HQ: Quanto vale a sua ideia?


VALORIZE SUA IDEIA. PESQUISE.
Consideremos o ponto de partida como A IDEIA INICIAL, certo? Aquilo que surge e toma toda a nossa atenção, nos mobiliza, nos empolga.
“quero criar um herói com poderes intuitivos”, ou “quero desenvolver uma história em Quadrinhos que fale sobre um trecho da história do Brasil”, ou “quero criar tirinhas que abordem o universo dos animais abandonados”, algum estímulo inicial precisa surgir, brotar de você.
Mas depois dessa ideia inicial, o que você faz com esse estímulo?
Você pode até não ter feito nenhuma história em Quadrinhos antes, mas você com certeza já teve várias ideias para realizar outras coisas. E eu vou te perguntar:
O que você fez com as ideias super interessantes que já teve?
Acho que vale uma reflexão, para poder perceber o que cada um de nós tem feito com as ideias que temos. Colecionamos? Guardamos todas em anotações e seguimos vivendo? Colocamos em prática, organizamos, desenvolvemos as ideias, pesquisamos , planejamos e as transformamos em realidade?

Quando pergunto “Quanto vale a sua ideia?”, na verdade o que desejo saber é: quão importante, interessante você considera a sua ideia? Que tipo ou tempo de pesquisa você tem dedicado a cada ideia interessante que você tem? E para a sua próxima ideia a ser materializada através da artes das histórias em Quadrinhos, que tempo pensa em dedicar à pesquisa? Ao desenvolvimento da sua ideia?
Ou você é daqueles que ao se deparar com uma ideia, corre prontamente para produzir, sem pesquisa, sem apuração de dados, sem análise de material levantado (se fez algum tipo de levantamento)?
Tudo que foi dito ou colocado como interrogações até aqui é para lhe alertar sobre o seguinte:

Na hora de construir sua história em quadrinhos, é importante demais você ter essa noção e entendimento: sem pesquisa, você corre o gigantesco e provável risco de ficar na superficialidade, ficar com construções genéricas, onde só resta ao leitor encontrar um material sem ineditismo, ainda que a ideia “pareça legal”. E pior: por não ter uma pesquisa que possibilite detalhes específicos, só restará ao leitor ficar no campo das comparações, com a sensação de estar acessando um conteúdo que se parece com outros já fartamente conhecidos.
Valorize sua ideia! Pesquise!
Assim, conseguirá desenvolvê-la, com o seu jeito, com seu DNA, com especificidades que diferenciam seus personagens e sua história de outras, ainda que tenha algo em comum.

:: Wilton Bernardo
– Coordenador da Oficina de Quadrinhos e Desenho “Oficina HQ” ( @oficinahq );
– Criador da marca Laço Afro ( @lacoafro );
– Artista visual, Designer Gráfico ( http://www.wiltonbernardo.com )

Criação de Personagem e Direito Autoral – analisando o Superman


Hoje vou falar um pouco sobre criação de personagem e direito autoral. Esse é um assunto muito importante. Afinal, não basta ser criativo, talentoso. É importante entender o que lhe cabe, a importância de se criar um personagem e o que significa “um personagem” nos dias de hoje.
Um personagem nascido de um desenho, pode ganhar o mundo. Um mundo de suportes como cadernos, roupas, produtos decorativos, brinquedos, jogos, além de ser garoto propagada de inúmeras marcas, e ganhar telas de cinema. Não há limites para os personagens.

Aproveitando o clima das aulas da Oficina HQ sobre Criação de Personagem – acontecendo desde o sábado passado, 11/05/19, no Museu Carlos Costa Pinto para a garotada e no Centro Universitário UniRuy, para adolescentes e adultos, vamos abordar alguns personagens e seus criadores!
Por onde começar? Claro que começaremos por ele o Superman. Sabe por quê?

CRIADORES DO SUPERMAN
Segundo o Roberto Guedes, em sua matéria para a revista Mundo dos Super heróis, até junho de 1938 as revistas em quadrinhos não existiam de verdade, eram quase sempre apáticas republicações de tiras de jornal. Mas depois de Action Comics 1 em que estampava o Superman na capa – 1ª aparição do personagem -, artistas talentosos e diversos personagens que surgiram em seguida, ajudaram a criar uma indústria bilionária!
É claro que sem investimentos, não há retorno. Mas em terreno de gente que valoriza a criatividade e o talento, se dá a Cesar o que é de Cesar! Aqui, no Blog do Curso de Quadrinhos Oficina HQ, reverenciamos, sem sombra de dúvidas, os criadores do Superman: Jerry Siegel e Joe Shuster e reconhecemos que se por um lado, sem altos investimentos, não se lucra alto, por outro lado, sem criatividade, sem a criação, não se tem no que investir, afinal dinheiro se consegue, financiamentos, empréstimos, economia pode-se fazer, mas criar, amigos, vamos reconhecer, não tem como negociar isso. Principalmente numa sociedade como a que vivemos onde a capacidade de se reproduzir o que se cria é enorme, o valor de uma mente criativa, é inestimável.

