246 – Vila Mariana), em São Paulo/SP, a partir das 17 horas.

Fonte: site Universo HQ

banner-virtual-HQ

Uma jovem mulher negra é agora a personagem mais inteligente do universo da Marvel

Afinal, um pouco de representatividade não faz mal a ninguém! No domingo, a Marvel anunciou na Comic-Con de San Diego, Califórnia, a super-heroína mais inteligente do time: Lunella Lafayette. Aos 9 anos de idade a nova iorquina é a mais nova estrela dos quadrinhos que estreia a série Moon Girl and Devil Dinosaur (garota da lua e dinossauro do demônio, em tradução livre). Vem saber mais sobre essa história que a gente mal conhece mas já considera pakas!

A história foi escrita por Brandon Montclare Amy Reeder, revendo uma série dos clássico de dinossauros, transportando o T. Rex a moderna cidade de Nova York e substituindo seu amigo homem das cavernas por uma menina como Lunella, uma super gênio e portadora do genes não humanos.

TEM MAIS!
Mark Paniccia, um editor sênior da Marvel, confirmou para o BuzzFeed News que sempre houve um debate entre super-gênios e super-inteligentes. E que essa garotinha chegou para chocar a todos com suas habilidades.

“No terceiro arco de Moon Girl and Devil Dinosaur, Lunella enfrenta um desafio impossível de ciência que não só poderá provar a sua inteligência, mas também salvar o mundo. Ela também vai vai contar com alguns convidados, como grandes nomes da Marvel, como Hulk, Dr. Strange, os X-Men, The Thing e muito mais. “

Fonte: CEERT – Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade

A Disney é dona de tudo que você vai ver no cinema nos próximos anos

Walt_disney_pictures

Animados com o segundo filme dos Vingadores, com o filme do Homem Formiga e com toda a fase 3 da Marvel que começará no ano que vem? E com a volta de Guerra nas Estrelas ao cinema, que ressuscita com não apenas uma nova trilogia mas também uma nova grife para lançar filmes desconectado da saga dos Skywalker? E com a futura adaptação para o clássico anime Ghost in the Shell? O próximo Alice no País das Maravilhas ou o próximo Piratas do Caribe? A continuação de Nemo? O próximo filme do Spielberg com o Tom Hanks? O novo Toy Story?

Disney, Disney, Disney. Disney, Disney. Disney. Disney, Disney. Disney. Disney. A maioria dos filmes que você vai assistir nos próximos anos é de propriedade pela casa de Walt Disney. Marvel, Lucasfilm e Pixar são apenas algumas marcas sob as orelhas pretas do rato corporativo mais famoso do mundo.

A imagem acima (twittada pela repórter Christina Warren) mostra a previsão de lançamentos que a empresa anunciou na CinemaCon, convenção de cinema realizada esta semana em Las Vegas, nos EUA. Disseco-a abaixo, com os meses de previsão de lançamento nos EUA:

• Vingadores – A Era de Ultron – maio de 2015
• Tomorrowland – maio de 2015
• Divertida Mente – junho de 2015
• Homem-Forminga – julho de 2015
• Ponte de Espiões – outubro de 2015
• O Bom Dinossauro – novembro de 2015
• Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força – dezembro de 2015
• Os Melhores Momentos – janeiro de 2016
• Zootopia – março de 2016
• O Livro da Selva – abril de 2016
• Capitão América: Guerra Civil – maio de 2016
• Alice no País das Maravilhas: Através do Espelho – maio de 2016
• Procurando Dory – junho de 2016
• The BFG – julho de 2016
• Meu Amigo o Dragão – agosto de 2016
• Doutor Estranho – novembro de 2016
• Moana – novembro de 2016
• Star Wars Anthology: Rogue One – dezembro de 2016
• A Bela e a Fera – março de 2017
• Ghost in the Shell – abril de 2017
• Guardiões da Galáxia 2 – maio de 2017
• Star Wars: Episode VIII – maio de 2017
• Toy Story 4 – junho de 2017
• Piratas do Caribe: Mortos Não Contam Histórias – julho de 2017
disney-2015-2017

E além destes, ainda há projetos já anunciados até 2019:

• Thor: Ragnarok – novembro de 2017
• Animação da Pixar ainda sem título – novembro de 2017
• Animação da Disney ainda sem título – março de 2018
• Vingadores: Guerra Infinita Parte 1 – abril de 2018
• Animação da Pixar ainda sem título – junho de 2018
• Pantera Negra – julho de 2018
• Capitã Marvel – novembro de 2018
• Animação da Disney ainda sem título – novembro de 2018
• Vingadores: Guerra Infinita Parte 2 – maio de 2019
• Inumanos – julho de 2019

São mais de trinta filmes e com certeza você cogitará assistir à maioria, seja em pré-estreias, na fila pra comprar ingresso no cinema ou quando estrear na TV por assinatura. De um jeito ou de outro, é dinheiro indo pra Disney.

O problema da Disney é que eles praticamente não investem em novas franquias, preferindo apostar em histórias e personagens conhecidos do grande público. Por isso a imensa maioria dos filmes é composta por continuações, remakes e adaptações.

