3ª DICA: Arquétipos


Dica 3: Arquétipos
Olha, Por mais bem estruturado e definido que já sejam seus personagens, e mais mais interessante e fechadinha que seja a sua idéia de história que você vai roteirizar, eu sugiro que antes de “bater o martelo”, antes da revisão final de sua história, você dê uma estudada sobre os arquétipos.
E digo mais, leia sobre a jornada do Herói! Isso vai ajudar de forma incrível a você conseguir organizar a história tão legal que deseja compartilhar com o mundo em forma de Quadrinhos, sem contar que você vai poder entender e organizar as funções de cada personagem dentro dessa narrativa.
Veja abaixo um pouco sobre os arquétipos e em seguida assista o vídeo!

Arquétipos
Os arquétipos podem ser compreendidos como representações personificadas das feições humanas. Todos nós temos um pouco de herói e vilão, tolo e sábio, palhaço e austero. O arquétipo vem a ser a encarnação destas características.

No roteiro, uma personagem pode representar um arquétipo. Nestas histórias o vilão sempre agirá como vilão e o herói como herói. Por outro lado existem roteiros que querem dar um aspecto mais humano as suas personagens, nestes cada personagem pode apresentar ou representar diferentes aspectos no decorrer da história.
Segundo Christopher Vogler, os principais arquétipos são: (vale muito a pena, pesquisar sobre as características de cada um desses arquétipos)
1 – HERÓI
2 – MENTOR
3 – GUARDIÃO DO LIMIAR
4 – ARAUTO
5 – CAMALEÃO
6 – SOMBRA
7 – PÍCARO
8 – O ANJO
9 – O ORELH
A

Quer saber mais?
Christopher Vogler é um roteirista de Hollywood. É famoso por ter escrito o “memorando The Writer’s Journey: Mythic Structure For Writers” (A Jornada do Escritor: Estrutura Mítica para Roteiristas), como um guia interno para os roteiristas dos estúdios Walt Disney.
Vogler trabalhou para os estúdios Disney, Fox 2000 Pictures, e para a Warner Bros. sempre nos departamentos de desenvolvimento de idéias. Também já foi professor da Escola de Cinema e Televisão da Universidade do Sul da Califórnia, na Divisão de Animação e Artes Digitais, bem como na extensão da UCLA. Atualmente, Vogler é presidente da empresa Storytech.
Vogler cursou cinema na Escola de Cinema e Televisão da Universidade do Sul da Califórnia, a mesma faculdade onde estudou George Lucas. Assim como Lucas, Vogler foi inspirado pelo trabalho do antropólogo Joseph Campbell, particularmente “O Herói de Mil Faces” e o conceito do monomito.

O monomito (às vezes chamado de “Jornada do Herói”) é um conceito de jornada cíclica presente em mitos, de acordo com o antropólogo Joseph Campbell. Agora que chegou até aqui, assista ao vídeo abaixo. Espero que esta última das 3 Dicas tenha colaborado com seu desenvolvimento na construção de sua história em Quadrinhos.
Me fala o que achou no instagram! Até as próximas dicas!

# Wilton Bernardo
Professor da Oficina HQ, Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
@oficinahq

2ª DICA: Storyline


2ª Dica: Storyline

Digamos que você já tem os personagens criados, com suas devidas características definidas. Agora falta desenvolver a história. Mas será que você
tem que sentar na frente do notebook e iniciar a descrição do roteiro, os diálogos, o tempo, e toda a narrativa? Será que não seria melhor ter a história desenovlvida, para depois roteirizar, com a organização das falas por personagem, cenas descritas por quadros? Mas para isso, eu vou sugerir que você desenvolva seu Storyline! Vamos entender:

Storyline
O Storyline é a síntese da história que desenvolveremos. Uma espécie de resumo que você deve escrever em 5 linhas. Nele registrará os acontecimentos mais relevantes. Esta síntese será seu guia na hora de desenvolver o argumento(a descrição da história completa, o textão), para depois preparar o roteiro. Ela te ajudará a dar o começo meio e fim à sua história, te auxiliando na elaboração dos diálogos (posteriormente), sem perder a noção de “elaboração do problema”, “valorização do problema”, e “desfecho para o problema”.

Ao elaborar o seu storyline, não se prenda a detalhes. O “close” em determinada cena, a roupa do personagem, o que o personagem vai falar pra o outro, se é manhã, tarde ou noite, o que o personagem está pensando…. definitivamente nada de detalhes.

