Morre Steve Ditko, cocriador do Homem-Aranha e do Doutor Estranho


CREDIT: Courtesy of Marvel Comics

Steve Ditko é um arquiteto dos mitos modernos. De seu traço nasceram alguns dos mais famosos super-heróis — do Homem-Aranha ao Doutor Estranho, passando pela Eternidade (a mesmíssima encarnação do universo Marvel) ao lado do célebre Stan Lee. Personagens que valeram bilhões de dólares nas prateleiras e nas bilheterias do mundo inteiro. Apesar de sua importância em nossa cultura, não existe nenhuma foto pública colorida do desenhista. Ele concedeu sua última entrevista formal em 1968: “Nunca falo sobre mim. Meu trabalho sou eu. Faço o melhor que posso e, se gosto, espero que outros também gostem”, explicava o autor, encontrado morto aos 90 anos pela Polícia de Nova York, em seu apartamento, em 29 de junho passado. Seu adeus chega do mesmo jeito que ele viveu nas últimas décadas: recluso e rodeado de mistério. Tanto que as investigações, que só tornaram pública a sua morte na última sexta-feira, indicam que Ditko morrera dois dias antes, como informa o site da revista especializada The Hollywood Reporter. O autor pereceu sem poder (nem querer) contar a sua versão sobre uma polêmica história que deixou a indústria contra ele.

Steve Ditko chegou ao Homem-Aranha um pouco por acaso. Morou em Nova York durante 70 anos, mas, ao contrário de Stan Lee e Jack Kirby, nasceu em 2 de novembro de 1927 em Johnstown (Pensilvânia, EUA). Pouco se sabe sobre sua biografia, que ele sempre teve o cuidado de esconder (negou toda memória publicada sobre si). Viajou à Alemanha com o Exército após a Segunda Guerra Mundial e, ao voltar, inscreveu-se na Escola de Caricaturistas e Ilustradores de Nova York. Ali, nos anos cinquenta, conheceu Stan Lee, que visitou sua turma na condição de editor-chefe da editora Atlas, o embrião da Marvel. Ditko logo começaria a trabalhar com Lee, criando terror e monstros, algo para o qual seu traço realista, os rostos feiosos, a acumulação de vinhetas e a veia psicodélica pareciam mais do que indicados. Os super-heróis, por sua vez, não pareciam se encaixar em sua visão pouco convencional.

Essa ideia mudou em 1962, quando Lee decidiu que não queria que Kirby criasse seu novo herói. Não buscava um super-herói forte e arquetípico para modelar o estudante Peter Parker. O Homem-Aranha seria um marginado, alguém que não conseguia fazer bem as coisas e que precisaria de uma evolução para chegar a ser um homem feito. Ditko era perfeito para isso. Assim — embora sempre sem sabermos de quem foi a primeira ideia — nasceu um dos maiores ícones pop do mundo, que transformaria os parâmetros do gênero para sempre.

Em 2007, Jonathan Ross tentou procurar Steve Ditko e criou um documentário.

Durante 38 edições de The Amazing Spiderman, a dupla criou os personagens secundários mais famosos na vida do herói, assim como seus ecléticos e geniais vilões: o Duende Verde, o Doutor Octopus, o Lagarto, o Abutre… Enquanto isso, em Strange Tales os autores definiram um mundo psicodélico e imaginativo que navegava pela outra cara do universo Marvel: a feitiçaria, o oculto e as viagens astrais. O realismo frente ao surrealismo próprio de Dalí. Até que Ditko, em seu apogeu criativo, deixou aquilo tudo. Não queria os holofotes nem desejava trabalhar sem ganhar o que julgava merecer.

O modo de trabalho de Stan Lee sempre havia sido questionado. Segundo o método Marvel, o roteirista escrevia um argumento genérico, e os desenhistas o desenvolviam, mas sem créditos suficientes de seu chefe. Essa estratégia acabou colocando Lee contra Jack Kirby, que aos poucos viu como como se encarregava do roteiro sem remuneração nem direitos, e também contra Ditko, que conseguiu ser coautor, mas que foi menosprezado por Lee em diversas ocasiões. “Aquele que tem a primeira ideia é o criador”, frisou o fundador da Marvel durante anos. Ditko, que via sua ideia como uma cópia do Homem-Mosca, de Kirby, questionava inclusive esse conceito. Algo que os colocou em confronto publicamente. “Stan não conhecia nem meus roteiros antes de escrever os diálogos. A existência do Homem-Aranha precisava de uma identidade visual correta. Ter uma ideia não é nada se não for tangível”, afirmou Ditko na década de noventa, quando, 30 anos depois, voltou a falar com Lee. A partir de então, Lee sempre diria que considerava seu companheiro cocriador do Homem-Aranha, mas Ditko nunca ficou satisfeito com a forma como dizia isso.