Novo clipe do filme Wolverine – Imortal

Wolverine

A 20th Century Fox divulgou um novo clipe de The Wolverine (Wolverine – Imortal, no Brasil), que havia sido exibido em abril, na CinemaCon, a convenção dos distribuidores de filmes e proprietários de cinemas.

O teaser tem apenas 57 segundos, mas inclui algumas cenas inéditas, como a que mostra o visual do Samurai de Prata, interpretado por Will Yun Lee.

The Wolverine foi dirigido por James Mangold. Estão no elenco Hugh Jackman (Wolverine), Famke Janssen (Jean Grey), Svetlana Khodchenkova (Viper), Tao Okamoto (Mariko Yashida), Rila Fukushima (Yukio), Hal Yamanouchi (Yashida), Hiroyuki Sanada (Shingen Yashida) e Brian Tee.

A estreia ocorrerá no próximo dia 26 de julho. Assista abaixo ao novo clipe.

Fpnte: universohq

Publicidade :

banner_oficina_hq_abril_2013

Homem de ferro 3 tem versão diferenciada na China

homem de ferro 3

Um comunicado oficial afirma que a versão chinesa terá cenas com a popular atriz Fan Bingbing, além de imagens exclusivas para o público local.

Um comunicado surpreendente foi apresentado hoje pela Marvel, a respeito do lançamento de Homem de Ferro 3. Os produtores afirmaram que o filme terá duas versões, uma para a China, e outra para o resto do mundo. A versão chinesa vai apresentar “cenas bônus” filmadas especificamente para o público local (gravadas em território chinês), além da participação de Fan Bingbing, uma das atrizes mais populares em seu país de origem. A intenção dos produtores é garantir o sucesso da produção no gigantesco mercado de cinema chinês.

Vale lembrar que outra superprodução de Hollywood também convidou Fan Bingbing para o elenco. Trata-se do ainda inédito X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, outro filme de super-heróis cujos produtores estão atentos ao mercado asiático. O ator chinês Xueqi Wang (foto acima), que já havia sido anunciado anteriormente no elenco de Homem de Ferro 3, estará presente nas duas versões da história. Quem sabe as cenas chinesas não entram em alguma edição de colecionador do DVD? De qualquer modo, Homem de Ferro 3 chega aos cinemas dia 26 de abril.

O que acha desse privilégio reservado aos espectadores chineses?

Fonte: AdoroCinema – Deadline

Publicidade:

banner_oficina_hq_abril_2013

Marvel anunciou nova revista do Demolidor

Demolidor

A Marvel Comics anunciou uma nova revista do Demolidor. O primeiro volume será publicado em junho.

Daredevil – Dark Nights será uma antologia de oito edições e contará três histórias. O título suplementará a revista de Mark Waid e Chris Samnee.

O primeiro arco terá enredo e roteiros de Lee Weeks, que já trabalhou com o personagem no início da década de 1990. Ele é conhecido por sua passagem na revistas Gambit e nas minisséries Tarzan vs. Predator e Spider-Man – Death and Destiny.

Fonte: Universo HQ

Vem ai mais uma do Super-herói da Marvel: Homem de Ferro 3

Homem-de-Ferro
Com Robert Downey Jr. e Gwyneth Paltrow no elenco, o filme “Homem de Ferro 3”, baseado no super-herói da Marvel, fala sobre Tony Stark (o Homem de Ferro), que é um industrial arrogante e brilhante que luta contra um inimigo sem limites. A estreia está prevista para 26 de abril
Fonte: Folha de São Paulo

Marvel venderá quadrinhos digitais em diferentes idiomas

A Marvel Comics anunciou uma parceria exclusiva com a iVerse para vender quadrinhos digitais em diferentes idiomas ao redor do mundo, por meio do aplicativo ComicsPlus. Serão disponibilizadas edições simples e encadernados em várias línguas, além do inglês.

Para as HQs digitais em inglês, além da iVerse, a editora continuará usando a plataforma comiXology.

O acordo é válido para vários anos e reforça a posição da Marvel como uma marca global de conteúdo voltado para o entretenimento. O objetivo é disponibilizar seus personagens e histórias para o maior público possível.

Os primeiros títulos serão disponibilizados no final deste ano.

“A Marvel e a iVerse reconhecem a oportunidade global de expandir suas publicações para os fãs do mundo inteiro. Essa parceria nos permitirá introduzir a rica e vasta história da editora para novos públicos que querem conhecer mais sobre os Vingadores, Homem-Aranha, Wolverine e outros perosnagens em seus idiomas nativos”, declarou Peter Philips, vice-presidente e gerente da Marvel Digital Media Group.

Ainda resta saber como, exatamente, isso funcionará, em quais idiomas os quadrinhos da Marvel serão distribuídos pelo aplicativo, com que frequência as novas línguas serão incluídas no programa e se as histórias serão disponibilizadas simultaneamente com o lançamento nos Estados Unidos ou sofrerão algum atraso e aguardarão para ficar disponíveis junto com a publicação física das revistas em seus respectivos países.

Entretanto, a notícia abre um grande precedente que pode afetar a maneira com que os leitores de todo o mundo acompanham as histórias da “Casa das Ideias”.

Mais detalhes deverão ser revelados em breve.

Fonte: Universo HQ