Antes mesmo de escrever o storyline, você precisa ter uma idéia: o que vai acontecer de fato? O que justifica essa história mesmo? Existe uma mensagem a ser apresentada através dessa história? Se você vai desenvolver uma aventura, drama, ação, então, como será? Que trama ? que acontecimento? Com que fato você vai apresentar essa história?
Alguém descobre algo de muito importante?
Vai haver uma grande disputa? De quê? Entre quem? Quem vai vencer?
ATENÇÃO: Você só não pode confundir “Sinopse” com “Storyline”. A Sinopse normalmente apresenta um resumo da história de forma a atrair o interesse do leitor ou telespectador, mas não há o compromisso da Sinopse revelar tudo (senão perde a graça?). Mas Storyline não tem segredo, até mesmo porque o Storyline não vai ser apresentado ao público. Ele é etapa de desenvolvimento, de construção e quem tem acesso a ele é quem está desenvolvendo a história.

Exemplo de Storyline – Filme Melhor é impossível: Um excêntrico e difícil escritor de nova-iorque apaixona-se pela garçonete que todos os dias o atende mas a doença obsessivo-compulsiva de que sofre impede uma relação normal. Uma viagem em que os dois se vêem envolvidos por um amigo comum dá-lhe por fim a oportunidade de mostrar o seu lado melhor, conseguindo conquistá-la.

Espero que você tenha gostado das dicas 1 e 2 que compartilhei contigo. Amanhã você terá a terceira e última Dica prometida!

# Wilton Bernardo
Cartunista, designer gráfico, artista visual
Professor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
@oficinahq

1ª DICA: Recursos narrativos (Enquadramento)


1ª Dica: Recursos narrativos
Na construção de uma história em quadrinhos há diversos recursos que compõem as etapas de construção. Conscientes ou não, essas etapas serão realizadas, então, quanto mais consciência e domínio em cada aspecto, melhor para você obter êxito em sua construção. Exemplo de recursos narrativos: onomatopeias, angulações, legendas, balões, ritmo, planos, entre outros.

Então abaixo segue uma orientação sobre enquadramento, para que você realmente esteja atento ao realizar as enquadrações de imagem em cada quadro de sua HQ.

Enquadramento
O controle da narrativa está em suas mãos. O enquadramento é importante e um ótimo exercício de direção. Cuidado com essa ferramenta, pois você precisa direcionar o olhar do leitor, mas ao mesmo tempo, precisa dar-lhe alternativas no que diz respeito a perceber as coisas.

Falar de enquadramento me faz lembrar a prática de assistir futebol ou outra competição esportiva pela TV. Tem coisa pior? Você suporto a ideia de só olhar o que a câmera enquadra! Percebe a importância? Essa analogia para facilitar sua análise e perceber o quão importante é este enquadramento para o entendimento e dedução do leitor.

Pense sobre isso na hora de enquadrar as imagens de sua história. Resumindo, quero dizer que você deve dirigir o olhar, mas com cautela e cuidado para o leitor não se sentir um idiota. Lhe dê a chance de poder deduzir algo e não, ficar sabendo de tudo que acontece na história quando as ações realmente têm o desfecho. É interessante que ele possa, também, deduzir algo e isso pode estar no campo das ideias, mas também pode depender da sua percepção sobre as imagens exibidas.

# Wilton Bernardo
Professor da Oficina HQ, Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
@oficinahq

Dicas gratuitas: construção de uma HQ


Pessoal, sou Wilton Bernardo, artista visual, designer gráfico e cartunista. Sou o idealizador e um dos professores do Curso de Quadrinhos da Oficina HQ que existe e realiza atividades em Salvador-BA desde 2003 – exposições, mostras de filmes, oficinas, workshops e cursos.

Cada vez que eu abro inscrições e divulgo novo curso, muitas pessoas interessadas nesta área perguntam se precisam saber desenhar, e muitas não fazem ideia das etapas que são fundamentais para qualquer pessoas poder desenvolver uma história em Quadrinhos com planejamento, segurança e de forma organizada, ou seja, profissionalmente.
No Curso de Quadrinhos que realizo, todas as etapas importantes de construção de uma HQ serão abordadas. Mas entendendo que nem todos poderão participar, seja porque não estão em Salvador-BA, ou por qualquer outro motivo, eu resolvi compartilhar com todos que acompanham as Redes Sociais da Oficina HQ (instagram, facebook e Blog) 3 dicas super importantes, GRATUITAMENTE, que ajudarão incrivelmente a você que deseja construir Histórias em Quadrinhos cada vez melhores.

As 3 dicas escolhidas para ajudar você a construir sua HQ com mais técnica – a serem disponibilizadas no instagram, blog e facebook da Oficina HQ – são as seguintes:

1 – Recursos narrativos (Enquadramento) – disponível a partir de 25/03/19
2 – Storyline – disponível a partir de 26/03/19
3 – Arquétipo – disponível a partir de 27/03/19

Espero sinceramente poder ajudar você a desenvolver suas habilidades e enriquecer sua técnica na construção de uma história em Quadrinhos.
Abraço e até a primeira dica a ser publicada amanhã!