Em seus últimos trabalhos em conjunto, Ditko e Lee nem sequer se falavam. Pouco a pouco, Ditko havia mergulhado numa das correntes filosóficas mais polêmicas do século XX: o objetivismo de Ayn Rand, e foi salpicando seus livros com conceitos que pareciam ter sido tirados de A Revolta do Atlas (Ed. Arqueiro, 2010). Se Lee via Peter Parker como um jovem tímido e comedido (uma versão do Ditko jovem), a filosofia de Ditko o levaria a se transformar no homem perfeito, individualista e intocável, que não pensa em ninguém mais para ser o melhor. Uma espécie de J. Jonah Jameson explorador e bem-sucedido. “Ditko acha que é um gênio do mundo”, chegou a dizer Lee. Em 1966, o desenhista, que não via sua originalidade recompensada por aquele a quem via como um homem “assustado e aborrecido demais”, foi embora. Inclusive pediu que Kirby fosse junto. Mas o criador do Capitão América e dos Quatro Fantásticos tinha uma família para cuidar. Ainda não podia ir, como recordou o jornalista norte-americano Sean Howe em Marvel Comics — The Untold Story (A história secreta da Marvel).

Ditko aportou na Charlton Comics, onde teve mais liberdade graças à menor popularidade da editora. Criou o herói de direita Questão, o Capitão Átomo, o Rastejante, Rapina e Columba, já na DC. Personagens que estão a ponto de serem adaptados também para a TV. O mesmo acontece com Speedball e sua hoje popular paródia Garota Esquilo, um de seus últimos trabalhos na Marvel quando regressou em 1992 (na época, tentaram sem sucesso reunir Lee e Ditko num gibi futurista). Porque, apesar de dar as costas à indústria e ao mundo, Ditko nunca deixou de criar — em revistinhas independentes, em colaborações pontuais, desenhando o Mr. A (baseado na filosofia de Rand) e inclusive em fanzines em preto e branco que enviava por carta.

Nunca saberemos toda a verdade. “Não nos aproximamos dele. É como J. D. Salinger [autor de O Apanhador no Campo de Centeio (Editora do Autor, 2012)]. É reservado e intencionalmente esteve longe dos holofotes”, disse em 2016 a The Hollywood Reporter o cineasta Scott Derrickson, diretor da adaptação Doutor Estranho (2016), pela qual nunca se soube se Ditko recebeu a sua parte. Antes sempre a havia rejeitado. Quando suas páginas de Amazing Fantasy 15 — a primeira aparição do Homem-Aranha — foram doadas à Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos de maneira anônima, em 2008, o jornal Chicago Tribune tentou entrar em contato com ele. Sua resposta foi clara: “Pouco me importa.”

Fonte: El Pais – Eneko Ruiz Jiménez

Cena completa de O Espetacular Homem-Aranha


Sony Pictures divulgou um vídeo de dois minutos e meio apresentando uma cena completa do filme O Espetacular Homem-Aranha. A cena é a que já teve diversos trechos mostrados em outrostrailers e spots de TV e na qual o Homem-Aranha impede o roubo de um automóvel.

A divulgação faz parte de um DVD especial vendido nas lojas Wallmart junto com uma revista em quadrinhos do personagem, que traz a primeira aparição do Lagarto em Amazing Spiderman # 6 (por Stan Lee e Steve Ditko). E ainda tem um documentário da produção, que foi disponibilizado no mesmo pacote promocional.

Fonte: Universo HQ e Youtube

DC procura desenhistas para substituir Jim Lee em Justice League

De acordo com o site Bleeding Cool, a DC Comics já começou a procurar desenhistas para substituir Jim Lee na revista Justice League. Atualmente, Lee não é apenas desenhista, mas acumula também o cardo de coeditor e se envolve em vários assuntos sobre a gerência da editora, além de ser solicitado para criar muitos dos materiais promocionais da empresa.

Some-se a isso o fato de ele não ser conhecido por sua rapidez em fazer os desenhos e está criado o quadro.

A editora já teria entrado em contato com diversos artistas considerados de primeiro escalão, para assumir o título durante ao menos 12 edições, o que daria um ano inteiro de publicação. E os planos vão além: a DC quer ter desenhistas alinhados já para os próximos três ou quatro anos.

Inclusive, a editora quer alguns nomes que passaram os últimos anos mais associados aos seus trabalhos na rival Marvel.