DESENHISTAS DIVERSOS
Ed McGuinness, José Luis Garcia-López, Wayne Boring, John Byrne, Alex Ross, Frank Quitely, Dan Jurgens, Max Fleischer e Curt Swan. Sabe o que todos estes nomes têm em comum? Todos eles desenharam o Supermam, em algum período de sua longa trajetória. E não pense que citei todos! A lista é enorme!!!! Mas fiz questão de citar alguns nomes para chamar atenção a uma coisa que deveria ser óbvia, mas tenho visto que não é: O fato de dezenas de outros desenhistas terem trabalhado com o personagem, cada artista com seu estilo, seu traço, sua forma específica de produzir sua representação gráfica do personagem, não muda em absolutamente nada os direitos e créditos dos autores Jerry Siegel e Joe Shuster. É muito simples entender. Pense numa música criada por determinado artista. Muitos artitas poderão cantar esta mesma música, mas o autor, não continua sendo o mesmo? Pois bem! Uma vez autor, sempre autor.
A exploração comercial pode até ser negociada, mas o autor, jamais deixa de ser autor de uma obra que desenvolveu. Não esqueça jamais disso.

Confira abaixo algumas versões do Superman por diferentes artistas:

Superman por Alex Ross

Superman por Frank Quitely

Superman por Joe Shuster, co-criador do personagem, em parceria com Jerry Siegel

:: Wilton Bernardo (@wilton_bernardo) é artista visual, criador da Ação Cultural Oficina HQ (@oficinahq) e criador da Marca Laço Afro (@lacoafro)
http://www.wiltonbernardo.com

Entenda seu traço, aceite sua originalidade!


Entenda seu traço, aceite sua originalidade!

Fazendo uma pesquisa de desenhos, acabei encontrando esta ilustração de São Jorge feita por mim para estampar em camisetas. Resolvi aproveitar pra escrever uma dica sobre desenho para vocês!
Muitas pessoas demonstram insegurança sobre ter o desenho adequado ou não para fazer quadrinhos. Eu arrisco dizer que essa dúvida se dá quando ficamos muito acostumados a ver trabalhos de poucos artistas. E quando partimos para experimentarmos nos expressar com a artes do desenho, possivelmente (provavelmente fica mais adequado) nos deparamos com um traço (nosso traço) diferente dos tão famosos e consagrados, dos autores ou artistas que estampam famosas publicações ou grandes obras (não necessariamente em revistas em quadrinhos, mas em quadros, capas de revistas diversas, embalagens etc). Quanto mais vemos desenhos considerados “bonitos”, mais nosso grau de exigência cresce. De certa forma, num primeiro momento, é compreensível. Mas há 2 coisas que eu faço questão de ressaltar:

1) Fique feliz se você vê no seu desenho, um traço diferente dos outros que tanto já viu. Isso pode significar originalidade, sua expressão, sua identidade, e isso é precioso. Cabe a você conhecer mais esse seu traço, experimentar variações de espessuras dos grafites, das canetas de finalização, se elas te interessar, enfim, experimentar os materiais, e seguir testando como seu traço funciona e como se faz comunicar com os variados materiais. Experimente. Não queria fazer um único desenho e achar que já finalizou e já decidiu como vai ser seu personagem, a forma de finalizar uma história em quadrinhos. Não, não, não!

2) Exercite o desenho de observação. Ele lhe fará perceber as formas das coisas, as composições, se você se permitir realmente observar as formas, e buscar sempre nas formas geométricas, as bases de construção, sejam na imaginação ou realmente desenhando as formas, como uma maneira de construir algo maior. Sim, as formas geométricas podem te auxiliar e serem seus melhores amigos no que diz respeito a construção de desenho.

# Wilton Bernardo
Professor da Oficina HQ, Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro
@oficinahq

Dica especial: Desenho


Qual o seu processo de construção de um desenho? Já parou pra analisar isso?