# Wilton Bernardo
Cartunista, designer gráfico, artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ, da marca Laço Afro e do estúdio ilê401
http://www.wiltonbernardo.com

4ª Dica: Recursos Narrativos (Angulações)

algulacao-will_eisner
(Ilustração acima do mestre Will Eisner)

Este é um assunto delicado e importante. Você pode ser criativo, saber bastante sobre recursos da linguagem dos quadrinhos. Pode já ter visto quadrinhos interessantes com distribuições criativas de balões e desenhos… Na hora de você colocar a mão na massa e mostrar seu trabalho desenvolvendo a sua narrativa gráfica, cuidado para não pecar por excesso. Não use os recursos gratuitamente. É importante pensar no público que vai ler essa narrativa, e deixar o contexto da história também te fazer perceber o recurso apropriado a ser usado, que no caso, é o tipo de angulação.

IMPORTANTE: Perceba que em determinadas angulações você pode ajudar um personagem a estar encurralado, a ter mais força. As angulações também servem para comunicar, assim como todos os outros recursos narrativos.
Pesquise: Plano plongé e contra-plongé!

Abraço e até a próxima!

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ e da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | wiltonbernardo@hotmail.com

banner-hq-ruy-barbosa-12-11-16

2ª Dica – Recursos Narrativos na HQ

dica-2-ritmo
Eu estava olhando uma história em quadrinhos que fiz há muito tempo de um personagem meu – Dona Dedé – e estou pretendendo refaze e lançar. Vi umas imagens que eu acho legais de uma grande confusão numa feira, com direito a tomates e muitas outras verduras e frutas voando. Este momento é o ápice da pequena história. Isso me lembrou RITMO, um dos mais importantes recursos narrativos nas histórias em quadrinhos. É importante saber os momentos mais e menos importantes, bem como o ápice da história para utilizar bem esse recurso.
Entre os diversos recursos narrativos eu destaco: onomatopeias, enquadramento, angulações, legenda, planos e ritmo!

Tenha a ideia geral da história em mente, é fundamental para você entender a importância de cada trecho. A forma com que você vai contar a história, através das imagens que apresentará ao leitor define o ritmo. Quantos quadros vai usar e quão rápida vai ser a passagem de um fato define o ritmo e o que importa no que você está contando em quadros.

Por isso, considero ritmo um dos recursos essenciais. Também por isso, acho estranho pensar em roteirizar, sem ter a história fazendo sentido, redonda.

Ficamos por aqui. Até a próxima dica!
Ah! Se quiser sugerir um tema, fiquem à vontade!

Abraço!

# Wilton Bernardo
Designer gráfico e artista visual
Gestor do curso de Quadrinhos Oficina HQ e da marca Laço Afro
http://www.wiltonbernardo.com | wiltonbernardo@hotmail.com

quadrinhos-faculdade-ruy-barbosa

Por quê se inscrever numa Oficina de Quadrinhos?

marvel-comics-app
“Um jovem com talento para fazer quadrinhos poderia se interessar em aprimorar um dom que possui até se sentir seguro e preparado para galgar uma oportunidade no competitivo mercado norte-americano. Quem sabe, pode conseguir desenhar para uma editora como Marvel, DC Comics e ganhar em dólar!”, poderia ser a resposta mais óbvia, certo?

Talvez eu mesmo tenha tido uma resposta parecida com a descrita acima, quando eu estava divulgando a primeira oficina de quadrinhos que ministraria, em setembro de 2003, exatamente 12 anos atrás.

A verdade é que a resposta que inicia este artigo está longe de esgotar o público tão diverso que minha Oficina de Quadrinhos atinge. Inclusive esta é uma das coisas mais interessantes da Oficina de Quadrinhos: o público tão diverso que atrai.

Profissionais de EAD para implementar a comunicação com os alunos inscritos no curso gerido pela empresa em que trabalham; uma pessoa aposentada precisando exercitar o punho com tempo livre; uma professora que gostaria de entender melhor a ferramenta das histórias em quadrinhos para realizar aulas mais interessantes; artistas plásticos que desejam dominar esta expressão. Jornalistas que desejam dominar e utilizar os quadrinhos como mais um suporte para o jornalismo. Acreditem. Todas as razões acima foram motivos que trouxeram dezenas de alunos para as diversas edições de oficina de quadrinhos, e eu poderia citar uma porção de outras razões.

Por isso, eu sempre digo às turmas que uma das melhores coisas que elas ganham ao participar da oficina é justamente uma turma de colegas (quem sabe futuros amigos) diversa, e por isso interessantíssima. Estimulo que aproveitem os contatos. Aquele é um legado fantástico para todos. Arquitetos, advogados, músicos, publicitários, psicólogos, professores, artistas plásticos, jornalistas. Reunir essas pessoas e poder dialogar com elas faz o conteúdo, as discussões e o convívio durante as 25h serem interessantíssimas. E ao final de cada aula, todos desejam fazer o ponteiro parar. O primeiro a desejar isso, com toda certeza sou eu.

:: Wilton Bernardo
Gestor da Oficina HQ – Ação Cultural