Mas se a equipe artística passará a contar com mudanças, Geoff Johns continuará no título escrevendo normalmente as histórias da superequipe.

Fonte: Universo HQ

Crie uma Fantasia de Super-Herói para Laidback Luke

O mestre da música eletrônica Laidback Luke estará aquecendo as multidões em seu próximo round de festas “Super You&Me”, que fizeram o famoso DJ Holandês partir da sua residência no clube Paradiso em Amsterdan para eventos na Pacha em New York. Com antigos convidados, incluindo Calvin Harris, Afrojack, Dada Life e Wolfgang Gartner, as festas Super You&Me ditam o estilo futurístico ‘YOUnique’, onde os baladeiros podem se transformar em seus mais bizarros desejos de super-heróis enquanto curtem um lineup progressivo.

Em celebração ao próximo round das festas SuperYou&Me, Laidback Luke, junto com os legendários Stan Lee e Todd McFarlane, estão convidando designers para submeter a criação de sua melhor fantasia de super-herói. O vencedor terá o seu design produzido e usado por Laidback Luke na sua festa na Governor’s Island em New York.  Além disso, o vitorioso designer será convidado para uma festa SuperYour&Me exclusiva, para ver a sua roupa de super-herói em primeira mão.

Host Choice Para o Vencedor

Um vencedor terá o seu design fabricado e vestido por Laidback Luke em sua festa Super You&Me em Julho de 2012 na Governor’s Island em New York, a qual o vencedor será convidado de honra. Viagem e duas noites de estadia na Governor’s Island serão oferecidas para o vencedor e um acompanhante. O vencedor também irá receber:

  • Exposição do seu design nos canais de mídia social de Laidback Luke, Stan Lee e Todd McFarlane’s
  • Merchandise exclusiva e assinada por Laidback Luke, Stan Lee e Todd McFarlane’s

People's Choice Para o Mais Votado

 

O artista mais votado irá receber:
  • Exposição do seu design nos canais de mídia social de Laidback Luke, Stan Lee e Todd McFarlane’s
  • Merchandise exclusiva e assinada por Laidback Luke, Stan Lee e Todd McFarlane’s

Important Dates Prazos

Inscreva-se até: 21 de Maio 2012
Vote: 22 de Maio de 2012 –  28 de Maio 2012
Anúncio do Vencedor: 30 de Maio de 2012

Se inscreva AQUI 

Fonte: Talenthouse  

‘Os Vingadores’ reúne heróis, forte elenco e efeitos visuais

Os Vingadores - Estreia em 27 de abril 2012

Uma reunião de super-heróis – conte na lista O Incrível Hulk, Capitão América, Homem de Ferro e Thor -, interpretados por um elenco de peso, que tenta salvar a Terra de um inimigo inesperado. É isso – e muitos efeitos especiais – que promete o filme Os Vingadores, escrito e dirigido por Joss Whedon, que estreia em 27 de abril

No longa, Nick Fury (Samuel L. Jackson), diretor da agência S.H.I.E.L.D., recruta super-heróis de todas as partes do mundo após a ameaça de Loki (Tom Hiddleston) contra o planeta. Entre eles, estão a Viúva-Negra (Scarlett Johansson), Tony Stark, também conhecido como Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), O Incrível Hulk (Mark Ruffalo) e Capitão América (Chris Evans). O último acaba liderando o grupo nas horas críticas. Em entrevista aoTerra na manhã da última terça-feira (10), Chris disse não acreditar que exista um protagonista na trama. “Eu acho que o Capitão América acaba sentindo mais que os outros por ser de fora, já que ele está distante de sua própria época”, afirmou Chris (o personagem criado durante a Segunda Guerra Mundial passa décadas enterrado no gelo e acorda nos dias atuais).

O intérprete do Capitão comentou a química dos atores principais em cena, que acaba ficando visível no resultado final. Segundo o ator, a maioria já se conhecia de filmes anteriores (Scarlett e Downey atuaram juntos em Homem de Ferro, por exemplo), e o relacionamento amistoso só aumentou no set. “Nós nos demos muito bem”, afirmou.

Compensando o roteiro clássico e pouco original, o longa abusa de cenas de ação e efeitos. Para se preparar o papel, Chris contou com o apoio de treinadores. Alguns, como Chris Hemsworth, Jeremy Renner e Tom Hiddleston, que interpretam Thor, o Gavião Arqueiro e o antagonista Loki, respectivamente, tiveram aulas de diferentes estilos de luta, que iam do medieval ao kung fu e wushu. “Teve bastante treinamento. E cuidado para não se machucar”, explicou ele, que está em passagem-relâmpago no País para divulgar o filme e deseja voltar para visitar com calma.