Eu observo que a maioria das pessoas quando vão começar a fazer um desenho, elas simplesmente começam a desenhar os detalhes. Se pretendem desenhar uma pessoa, iniciam normalmente pela cabeça e começam a fazer os detalhes: contorno de cabeça, olhos, boca, sobrancelhas, cabelos, e vão descendo, completando o corpo.
Não é todo mundo, mas muitas dessas pessoas, quando iniciam o desenho pela cabeça, não sabem onde vai finalizar o pé. As vezes passam o limite do papel, não é? Calma! isso acontece com um mooonte de gente e se você se ligar nesta dica, não vai mais acontecer!

Sabe como se chama a causa e a solução disso? PLANEJAMENTO
Quem comete esse erro normalmente não percebe que pode desenvolver o desenho por etapas e antes de começar a finalizar o desenho, pode fazer um planejamento. Pode chamar de esboço também.
Se ficar apagando um desenho pra corrigir várias vezes já é arriscado, podendo lhe fazer perder o trabalho e o tempo, imagine como pode ser arriscado você fazer uma página de quadrinhos sem planejamento!?

Não se engane se pensa que os “feras” que trabalham para Marvel, DC Comics não fazem planejamento e pesquisa de referências, para fazerem desenhos o mais convincente possível.
Pois então, experimente planejar seu desenho, estabelecendo os limites nas 4 direções, reflita e planeje a posição que quer desenhar.

A GRANDE SACADA:
– Use formas geométricas para delimitações mais gerais.
– Faça as formas maiores, os traços mais gerais.
– Quando estiver satisfeito com as formas e configurações gerais, você passa para a etapa de fazer os detalhes.
– Você, inclusive, pode fazer os detalhes na mesma folha ou em outra folha com o auxílio de papel vegetal ou de uma mesa de luz, por exemplo.

Vamos tentar?
Esta é uma das primeiras dicas e exercícios que faço com os alunos quando iniciamos a Oficina de Desenho e também a Oficina de Quadrinhos.

Com certeza, você já pode começar!
E se quiser, mostra pra a gente seu desenho!
Se estiver em Salvador-BA e quiser participar da Oficina de Quadrinhos que abordará todas as etapas de construção de uma HQ, fala conosco! As aulas iniciam em 28 de julho, no Estúdio Foto e Design, no Horto Florestal! Se desejar maiores informações, contate-nos: oficinahq@hotmail.com!

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ e da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | wiltonbernardo@hotmail.com

Lindo Clipe de Maria Gadu faz homenagem a Avó

Esse é mais um Break cultural, um intervalo entre uma informação e outra, para apreciarmos um pouco de arte. Na verdade, não deixa de ser informação cultural, o que este Blog se propõe a fazer. Então aproveite:


Maria Gadú compõe música para homenagear a avó
A música escolhida foi composta em homenagem a sua avó, que morreu há três anos, para quem o disco é dedicado. Dona Cila era cantora lírica e perdeu a voz após o uso de um produto químico. Segundo Maria Gadú, o clipe retrata dois grandes sonhos da avó: se apresentar em um teatro municipal e desfilar como baiana na Marquês de Sapucaí.

Para a “realização” desses sonhos, serviram de cenário o tradicional Teatro Municipal de Niterói e o sambódromo do Rio. O vídeo ainda conta com a participação da atriz Neuza Borges, representando Dona Cila. O resultado é emocionante.
De todo o amor que eu tenho / Metade foi tu que me deu / Salvando minh`alma da vida / Sorrindo e fazendo o meu eu / Se queres partir ir embora / Me olha da onde estiver / Que eu vou te mostrar que eu to pronta / Me colha madura do pé”

É uma bonita homenagem. De forma singela, Maria Gadú comove com a letra e o clipe de Dona Cila, sem muito apelo. Faz a gente lembrar da infância e de como é bom mimar e ser mimado pelos nossos avós. Que saudade…

Fonte: www.atrilhasonora.com

Alcione vai pra a exposição “Ícones POP da Música Brasileira”!

Caricatura da cantora Alcione, feita pelo amigo Amauri Alves

As caricaturas não param de chegar, mas temos que admitir: são muitos ícones da música brasileira que merecem homenagem. Então, para não poldar os cartunistas que decidiram entrar na “brincadeira”, a Oficina HQ volta atrás da decisão de limitar 5 caricaturas por participantes.

Até final de agosto, recebermos quantas caricaturas os cartunistas enviarem. O que vale é ter a caricatura e a ilustração legal, independente da quantidade. Assim, não poldamos ninguém.

E quando for acontecer o lançamento do Catálogo, os cartunistas receberão com as vendas, de acordo com o número de trabalhos inclusos no conteúdo. Assim, todos serão respeitados.

+ Oficina HQ +
www.oficinahq.com