Acostumado a encarnar super-heróis – antes de Capitão América e Os Vingadores, esteve no elenco de O Quarteto Fantástico como Tocha Humana -, Chris confessa que as histórias em quadrinhos não eram presentes na sua infância, mas que as leu para interpretar os personagens. Ele está feliz (e confiante) como o super soldado no filme. Tanto é que espera uma continuação. “Eu tenho um palpite que haverá continuação. Não é certeza, precisamos esperar para ver o resultado do primeiro, mas eu anteciparia que sim”.

Os Vingadores

Além de ação, o filme da Marvel baseado em histórias em quadrinhos criada por Stan Lee e Jack Kirby também investe nas piadas, forçadas em algumas ocasiões. Um dos destaques do filme é a interpretação de Robert Downey Jr., na pele do excêntrico bilionário egocêntrico Tony Stark. Robert revive o Homem de Ferro, dando ao personagens boas doses de um humor sarcástico que funciona e rouba a cena. Sem muitas surpresas mas com ingredientes certos para filmes do tipo, Os Vingadores deve agradar fãs de filmes de ação e, é claro, de HQs.

Fonte: portal TERRA

Stan Lee Media entra na justiça pelos direitos de Conan

A empresa Stan Lee Media Inc, fundada no final da década de 1990 por Stan Lee, entrou com uma ação na corte de Los Angeles no dia 19 de agosto reivindicando os direitos do personagem Conan e 100% dos lucros provenientes do novo filme do personagem.

A Stan Lee Media obteve controle total da Conan Properties, mas, em 2001, entrou em falência. No ano passado, a Corte de Colorado reconheceu os novos administradores da Stan Lee Media, e a empresa tenta se reerguer desde então.

De acordo com o processo, o pedido de falência de 2001 teria prevenido qualquer um de adquirir os direitos do personagem, já que o estado de falência impedia que qualquer transação fosse realizada envolvendo suas propriedades. Mas, em 2002, um agente não autorizado pela empresa transferiu os direitos da Conan Properties de volta para a Conan Sales Co, e logo depois eles foram negociados com a Paradox Entertainment.

A lei de falência nos Estados Unidos envolve várias etapas. Quando uma empresa declara falência não significa que ela fechou as portas e deixou de existir. Esse é um meio que empresas encontram quando não podem mais arcar com suas dívidas, e assim assegurar suas propriedades enquanto passam por uma reestruturação.

Para a Stan Lee Media, eles foram enganados pelo advogado Arthur Lieberman (entre outros) que prestava serviços a ela, ao fechar um acordo ilegal para transferir o controle sobre Conan, permitindo assim o que o filme atual fosse produzido e lançado.

Em comunicado, a Paradox disse ainda não ter sido informada do processo judicial, mas afirma jamais ter sido procurada sobre o assunto antes e que nunca soube que a Stan Lee Media brigava pelos direitos do personagem. Os direitos foram adquiridos entre 2002 e 2003 e pagos em dinheiro, de acordo com as normas impostas pela lei norte-americana em situações parecidas. No momento, a empresa considera a ação sem sentido, mas espera receber os detalhes para seus advogados estudarem melhor o caso.

A Paradox Entertainment possui o controle do personagem e mais de 800 histórias e poemas feitos pelo criador de Conan, Robert E. Howard.

Apesar de levar seu nome, Stan Lee não tem mais nenhuma ligação com a Stan Lee Media.

Fonte: Universo HQ

Quadrinista Stan Lee ganha estrela na calçada da fama de Hollywood

Quadrinista Stan Lee

O quadrinista americano Stan Lee, de 88 anos, ganhou uma estrela na calçada da fama de Hollywood, nesta terça-feira (4). O nome do desenhista acompanha a placa de número 2.428 do lugar. Ele é o criador de personagens como Homem-Aranha e Hulk.

Em 1981, Lee transformou seus heróis em desenhos animados exibidos por emissoras de TV. Quando a Marvel Comics e a Marvel Productions foram adquiridas pela New World Entertainment em 1986, os horizontes do quadrinista foram se expandido ainda mais. Ele teve a oportunidade de se envolver mais profundamente na criação e desenvolvimento de projetos filmados.

Lee supervisionou diversas produções de animação, tais como “X-Men”, “Homem-Aranha” e “Hulk”. Hoje, personagens de Stan estão em mais de 20 séries de televisão.
Fonte: G1 (São Paulo)